BUSCAR
BUSCAR
Saúde
Hospitais testam droga para crise inflamatória da Covid-19
Medicamento para artrite reumatoide será utilizado para combater a chamada "tempestade de citocinas", reação do sistema imunológico que pode afetar o funcionamento de órgãos vitais
Redação
20/12/2020 | 08:57

Grave complicação que pode ocorrer em pacientes com a covid-19, a tempestade de citocinas, reação exacerbada do sistema imunológico que pode afetar o funcionamento de órgãos vitais, é um dos eventos que agravam o estado do paciente, podendo até levá-lo à morte. Para tentar evitar esse quadro de tempestade inflamatória, pesquisadores do Hospital Albert Einstein estão testando em pacientes com casos leves a moderados um medicamento para artrite reumatoide que tem a capacidade de modular o sistema imunológico.

“É um imunomodulador para evitar a tempestade de citocinas. Ele inibe uma das vias mais importantes da imunomodulação que são conhecidas nas doenças, como a jak”, afirma Otávio Berwanger, diretor da Academic Research Organization (ARO) do Einstein. Eles vão estudar a evolução de 289 internados com sintomas como febre e pneumonia, mas que não necessitam de ventilação mecânica nem internação em UTI.

“Alguns pioram, passando a precisar de suporte intensivo e desenvolvem a tempestade de citocinas, resposta inflamatória intensa que começa a causar dano em muitos órgãos. Causa insuficiência respiratória, dano grave no pulmão, no coração, rins, falência múltipla dos órgãos. A gente quer pegar isso antes”, explica Berwanger.

O medicamento utilizado é o Tofacitinibe, vendido pelo nome comercial Xeljanz, da farmacêutica Pfizer. “Resolvemos usar alguma medicação mais sofisticada para modular o sistema imunológico e evitar a exacerbação. Essa droga teve muito sucesso em artrite reumatoide e colite ulcerativa. É via oral, pode ser controlada.”

Berwanger alerta que, mesmo que os resultados se comprovem, o medicamento não deve ser tomado em casa. “É para ambiente hospitalar, onde a pessoa pode ser monitorada. Não é indicada para covid-19 e, se aprovada, será necessária prescrição médica, porque ela tem contraindicações”, diz.

O estudo, que teve início em outubro, será controlado por placebo, está sendo feito em 24 centros em todo o País e com pacientes acima de 18 anos. “Se a gente conseguir êxito, vamos reduzir a mortalidade e a necessidade de suporte de oxigênio mais intenso.” Os resultados devem ser publicados até março.

O estudo Stop Covid é uma colaboração entre ARO Einstein e Pfizer, e inclui a participação da Coalizão Covid-19 Brasil, que, além do Einstein, reúne outros cinco hospitais – HCor, Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Oswaldo Cruz e BP, além do BCRI e da Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.