BUSCAR
BUSCAR
Internacional
Homem morre após ataque de tubarão em praia da Austrália
Este é o oitavo ataque fatal de tubarão no país, de acordo com a polícia
CNN Brasil
22/11/2020 | 15:42

Um homem morreu neste domingo (22) após ser atacado por um tubarão perto de Broome, na Austrália. Este é o oitavo ataque fatal de tubarão no país, de acordo com a polícia.

“Por volta das 8h45 (horário local), a polícia foi avisada de um ataque fatal de tubarão [na praia] Cable Beach”, disse a polícia da Austrália em um comunicado à CNN.

“O homem foi resgatado da água e tratado pela polícia local antes da chegada da ambulância. Tragicamente o homem, um residente local com cerca de 50 anos, morreu em conseqüência dos ferimentos.”

Cable Beach — localizada na costa noroeste da Austrália, perto do popular destino de férias de Broome — foi fechada para que oficiais de pesca do Departamento de Indústrias Primárias e Desenvolvimento Regional conduzam patrulhas.

As patrulhas vão parar durante a noite e recomeçar na manhã de segunda-feira, disse o Surf Life Saving Western Australia em uma atualização online no domingo à noite [horário local]. O público foi aconselhado a ter cuidado na área de Cable Beach e relatar à polícia se avistar tubarão.

Apenas seis semanas se passaram desde o último ataque fatal de tubarão na Austrália. Trata-se do maior número de mortes por tubarões no país desde 1934, quando sete pessoas morreram em decorrência dos ataques.

Os restos mortais da vítima do ataque de outubro não foram encontrados, embora sua prancha de surf tenha sido.

Os ataques deste ano ocorreram em vários estados, incluindo Queensland e New South Wales. Entre eles está um mergulhador que desapareceu em janeiro, após uma suspeita de grande ataque de tubarões brancos. Seu corpo também nunca foi encontrado.

Para colocar o número deste ano em perspectiva, não houve mortes por ataque de tubarão na Austrália em 2019.

O maior número anual registrado data de 1929, com nove mortes.

Há uma série de explicações possíveis para esse aumento em 2020 — vários especialistas apontaram que os números ano a ano sempre flutuam, e isso pode ser simplesmente azar. Mas há outro culpado possível: a crise climática.

À medida que os oceanos esquentam, ecossistemas inteiros são destruídos e forçados a se adaptar. Os peixes estão migrando para onde nunca foram antes. Os comportamentos das espécies estão mudando. E, conforme o mundo marinho se transforma, os tubarões seguem suas presas e se aproximam de praias populares entre os humanos.

Aquecimento global na terra e no oceano

A Austrália, além do mais, é um dos locais mais afetados pelo aquecimento global.

Em terra, a crise climática do país causou incêndios violentos em florestas e ondas de calor extremas e uma das piores secas já registradas.

Mas o calor também atingiu os oceanos com a acidificação e o aumento das temperaturas, o que pode causar estragos em ecossistemas inteiros. Em particular, a região sudeste da Austrália está na linha de frente da crise climática – as águas próximas à superfície estão aquecendo cerca de quatro vezes a média global.

A Grande Barreira de Corais, um ecossistema marinho vital ao longo da costa leste, experimentou um branqueamento tão difundido e repetido que mais da metade dos corais do recife estão mortos. Grandes extensões de florestas de mangue também morreram na última década.

“Esses dois ecossistemas sozinhos são responsáveis ??por uma enorme diversidade nos ecossistemas marinhos – então você está vendo enormes ecossistemas desaparecendo e/ ou se movendo”, disse Brown.

Isso tudo significa que os animais estão migrando mais para o sul do que o normal em busca de um ambiente adequado. Espécies como o peixe-rei de cauda amarela, que são normalmente vistos nas águas tropicais do norte, estão aparecendo em massa perto da ilha do estado da Tasmânia, no sul. O polvo comum de Sydney mudou do estado de Queensland, no nordeste, para a Tasmânia. Até o plâncton e as plantas, como as algas, estão se movendo para o sul.

Esses tipos de “vagantes marinhos tropicais” costumam viajar para cima e para baixo na costa, disse Brown, percorrendo a Corrente Australiana Oriental, que ficou famosa no filme “Procurando Nemo”. Mas, agora, a mudança climática significa que os invernos são quentes o suficiente para que esses peixes sobrevivam à temporada – então, algumas espécies estão optando por permanecer de forma definitiva nas águas do sul.

