BUSCAR
BUSCAR
Estratégia
Governo tenta redirecionar discurso sobre pandemia e Bolsonaro pode se vacinar
Auxiliares consideram 'péssima' fala que classificou a Covid-19 como 'mimimi' e querem presidente concentrado em promover a imunização contra a doença
CNN
06/03/2021 | 07:51

As declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que uma pandemia se trata de “mimimi” e frescura geraram preocupação no seu entorno e ampliar a pressão para que haja um redirecionamento no seu discurso. Militares e Centrão estão à frente desse processo.

Os auxiliares próximos a ele considerados a fala “péssima” e concluíram que o foco agora do discurso presidencial tem que ser as vacinas. Isso implica tanto no presidente defendê-las com mais vigor como também avaliar uma possibilidade de ele mesmo se vacinar, algo que sempre relutou.

Seria até mesmo uma necessidade, tendo em vista a nova cepa do coronavírus que se dissemine pelo país e que pode gerar uma reinfecção.

Segundo auxiliares, porém, o presidente só deve pensar nisso quando chegar a sua vez de se vacinar. Bolsonaro tem 65 anos e essa faixa etária deve entrar em processo de vacinação em cerca de 40 dias, tempo suficiente para que ele possa avaliar se quer ou não se vacinar. Além disso, a ideia é que ele aguarde uma vez na fila para não se vacinar à frente de outros grupos prioritários.

Outra informação que deve ser mais vendida pelo governo é o de que a vacina da AstraZeneca, principal aposta do governo, reagiu bem à cepa de Manaus do coronavírus. Outros ministros que pretendem se vacinar, tendo em vista que a nova cepa tornado a vacinação uma necessidade.

De qualquer modo, quase que um consenso no governo de que é preciso uma reorientação no discurso presidencial por diversos motivos. Interlocutores do presidente dizem que pesquisas que chegam a eles apontam que a vacina se tornou a preocupação maior do brasileiro, inclusive de sua base de apoio.

Muito mais até do que o desemprego. Além disso, notou-se que o simpatizante bolsonarista começa a se descolar do presidente, incomodado com seu discurso na pandemia, e a tomar uma posição de neutralidade em relação ao governo.

Há preocupação ainda com que prevaleça a narrativa de que o presidente nada fez na pandemia e isso pode ter impacto forte na eleição de 2022 justamente pelas falas polêmicas de Bolsonaro.

A leitura é a de que a impressão de que o presidente pouco fez na batalha contra o vírus corre risco de ser preponderante se uma pandemia chegar até o ano que vem e que, nesse sentido, é necessário que sejam reforçadas como ações do governo na pandemia , como a própria compra das vacinas (ainda que tardia) e os recursos médicos para o auxílio emergencial e para créditos para empresas.

Fontes próximas à Bolsonaro dizem que há uma agenda positiva a ser vendida, mas que o próprio presidente desvia dela com suas falas.

Lideranças do Centrão, grupo que integra a base aliada do presidente, avaliam que o presidente pode se prejudicar eleitoralmente, mas dizem que não pretendem abandoná-lo. Acham que não há alternativas de poder em curso no país ainda e que os nomes em construção não conseguirão, por ora, ser mais viáveis ​​do que a reeleição do presidente. Dizem que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), por exemplo, não consegue nem ter o apoio do seu partido e do seu estado.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.