BUSCAR
BUSCAR
Imunização
Indonésia libera importação de vacinas por empresas para acelerar campanha
País pretende vacinar 181,5 milhões de seus 270 milhões de habitantes até o final de 2021
Poder360
04/03/2021 | 08:08

A Indonésia aprovou nesta quarta-feira (3) um novo esquema de vacinação que permitirá que empresas privadas paguem para imunizar, por conta própria, seus funcionários contra a covid-19. O objetivo é evitar a longa espera pela vacinação pública.

O país pretende vacinar 181,5 milhões de seus 270 milhões de habitantes até o final de 2021. Mas desde que a campanha começou, em 13 de janeiro, apenas 1 milhão de pessoas receberam as duas doses da vacina, de acordo com o Our World in Data, que monitora a vacinação no mundo. Cerca de 2,7 milhões receberam apenas uma dose.

De acordo com a porta-voz do Ministério da Saúde, Dra Nadia Wikeko, 7.000 pessoas já se inscreveram no novo programa.

“A razão pela qual estamos fazendo isso é para acelerar a imunidade do rebanho na Indonésia…(O programa) não deixará as pessoas pobres para trás porque as vacinas do setor privado serão originadas de ‘Gotong Royong “ (Cooperação Mútua, o novo banco de vacinas), afirmou Wikeko à Al Jazeera.

O Gotong Royong será administrado pela Bio Farma, a única fabricante de vacinas da Indonésia.

“O custo dessas vacinas será desembolsado por empresas privadas que farão pedidos. É uma parte adicional da solução”, ressaltou Wikeko.

Bambang Heriyanto, porta-voz da Bio Farma, disse que não ficou claro quando as vacinas seriam importadas para a Indonésia, mas as conversas continuavam com a Moderna e a Sinopharm.

Ahmad Utomo, consultor biológico molecular em Jacarta especializado no diagnóstico de infecções pulmonares, disse que as empresas não devem imunizar seus funcionários, mas doar vacinas aos grupos de risco.

“Se o setor privado quiser ajudar, eles devem importar vacinas e dá-las aos profissionais de saúde e idosos que estão claramente mais em risco do que qualquer outro. Ou eles poderiam dá-los aos pais de seus funcionários porque a maioria dos jovens trabalhadores na Indonésia vivem com seus pais e têm uma taxa de mortalidade COVID-19 muito menor. Mas esta é uma decisão política, não científica”, afirmou.

Dicky Budiman, epidemiologista que ajudou a formular a resposta estratégica da Indonésia às pandemias por 20 anos, diz que há altos riscos de envolver o setor privado em grandes planos de vacinação.

“Uma vacina é um bem público. Não deve ter nenhum valor econômico porque as leis da economia – oferta e demanda – prevalecerão. Sabemos que há uma enorme demanda pela vacina e que introduzirá a possibilidade de vacinas falsificadas e distribuições não qualificadas de vacinas”, disse.

A Indonésia enfrentou o pior surto de coronavírus no Sudeste Asiático. O país registrou 1,35 milhão de contágios e quase 36 mil mortes desde março.

O governo tem evitado bloqueios rigorosos para conter a propagação da doença, temendo o efeito sobre os pobres do país e está apostando em vacinas para acabar com a crise.

A primeira fase de liberação da vacina para 1,3 milhão de assistências médicas está completa. A segunda fase, destinada a 38,5 milhões de cidadãos, incluindo quase 17 milhões de pessoas no setor público e quase 22 milhões de idosos, foi adiada por causa do déficit de estoques.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.