BUSCAR
BUSCAR
Crime
Juíza é morta a facadas pelo ex-marido na frente das filhas no RJ
Caso ocorreu nesta quinta-feira 24, na véspera de Natal, na Rua Rachel de Queiroz, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio
UOL
25/12/2020 | 17:34

A juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, 45, foi morta a facadas pelo ex-marido, Paulo Arronenzi, de 52 anos. O caso ocorreu na quinta-feira 24, na véspera de Natal, na Rua Rachel de Queiroz, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, por volta de 18 horas. As três filhas pequenas do casal presenciaram o crime.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, é possível escutar os gritos das crianças. Elas pedem para que o pai pare de esfaquear a mãe. Paulo José foi preso em flagrante pela GM (Guarda Municipal).

“Os agentes [da GM] estavam na base do 2º subgrupamento, que fica ao lado do Bosque da Barra, quando cidadãos que presenciaram as agressões acionaram os guardas para ajudar a vítima”.

No local, Viviane foi encontrada caída e dasacordada. O Corpo de Bombeiros foi acionado e constatou que a juíza morreu no local. Testemunhas apontaram o autor do crime que recebeu voz de prisão. Segundo a GM, ele não apresentou resistência.

O ex-marido da vítima foi levado para a Delegacia de Homicídios da capital, que também fica na Barra da Tijuca. Posteriormente, ele foi encaminhado para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, onde foi atendido para tratar um corte na mão. Ele teve alta e foi encaminhado novamente para a delegacia.

Segundo a Polícia Civil, em setembro, Viviane já havia feito um registro de lesão corporal e ameaça contra o ex-marido. Ela chegou a circular com escolta, mas pediu para que a proteção fosse retirada.

A escolta foi utilizada pela juíza somente nos meses de outubro e novembro. Depois, Viviane alegou que não era mais necessária a proteção. Dois policiais do TJ-RJ que integraram a equipe de escolta estiveram na manhã de hoje no IML para auxiliar na remoção do corpo pela família. Eles disseram que Viviane levava as crianças para a casa do pai quando foi morta na noite de ontem.

Viviane foi casada com Paulo por dez anos.

Em nota, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) “lamentou profundamente a morte da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, vítima de feminicídio na Barra da Tijuca nesta quinta-feira (24/12)”. Uma equipe do TJ-RJ está no IML (Instituto Médico Legal) nesta manhã para auxiliar parentes na liberação do corpo da juíza. A família não quis comentar o caso.

Como denunciar

O Brasil é o 5º país onde mulheres mais são vítimas de feminicídio.

Já sofreu uma agressão e quer denunciar? Registre um Boletim de Ocorrência por violência doméstica em qualquer delegacia. Se puder, procure uma delegacia da mulher, especializada neste tipo de caso.

Conhece uma mulher em situação de perigo? Ligue para 180. O canal do governo federal funciona 24 horas, incluindo sábados, domingos e feriados. A ligação é anônima e a central dá orientações jurídicas, psicológicas e encaminha o pedido de investigação a órgãos de defesa à mulher, como o Ministério Público.

Em casos de emergência, é possível telefonar para 190 e acionar a polícia.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.