BUSCAR
BUSCAR
Alerta
Medidas recentes indicam que setor elétrico está no limite e risco de apagões é cada vez maior
Para especialistas, existe o risco de faltar energia no fim do ano para atender à demanda no horário de pico
O Globo
26/08/2021 | 12:12

Dois meses depois de o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, minimizar os riscos de um racionamento de energia no país num pronunciamento em cadeia nacional, o presidente Jair Bolsonaro assinou ontem um decreto determinando o primeiro corte obrigatório no consumo de eletricidade no país.

Órgãos públicos federais serão obrigados a reduzir uso de energia entre 10% e 20%. Ao mesmo tempo, um conjunto de medidas adotadas pelo governo nas últimas semanas para enfrentar o agravamento da crise hídrica aumenta o risco de interrupções no fornecimento de energia neste segundo semestre, alertam especialistas.

A redução na vazão das hidrelétricas — que, na terça-feira, foi estendida às usinas do Nordeste —, a flexibilização nas margens de segurança na transmissão de energia e os incentivos à indústria para a redução do consumo de energia nos horários de pico são medidas citadas por especialistas no setor elétrico como alertas para o maior risco de apagões no horizonte.

Na quarta, o ministro de Minas e Energia afirmou que o governo ainda vai estabelecer em setembro metas de redução do consumo para clientes residenciais e pequenos empreendimentos em troca de bônus, mas sem obrigatoriedade.

Lago da represa da hidrelétrica de Marimbondo, no interior de São Paulo, praticamente sem água: consumidor terá de pagar sobretaxa ainda maior na conta de luz pelo acionamento de termelétricas Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Lago da represa da hidrelétrica de Marimbondo, no interior de São Paulo, praticamente sem água: consumidor terá de pagar sobretaxa ainda maior na conta de luz pelo acionamento de termelétricas Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
A usina hidrelétrica de Marimbondo esta operando abaixo da capacidade por causa do período da estiagem Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
A usina hidrelétrica de Marimbondo esta operando abaixo da capacidade por causa do período da estiagem Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Seca pode prejudicar fornecimento de energia elétrica Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Seca pode prejudicar fornecimento de energia elétrica Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Segundo ONS, está prevista
Segundo ONS, está prevista “a perda do controle hidráulico de reservatórios da bacia do Rio Paraná no segundo semestre de 2021” Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
O reservatório da usina Marimbondo, localizado no Rio Grande, divisa entre São Paulo e Minas Gerais, atingiu o nível mais baixo entre todos os monitorados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
O reservatório da usina Marimbondo, localizado no Rio Grande, divisa entre São Paulo e Minas Gerais, atingiu o nível mais baixo entre todos os monitorados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Com a falta de chuva para encher o reservatorio, a producao de energia foi reduzida Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Com a falta de chuva para encher o reservatorio, a producao de energia foi reduzida Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Área inundada por barragem volta a ficar exposta devido à seca histórica Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Área inundada por barragem volta a ficar exposta devido à seca histórica Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Cor mais vívida do solo revela o que há pouco era o fundo do reservatório Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Cor mais vívida do solo revela o que há pouco era o fundo do reservatório Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Localizada na divisa de São Paulo e Minas Gerais, a hidrelétrica tem capacidade para produzir 1.440 megawatts Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo
Localizada na divisa de São Paulo e Minas Gerais, a hidrelétrica tem capacidade para produzir 1.440 megawatts Foto: Ferdinando Ramos / Agência O Globo

— O Brasil está operando no limite. O governo está oferecendo um prêmio para a indústria reduzir seu consumo no momento de pico, que é onde há problema e preocupação. Esse risco de apagão é a porta de entrada para o racionamento — afirma Roberto D’Araújo, diretor do Instituto Ilumina.

O nível dos reservatórios do centro-sul do país já estão em níveis mais baixos que os que levaram à crise que levou ao racionamento de energia em 2001. O governo se viu obrigado a adotar medidas que, na prática, deixam o país mais vulnerável a blecautes nos horários de maior demanda, segundo D’Araújo.

Ele cita ainda as mudanças na regras de segurança das linhas de transmissão, autorizadas sem alarde pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) para incrementar em cerca de 30% a capacidade de transferência de energia do Norte e principalmente do Nordeste para Sudeste e Centro-Oeste:

— As linhas de transmissão contam com uma segunda linha de redundância, caso haja problema com a primeira. Agora, as duas são usadas. Isso agrava a possibilidade de apagão.

Para o especialista, o plano do governo de reduzir a vazão das hidrelétricas do Nordeste para estocar mais água e aumentar a geração e o envio para o centro-sul na fase mais crítica da seca pode ser arriscada.

Ele lembra que os lagos nordestinos representam apenas 20% da capacidade de armazenamento no país e são importantes para a segurança energética da região.

No momento, a boa “safra de ventos” tem favorecido a geração eólica e há crescimento da fonte solar, ma, segundo D’Araújo, as fontes renováveis não conseguem “segurar” em tempo real picos de demanda.

