BUSCAR
BUSCAR
Fugitivo
Lázaro contatou mãe uma única vez após chacina;’Para mim a vida acabou’, diz ela
Eva Maria diz que ainda tem esperança de que o filho se entregue e se coloca a disposição para ajudar nas negociações
IG
24/06/2021 | 20:58

Eva Maria, mãe de Lázaro Barbosa de Sousa, ainda tem esperança que o filho se entregue. Conhecido como serial killer do DF e foragido há mais de duas semanas , ele é suspeito de assassinar quatro pessoas da mesma família em Ceilândia, no Distrito Federal.

A mãe, de 51 anos, diz não ter condições de contratar um advogado para Lázaro. Ela e os parentes dizem que gostariam de auxiliar em possíveis negociações entre ele e a polícia . Até o momento, as autoridades não destacaram qualquer conhecido do acusado para atuar nessa tarefa.

Mesmo sem condições, Eva diz que conta com a ajuda de um profissional de Brasília, que se dispôs a colaborar com a negociação. Novamente, pediu que o filho se renda. Para ela, sua prisão seria a melhor solução. Desde os assassinatos em Ceilândia, Eva e o marido se mudaram para o interior da Bahia por conta de perseguições.

“Está muito difícil. Não tenho cabeça para nada. Não consigo viver mais. Para mim, a vida acabou”, desabafou.

Ela conversou com o filho apenas uma vez após o ocorrido. “Ele entrou em contato uma vez, por telefone. Eu estava muito nervosa e perguntei para ele: ‘Cadê a mulher [Cleonice, que estava desaparecida, à época]?’. Ele disse ‘Não sei. Não está comigo’. Depois, não falou mais nada e desligou, quando falei para ele que meu telefone estava rastreado”, contou.

A ligação feita à mãe pelo fugitivo ocorreu de um número desconhecido, segundo ela. Mesmo assim, ela tentou retornar as ligações, mas o filho não a atendeu mais.

Esse foi o último contato entre Lázaro e os familiares desde o início das buscas, em 9 de junho. A mãe conta que, por conta da perseguição de pessoas querendo fazer justiça com as próprias mãos, a família tem trocado de telefone e endereço com frequência.

Eva Maria morava com o marido, com quem é casada há 13 anos, em Águas Lindas (GO) e trabalhavam como caseiros em uma chácara. Atualmente eles sobrevivem à base de doações. Muitos conhecidos se afastaram depois que descobriram a ligação familiar entre Eva e o foragido.

“Estamos em um lugar onde não há emprego. Mas, por medo, não estou procurando agora. Recebemos ajuda de algumas pessoas, só que é difícil, porque, aqui (onde a família está), todo mundo é muito pobre”, contou.

-Com informações do UOL

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.