BUSCAR
BUSCAR
Indústria

Indústria potiguar registra crescimento de 71,5% no primeiro bimestre de 2024

Dados do IBGE, tratados pelo Etene do Banco do Nordeste, atribuem desempenho à retomada da exploração de poços maduros e o beneficiamento do petróleo por empresas privadas
Redação
03/05/2024 | 15:54

No 1º bimestre de 2024, a indústria nacional registrou crescimento nos 18 estados pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no comparativo com o mesmo período do ano passado. O destaque ficou com o Rio Grande do Norte, que obteve o melhor desempenho nacional com o crescimento de 71,5%. O verdadeiro boom da indústria potiguar foi puxado, preponderantemente, pelo setor de petróleo.

Com disponibilidade de informações para sete estados da área de atuação do Banco do Nordeste, os dados do IBGE foram compilados pelo Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene) e divulgados esta semana. Na sequência, aparecem Ceará (8,8%), Bahia (7,1%), Espírito Santo (6,2%), Minas Gerais (5,8%), Pernambuco (3,2%) e Maranhão (1,7%).

indústrias foto reprodução
- Foto: Reprodução

A média de crescimento da indústria nacional ficou em 4,3% no bimestre, uma boa notícia para o setor que, ao longo dos anos, vem perdendo a participação na formação do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

No caso específico do Rio Grande do Norte, o crescimento industrial tem influência direta do comportamento positivo do setor de derivados do petróleo e biocombustíveis (óleo diesel e gasolina automotiva), que cresceu impressionantes 173,3% em relação a 2023.

Isso se deve à retomada da exploração, por empresas privadas, de campos de petróleo maduros em território potiguar, além de infraestrutura de processamento, refinaria, terminal aquaviário, logística e armazenamento, entre outros.

A reativação da atividade petrolífera, em análise recente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN), repercutiu positivamente na cadeia de fornecedores do setor, onde boa parte das empresas tem relações com o Banco do Nordeste.

“Nós financiamos diversas empresas contratadas pelas petrolíferas. Estamos de olho no desenvolvimento do setor e da indústria como um todo. Contratamos R$ 152,8 milhões em 2023 e contamos superar o valor este ano, por entendermos que o bom desempenho industrial do RN é primordial para o desenvolvimento local e regional”, acrescenta o superintendente do BNB no estado, Jeová Lins de Sá.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Contas públicas têm superávit de R$ 6,7 bilhões em abril
Dívida bruta está em 76% do PIB
29/05/2024 às 11:18
Taxa de desemprego fica em 7,5%, a menor para o trimestre desde 2014
Contingente com carteira assinada é o maior já registrado
29/05/2024 às 10:37
Taxa das blusinhas: governo e Congresso fecham acordo para alíquota de 20%
Lira e Lula conversaram nesta terça-feira sobre o assunto em busca de um acordo que chegasse um caminho do meio
28/05/2024 às 21:49
Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio acumulado em R$ 75 milhões
As apostas podem ser feitas até as 19h, horário de Brasília
28/05/2024 às 09:38
Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 8
Com adicionais, valor médio do benefício está em R$ 682,32
28/05/2024 às 09:32
SEBRAE RN promove sustentabilidade de olho na economia e no meio ambiente
Dentro desse contexto, o Polo de Energias Renováveis atua para incentivar energias limpas nas micro e pequenas empresas, oferecendo suporte completo, conexões estratégicas e um ambiente de negócios voltado à inovação com um forte apelo ambiental
28/05/2024 às 08:51
Mercado eleva previsão da inflação de 3,8% para 3,86% em 2024
Projeção de expansão da economia está 2,05% este ano.
27/05/2024 às 11:46
Governo aceita discutir “taxa da blusinha” em projeto separado
Proposta de taxação de compras até US$ 50 será debatida em projeto de lei separado
27/05/2024 às 10:57
Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 7
Com adicionais, valor médio do benefício está em R$ 682,32
27/05/2024 às 08:17
Banco Mundial lança ferramenta para estimar alíquotas do “Imposto do Pecado”
Nova ferramenta, SimVat, projeta alíquotas para produtos prejudiciais à saúde e ao meio ambiente, enquanto debate sobre cesta básica continua no Congresso
26/05/2024 às 12:04
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.