BUSCAR
BUSCAR
Abertura
Leilão do 5G é aberto em cerimônia com discursos de Bolsonaro e Fábio Faria
Agora, propostas serão analisadas e definição dos vencedores pode sair apenas amanhã
Redação
04/11/2021 | 13:36

O leilão do 5G foi aberto na manhã desta quinta-feira (4), em cerimônia que contou com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do ministro das Comunicações, Fábio Faria. O certame irá vender as faixas de frequência da quinta geração de telefonia móvel.

Mais uma etapa do processo de licitação será realizada para que a operação comercial da rede comece em julho de 2022. A definição de todos os vendedores, contudo, poderá ficar para sexta-feira (5).

A sessão aconteceu na sede da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em Brasília, onde discursaram Bolsonaro, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais.

A cerimônia foi encerrada por volta das 11h, quando Bolsonaro e Faria bateram o martelo que dá início ao leilão. Agora, os membros da Comissão Especial de Licitação (CEL) da Anatel vão abrir os envelopes entregues, na semana passada, pelas 15 empresas interessadas.

A CEL não julgará apenas as propostas de preço, mas também se as empresas apresentam as condições mínimas para operar a rede. O leilão tem um valor de R$ 50 bilhões, que inclui outorgas e obrigações de investimentos das empresas vencedoras.

As empresas que participam do leilão devem cumprir uma série de investimentos obrigatórios. Entre os investimentos está a necessidade de conectar escolas públicas e levar o acesso à rede móvel para rodovias federais.

Por isso, a maior parte do recurso movimentado com o leilão será transformado em investimento e não em arrecadação para os cofres do governo federal. Como a sessão pode ser longa, há previsão no edital de que ela seja suspensa e retomada no dia seguinte ou em outra data a ser definida pela CEL.

*Com informações do IG.

Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.