BUSCAR
BUSCAR
Justiça eleitoral
Justiça Eleitoral manda Record tirar campanha do ar, por beneficiar Crivella
Número de WhatsApp faz referência subliminar ao candidato, diz juíza
Poder 360
09/10/2020 | 05:29

A Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro determinou que a Rede Record retire do ar uma campanha em que pede aos espectadores dos telejornais da empresa para enviarem sugestões de reportagens por mensagens de WhatsApp. A decisão é do dia 5 de outubro e ainda cabe recurso.

A juíza Luciana Mocco Moreira Lima entendeu que o número de telefone usado foi escolhido propositalmente, para fazer propaganda subliminar a favor de Marcelo Crivella (Republicanos), prefeito da capital fluminense e candidato à reeleição. Ele é sobrinho de Edir Macedo, dono da Rede Record e líder da Igreja Universal do Reino de Deus.

A magistrada determinou que as chamadas sejam suspensas imediatamente, sob pena de a empresa e os funcionários incorrerem em crime de desobediência.

O caso foi levado à Justiça pelo Ministério Público. Segundo a juíza, os apresentadores dos telejornais passaram a fazer chamadas dentro dos programas, para que as mensagens fossem enviadas para o telefone (21) 96500-1010.

“Acrescenta a narrativa exordial, que é nítido que o apresentador faz o número 10 ( dez ) com as mão, com o intuito de propaganda subliminar a trazer benefícios ao candidato em questão, mencionando, ainda, que a repetição reiterada do número 10, o que também remete o cidadão ao número utilizado por Marcelo Crivella na Campanha Eleitoral da Eleição de 2020”, escreveu a juíza, citando o pedido dos procuradores eleitorais.

No pedido à Justiça, o Ministério Público alegou que a Record trocou o número usado para receber sugestões do público, no dia 23 de setembro, pouco antes do início da campanha eleitoral. Para juíza, a emissora infringiu diretamente o artigo 45 da Lei Eleitoral, que proíbe emissoras de rádio e e televisão de exibirem qualquer tipo de apoio a candidatos, durante o período eleitoral.

“Por fim, não há qualquer amparo legal eventual alegação de que seria uma mera matéria jornalística ou uma mera coincidência, inclusive a mudança do número de contato da emissora, alterado após o registro da candidatura do atual Prefeito, passando a ter o final 10 10”, afirmou a juíza.

Ela também entendeu que a atitude dos apresentadores poderia alterar o equilíbrio eleitoral. “A conduta dos apresentadores e da emissora caracterizavam propaganda subliminar com potencialidade de influir na disputa eleitoral em razão da repetição maciça, devendo reprime- se o uso indevido dos meios de comunicação social”, pontuou.

A reportagem não encontrou ninguém da Rede Record, nem da campanha de Marcelo Crivella, para comentarem a decisão judicial.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.