“Eu passo muito tempo em barcos ao largo da costa e este ano não me lembro de um ano em que tenha visto tantos agregados de peixes isca tão perto da costa”, disse Brown. Os pesquisadores ainda não têm certeza do que impulsiona o movimento de muitas dessas espécies – mas Brown acrescentou, “não há dúvida de que os tubarões estão apenas respondendo ao lugar onde estão as iscas”.

Tubarões seguem a temperatura da água

O oceano não é de forma alguma uma massa estagnada; as correntes crescentes significam que existem áreas de água quente e fria. A Corrente Australiana Oriental é um elemtno importante nesta dinâmica – ela também se tornou muito mais forte nas últimas décadas, o que significa que está bombeando mais água tropical quente pela costa.

Porém, como a corrente é mais intensa, ela também está empurrando a água fria rica em nutrientes para algumas costas orientais.

Essas temperaturas dinâmicas e inconstantes da água talvez também sejam o motivo pelo qual os tubarões estão começando a se mover para os espaços humanos. Algumas espécies, como o tubarão-touro, gostam de água quente – então, passam mais tempo nas águas quentes do sul, disse Robert Harcourt, pesquisador de ecologia de tubarões e diretor do grupo de pesquisa de predadores marinhos da Macquarie.

Enquanto isso, espécies como os tubarões-brancos que preferem temperaturas mais baixas são atraídas para mais perto de praias onde bolsões de água fria também contêm presas abundantes. Os tubarões-tigre também são normalmente encontrados mais ao norte – mas se aventuraram até Sydney, provavelmente afetados pela correnteza.

Essas três espécies – tubarões-touro, tubarão-branco e tigre – são responsáveis ??pela maioria das mortes por ataques de tubarões na Austrália.

“Eu previa que haverá um movimento maior, um aumento na distribuição geográfica, em muitas dessas espécies”, disse Harcourt. “Isso porque a dinâmica da mudança climática significa que seu habitat adequado em termos de temperatura da água e distribuição de presas também está mudando. E esses animais são grandes predadores de vértice de longo alcance.”

“Eles terão potencialmente mais contato com as pessoas e, ao mesmo tempo, o uso humano do oceano está aumentando o tempo todo”, acrescentou.

Outros fatores possíveis

Tecnologia moderna, assistência médica aprimorada e tempos de resposta de emergência mais rápidos significam que a taxa de mortalidade dos ataques de tubarão caiu significativamente na última década – razão pela qual o aumento deste ano é “uma verdadeira anomalia”, disse Harcourt.

Mas, deixando de lado as mudanças climáticas, também pode haver outros fatores em jogo. A sorte é importante: houve várias situações difíceis nos últimos anos em que a vítima foi salva porque havia um profissional de saúde por perto naquele momento, disse Brown.

“Conseguimos salvar várias pessoas nos últimos anos, apenas pela sorte de ter alguém qualificado no local para lidar com o caso imediatamente, e isso faz uma enorme diferença”, acrescentou.

Também depende de onde a vítima é mordida. “Um centímetro para a esquerda, se você for mordido na perna, pode morrer em segundos ou minutos”, disse Harcourt. “Sabe, um centímetro para a direita, você fica com uma cicatriz terrível e muita dor, mas se não entrar em choque, tem uma boa chance de sobreviver.”

Também há uma chance de as pessoas estarem passando mais tempo na água este ano devido às condições de trabalho em casa durante a pandemia de Covid-19, ou porque tem estado particularmente quente na Austrália ultimamente, disse Harcourt – aumentando assim as chances de correr para um tubarão.

Uma nova era de imprevisibilidade

Brown e Harcourt alertaram que a taxa de mortalidade de ataques de tubarão em 2020 se baseia apenas nos dados de um único ano; considerando que os números dos tubarões podem flutuar anualmente, é difícil dizer se a mudança climática está causando diretamente o aumento de 2020. Pode ser uma simples questão de azar; simplesmente não podemos saber até alguns anos depois, quando há dados suficientes para determinar se é uma tendência ou não.

Mas os dois especialistas concordam em uma coisa: o oceano está mudando e os tubarões estão mudando com ele. A alteração climática devastou os ambientes naturais do mundo e desequilibrou tudo, perturbando a forma como os ecossistemas marinhos vivem, se movem e, potencialmente, interagem com os humanos.

“Você não pode tirar conclusões sobre nada baseado em (apenas um ano), mas não há dúvida de que estamos entrando em um período de desconhecido, efetivamente”, disse Brown.

“Todas as antigas distribuições de espécies e como interagimos com elas – você pode jogar isso pela janela. O que quer que venha no futuro será novo.”

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.