BUSCAR
BUSCAR
Declaração
LeBron James fala de informações falsas, Trump e a participação do eleitorado negro
James, que acaba de conquistar com os Los Angeles Lakers seu quarto título de NBA, descreveu o ativismo fora das quadras como uma parte fundamental de seu legado
The New York Times
23/10/2020 | 12:55

O coletivo de atletas More Than a Vote (Mais do que um Voto), liderado pelo astro do basquete LeBron James, deve anunciar na próxima quarta feira sua última campanha política antes das eleições americanas, uma operação de resposta rápida e publicidade voltada ao combate à desinformação entre eleitores negros.

A iniciativa, nascida da colaboração com o grupo político Win Black, tem celebridades entre seus parceiros e tenta educar os jovens eleitores negros no sentido de aprenderem a identificar afirmações falsas divulgadas nas redes sociais. O objetivo é oferecer uma orientação que resulte em um plano de voto — seja à distância ou pessoalmente.

Chamada de “Under Review” (Em análise), a iniciativa será promovida no Snapchat até o dia da eleição, e vai incluir vídeos de celebridades e ativistas como Desus and Mero, Jemele Hill e os atletas envolvidos no More Than a Vote. Ela chega na esteira do investimento do grupo no recrutamento de mais de 40 mil funcionários de campanha, ajudando ex-presidiários a recuperarem seu direito ao voto e ajudando a promover a ideia de transformar as arenas da NBA em zonas eleitorais.

Em pronunciamento, os cofundadores do Win Black disseram que os vídeos lidariam com as informações políticas falsas que têm como objetivo limitar o comparecimento do eleitorado negro às urnas, um problema que agências federais identificaram na eleição presidencial de 2016. “A desinformação prejudicial é usada como arma para bloquear as escolhas e os votos dos americanos negros, mas temos o poder de impedir isso”, disseram os cofundadores Andre Banks e Ashley Bryant. “Por meio dessa parceria, a Under Review vai inundar as comunidades com os fatos de que necessitamos para reagir aos ataques direcionados contra nós por participantes maliciosos, sejam eles estrangeiros ou domésticos.”

Em conversa pelo telefone com o The New York Times, James falou da importância do voto e de como ele vê a evolução do papel que desempenha como atleta e ativista social. James, que acaba de conquistar com os Los Angeles Lakers seu quarto título de NBA, descreveu o ativismo fora das quadras como uma parte fundamental de seu legado.

Eis alguns trechos dessa conversa:

A mais recente campanha do More Than a Vote é voltada ao combate à desinformação direcionada contra o eleitorado negro. De onde vem o desejo de se envolver com essa causa?

É simples. Acreditamos que os negros, nossa comunidade, fomos afastados do nosso dever cívico. Faz muitos anos que somos bombardeados com desinformação. E eu me encontro em posição de educar os outros e, por meio do More Than a Vote, mostrar a importância desse movimento e a importância do nosso dever cívico. Não apenas para garantir os próprios direitos, mas para reforçar suas próprias comunidades. É algo que defendemos apaixonadamente, algo muito importante para mim. Fico feliz e honrado em ter atletas e influenciadores e tantas pessoas interessadas em se envolver com o movimento.

Cada um dos temas abordados pelo More Than a Vote foi voltado para as comunidades negras. Por que esse prisma racial é importante para o seu envolvimento político?

É algo que diz respeito a quem eu sou. Venho da comunidade negra, entendo aquilo pelo que os negros passam diariamente. Entendo que, historicamente, recebemos pouca informação, e entendo a importância do nosso voto. Ouço o que diz a molecada da minha cidade natal, Akron, em Ohio. Ouço o que diz a molecada da minha escola, I Promise School. E um dos assuntos que sempre comentamos é o fato de recebermos pouca informação, de acharmos que não somos reconhecidos, e sentirmos que nosso voto não conta. Então, tento me envolver com a molecada mais nova, do terceiro, quarto e quinto ano, mas também com aqueles que já têm a oportunidade de votar: o pessoal de 18 anos, 22 anos, 25 anos, 40 anos. Afinal, vejo que muitos de nós pensam que nosso voto não conta: foi isso que lhes disseram e foi assim que foram ensinados, e é assim que sempre se sentiram. É como se não fossem considerados capazes. Mas quero dar a eles a informação correta: quero que saibam o quanto podem ser importantes.

No dia da eleição, o que é mais importante? Aumentar a participação do eleitorado negro? Ou tirar da presidência Donald Trump, que já trocou farpas com você?

Para mim, o sucesso está em ver nossas comunidades participando da votação. Há muitas estatísticas disponíveis, e sempre observamos um padrão. Quem deixou de votar? Quais municípios deixaram de votar? Quais comunidades deixaram de votar? Muitas vezes, isso tem a ver com os negros. Espero que possamos educá-los a respeito da importância da sua participação e desse momento. Não troco farpas com ninguém, muito menos aquele sujeito. O que queremos é algo melhor; queremos mudanças na nossa comunidade. Sempre dizemos que queremos mudanças, e agora temos a oportunidade de fazer isso.

O ativismo fora das quadras não é algo que fazia parte da sua vida no início da carreira. Como o jogador de basquete LeBron James fez a transição para o papel de líder social?

Todos nós temos momentos em nossas vidas nos quais sabemos quem somos e o que queremos. É uma questão de crescimento. Cresci ao longo da carreira. Houve um amadurecimento desde a época em que eu tinha 18 anos, estreando na liga em 2003, até hoje, com 35 anos, marido e pai de três filhos. Cresci e me tornei quem sou, e aprendi o que defendo. E não estou falando só de mim, mas do meu povo. É por isso que estou liderando a mudança. /

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.