Ele adverte ainda que o nível dos reservatórios no Nordeste também pode sofrer com estiagem até o fim do ano:

— O Nordeste não tem como mandar mais nada de energia, pois a altura dos reservatórios das hidrelétricas na região pode baixar para um nível perigoso. Com menos altura, as usinas precisam consumir mais água para aumentar a produção de energia, agravando ainda mais a situação. E, ao fazer muita força para puxar água, pode haver danos no aço das turbinas — disse D’Araújo.

Nivalde de Castro, coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel), do Instituto de Economia da UFRJ, também vê risco de faltar energia no fim do ano para atender à demanda no horário de pico.

Para ele, a estratégia de segurar água nos reservatórios do Nordeste pode ajudar nos meses críticos, mas o afrouxamento da margem de segurança para transmitir a energia para o centro-sul eleva a probabilidade de cortes inesperados:

— Aí há um risco de apagão de curta duração. Em 2021 o risco é de cortes de curtíssima duração.

Gustavo Carvalho, gerente de Preços e Estudos de Mercado da consultoria Thymus, concorda que a estratégia do governo aumenta as chances de blecaute para “cobrir demanda pontual de demanda”. Segundo ele, apesar de o país ter uma grande capacidade de geração energia, o desafio atual está na disponibilidade:

— Se houver uma alta forte na demanda, as hidrelétricas são as que respondem mais rápido, o que não ocorre com as outras fontes, renováveis e térmicas. A situação é crítica. Estamos operando no limite e adotando medidas conjunturais que são fundamentais nesse momento, pois, caso contrário, estaríamos em um racionamento iminente.

Carvalho observa que o nível médio dos reservatórios está atualmente em cerca de 35%, bem abaixo da média de 80% dos últimos anos nesta época do ano. A previsão é que, em dezembro, o nível chegue a 16%, numa situação mais grave que de 2001.

Para economizar, ligue o aparelho apenas quando for dormir e desligue logo ao acordar. Uma opção é usar a função sleep, disponível em alguns modelos. Outro cuidado é manter o ar-condicionado em temperatura adequada. Especialistas recomendam 23ºC. Não é preciso colocar temperatura muito baixa, para não gastar muita energia. Foto: Pixabay
Para economizar, ligue o aparelho apenas quando for dormir e desligue logo ao acordar. Uma opção é usar a função sleep, disponível em alguns modelos. Outro cuidado é manter o ar-condicionado em temperatura adequada. Especialistas recomendam 23ºC. Não é preciso colocar temperatura muito baixa, para não gastar muita energia. Foto: Pixabay
Em uma família com quatro pessoas, o uso do chuveiro elétrico corresponde a cerca de 25% da conta de luz. Para economizar, evite banhos muito longos e dê preferência a usar o chuveiro no modo verão, que economiza até 30% de energia Foto: Pixabay
Em uma família com quatro pessoas, o uso do chuveiro elétrico corresponde a cerca de 25% da conta de luz. Para economizar, evite banhos muito longos e dê preferência a usar o chuveiro no modo verão, que economiza até 30% de energia Foto: Pixabay
Quando a porta fica muito tempo aberta, o motor funcionará mais, gastando mais energia. É importante também manter a borracha de vedação da porta da geladeira em bom estado. Ao viajar, uma opção é esvaziar a geladeira e desligá-la da tomada. Foto: Pixabay
Quando a porta fica muito tempo aberta, o motor funcionará mais, gastando mais energia. É importante também manter a borracha de vedação da porta da geladeira em bom estado. Ao viajar, uma opção é esvaziar a geladeira e desligá-la da tomada. Foto: Pixabay
A substituição de lâmpadas incandescentes pelas de LED pode gerar uma redução de 75% a 85% no consumo de energia. Além disso, essas lâmpadas duram mais. Em relação às lâmpadas fluorescentes, a economia é de cerca de 40% Foto: Pixabay
A substituição de lâmpadas incandescentes pelas de LED pode gerar uma redução de 75% a 85% no consumo de energia. Além disso, essas lâmpadas duram mais. Em relação às lâmpadas fluorescentes, a economia é de cerca de 40% Foto: Pixabay
Dê preferência a lavar uma grande quantidade de roupas, para economizar água e energia. Evite colocar muito sabão, para não ter de enxaguar duas vezes. Na hora de passar, a melhor opção é juntar roupas e passar uma grande quantidade de uma vez. Desligue o ferro quando for interromper o serviço. Use a temperatura indicada para cada tipo de tecido e comece pelas roupas mais leves. Foto: Pixabay
Dê preferência a lavar uma grande quantidade de roupas, para economizar água e energia. Evite colocar muito sabão, para não ter de enxaguar duas vezes. Na hora de passar, a melhor opção é juntar roupas e passar uma grande quantidade de uma vez. Desligue o ferro quando for interromper o serviço. Use a temperatura indicada para cada tipo de tecido e comece pelas roupas mais leves. Foto: Pixabay
O uso do ventilador de teto durante 8 horas por dia gera um gasto de apenas R$ 18 por mês. Mesmo assim, é importante evitar deixar o aparelho ligado quando não houver ninguém no cômodo. Na hora de comprar, lembre-se que quanto maior o diâmetro das hélices, maior o consumo de energia. Foto: Pixabay
O uso do ventilador de teto durante 8 horas por dia gera um gasto de apenas R$ 18 por mês. Mesmo assim, é importante evitar deixar o aparelho ligado quando não houver ninguém no cômodo. Na hora de comprar, lembre-se que quanto maior o diâmetro das hélices, maior o consumo de energia. Foto: Pixabay
No caso dos eletrônicos, a recomendação é desligar o televisor e os videogames quando ninguém tiver usando. Retirar os aparelhos da tomada também ajuda a poupar energia. Foto: Arquivo
No caso dos eletrônicos, a recomendação é desligar o televisor e os videogames quando ninguém tiver usando. Retirar os aparelhos da tomada também ajuda a poupar energia. Foto: Arquivo

