BUSCAR
BUSCAR
Mudança

Lula demite Jean Paul Prates do comando da Petrobras e deve nomear Magda Chambriard

Gestão de Prates foi marcada por atritos com Alexandre Silveira
Redação
15/05/2024 | 07:24

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) demitiu nesta terça-feira 14 o ex-senador potiguar Jean Paul Prates do comando da Petrobras. Para o lugar de Jean, Lula deve indicar Magda Chambriard, ex-diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) durante o governo de Dilma Rousseff.

O presidente deve justificar a demissão de Prates pela “demora de entrega de promessas”. A demissão foi anunciada nesta terça numa reunião no Palácio do Planalto em que estavam, além de Prates, os ministros de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e da Casa Civil, Rui Costa. Segundo apurou a reportagem, a indicação de Chambriard é de Rui Costa.

Lula diz que Prates tem "mente fértil". Foto: Ricardo Stuckert
Lula e Jean Paul. Foto: Ricardo Stuckert

A demissão de Prates acontece um dia após a divulgação do balanço da companhia. A estatal fechou o primeiro trimestre de 2024 com lucro líquido de R$ 23,7 bilhões, 37,9% a menos do que há um ano, e 23,7% inferior ao registrado no trimestre imediatamente anterior.

Mas a causa da troca, apurou a imprensa nacional, se deve à cobrança por maior velocidade na execução dos projetos anunciados pela empresa, principalmente em relação à encomenda de navios aos estaleiros brasileiros.

A Petrobras informou na noite desta terça, em comunicado, que recebeu a solicitação de Prates para que o conselho de administração avalie o encerramento antecipado de seu mandato “de forma negociada”.

Segundo a companhia, Prates disse ainda, caso o colegiado aprove o fim de seu ciclo à frente da estatal, que apresentará renúncia ao cargo de membro do conselho.

Prates enviou uma mensagem interna para funcionários da Petrobras comunicando a saída.

“Minha missão foi precocemente abreviada na presença regozijada de Alexandre Silveira e Rui Costa. Não creio que haja chance de reconsideração. Vão anunciar daqui a pouco”, declarou Prates.

Gestão marcada por atritos

A gestão de Prates à frente da Petrobras foi marcada por atritos com Silveira. Os dois trocaram farpas públicas por diversas vezes em relação aos rumos da empresa — que, formalmente, é subordinada ao Ministério de Minas e Energia.

Antes da posse de Lula, Prates, ex-senador pelo PT do Rio Grande do Norte, chegou a ser especulado para assumir o ministério. Mas preferiu ficar com a presidência da estatal — a empresa mais poderosa nas mãos do governo. Na configuração final, o ministério acabou nas mãos de Silveira, senador pelo PSD mineiro, mesmo partido do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Desde o início do governo, houve embates entre os dois pelos espaços de poder na companhia. Na divisão acertada no governo, Silveira ficou mais responsável pelos nomes do conselho de administração, e Prates, com a direção executiva, que toca o dia a dia da companhia.

No início de março deste ano, a crise se agravou com a decisão da Petrobras de reter dividendos extraordinários, o que levou a companhia a perder R$ 56 bilhões de valor de mercado em um único dia.

Também houve desavenças em relação à política da empresa para o gás natural, por exemplo, virou bate-boca nas páginas dos jornais no ano passado. Silveira fez reiteradas críticas à política de reinjeção de gás em reservatórios de petróleo com o intuito de aumentar sua pressão interna e facilitar a produção de óleo. Em 16 de junho do ano passado, Silveira disse que Prates estava sendo “no mínimo negligente” com relação ao gás.

Em novembro do ano passado, Silveira cobrou Prates, em uma entrevista à GloboNews, por uma redução mais expressiva no preço dos combustíveis por conta da queda no preço internacional do petróleo. “Eu já esperava uma manifestação para que a Petrobras tivesse apresentado uma redução mais significativa dos preços. Hoje, no óleo diesel, vejo uma possibilidade real de redução entre 32 a 42 centavos e, na gasolina, entre 10 e 12 centavos”, afirmou Silveira.

Prates voltou a rebater: “Jamais o presidente Lula me pediu para baixar ou aumentar o preço de combustíveis. Volta e meia ele (Lula) me liga para saber como está o mercado de petróleo, mas pedir para baixar preço, nunca”, disse, ao ser questionado a respeito das declarações de Silveira.

“Cabo e soldado estão presos”, diz Moraes, ironizando Eduardo Bolsonaro
Declarações fazem referência a frase dita pelo filho de Bolsonaro em 2018 para apontar fragilidade no funcionamento da Suprema Corte
22/05/2024 às 19:26
Justiça da Bahia marca audiência de julgamento de Wendel Lagartixa
Evento está agendado para julho, em Vitória da Conquista, na Bahia
22/05/2024 às 15:31
Leilão do Terminal Pesqueiro acontece em junho, afirma Fátima Bezerra
Terminal atenderá tanto à pesca oceânica de maior porte, quanto aos pescadores da comunidade
22/05/2024 às 14:50
Senado aprova PL de Styvenson Valentim que prevê castração química para presos por crimes sexuais
Projeto segue diretamente para análise na Câmara dos Deputados
22/05/2024 às 13:31
TSE rejeita cassação de Moro por unanimidade
PL e PT acionaram a Justiça alegando abuso de poder econômico
22/05/2024 às 08:07
Taveira demite indicados de Kátia e Carol Pires na Prefeitura de Parnamirim
Exoneração em massa ocorre no momento em que Kátia mantém sua pré-candidatura a prefeita, apesar de Taveira apoiar Salatiel de Souza
22/05/2024 às 08:00
Gonçalves bate o pé e não apoia Paulinho: “Defendo candidatura própria do PL”
Deputado federal do PL afirma que é contra o partido apoiar Paulinho, a quem vê como “deputado do centrão”
22/05/2024 às 07:32
Cassado, Dallagnol diz que “corruptos não têm mais medo” de punição
Ex-procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol disse em comissão na Câmara que “corruptos não têm mais medo de serem punidos no Brasil”
21/05/2024 às 21:50
STF anula decisões da Lava Jato contra Marcelo Odebrecht
Medida não comporta o acordo de delação firmado pelo empresário durante a operação
21/05/2024 às 20:36
Zambelli e hacker viram réus no STF por invasão ao site do CNJ
Decisão da Primeira Turma foi unânime
21/05/2024 às 16:36
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.