— Vamos depender do volume de chuvas no período úmido (verão) para saber se vamos ter racionamento ou não. Temos ainda o fenômeno La Niña, que pode atrasar o início do período de chuvas — afirmou o especialista, lembrando que a recuperação da economia, previsão de crescimento acima dos 5% este ano, tende a aumentar ainda mais o consumo de energia e ampliar o desafio do governo.

Guedes: Nuvem no horizonte

Na quarta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, citou a crise hídrica como uma “nuvem no horizonte”, mas voltou a minimizar o impacto sobre a atividade econômica:

— Estou muito confiante que nós vamos atravessar. Se, no ano passado, que era o caos, nós nos organizamos e atravessamos, porque vamos ter medo agora? Quer dizer, qual é o problema agora? Que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos? Ou o problema é que está tendo uma exacerbação porque anteciparam as eleições? Tudo bem, vamos tapar os ouvidos e vamos atravessar.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afastou mais uma vez a “hipótese de racionamento”. O presidente do Conselho de Administração da BRF, Pedro Parente, que coordenou a gestão da crise que levou a um racionamento em 2001 como ministro de Fernando Henrique Cardoso, avaliou, em um evento, que provavelmente será necessária a redução do consumo de energia no país.

A usina está localizada no rio Jinsha, na seção superior do rio Yangtzé, e atravessa as províncias de Yunnan e Sichuan, no sudoeste da China Foto: STRINGER / REUTERS
A usina está localizada no rio Jinsha, na seção superior do rio Yangtzé, e atravessa as províncias de Yunnan e Sichuan, no sudoeste da China Foto: STRINGER / REUTERS
A estação hidrelétrica de Baihetan tem289 metros (de altura. É a maior desde Três Gargantas Foto: - / AFP
A estação hidrelétrica de Baihetan tem289 metros (de altura. É a maior desde Três Gargantas Foto: – / AFP
Estima-se que todas as unidades estejam operacionais em julho de 2022 e gerem mais de 62,4 bilhões de quilowatts-hora (kWh) de eletricidade por ano, em média Foto: STR / AFP
Estima-se que todas as unidades estejam operacionais em julho de 2022 e gerem mais de 62,4 bilhões de quilowatts-hora (kWh) de eletricidade por ano, em média Foto: STR / AFP
Quando estiver em plena operação, o projeto Baihetan deverá economizar aproximadamente 19,68 milhões de toneladas de carvão padrão e reduzirá as emissões anuais de dióxido de carbono em 51,6 milhões de toneladas, de acordo com a China Three Gorges Corporation (CTGC), que construiu a usina Foto: STR / AFP
Quando estiver em plena operação, o projeto Baihetan deverá economizar aproximadamente 19,68 milhões de toneladas de carvão padrão e reduzirá as emissões anuais de dióxido de carbono em 51,6 milhões de toneladas, de acordo com a China Three Gorges Corporation (CTGC), que construiu a usina Foto: STR / AFP
Com capacidade instalada total de 16 milhões de quilowatts, a usina está equipada com 16 unidades geradoras hidrelétricas, cada uma com capacidade de 1 milhão de quilowatts, a maior de unidade única do mundo Foto: - / AFP
Com capacidade instalada total de 16 milhões de quilowatts, a usina está equipada com 16 unidades geradoras hidrelétricas, cada uma com capacidade de 1 milhão de quilowatts, a maior de unidade única do mundo Foto: – / AFP

Ao falar de sua experiência, defendeu como fundamentais foco, planejamento e transparência do governo sobre a evolução dos cenários.

— Tem que deixar clara a situação. É fundamental a comunicação e a transparência. As autoridades e os políticos não podem achar que sua audiência não é inteligente — afirmou o executivo no Expert XP. — Dependíamos da natureza e isso é aleatório. Tudo pode acontecer.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.