BUSCAR
BUSCAR
Pandemia
Governo Bolsonaro disse à OMS que compraria mínimo de vacinas porque só grupos de risco deveriam ser imunizados
Nota interna do Ministério da Saúde argumenta que não seria necessário vacinar toda a população
Redação
01/07/2021 | 17:20

O parecer do Ministério da Saúde que embasou a decisão de pedir o mínimo possível de doses no consórcio Covax Facility, da OMS, cobrindo apenas 10% da população, justifica a decisão com a argumentação de que a vacinação deveria se voltar aos “grupos de risco”. O documento, da Secretaria Executiva do órgão, argumenta que não seria necessário vacinar toda a população.

A nota, de agosto do ano passado, é assinada por Elcio Franco, então Secretário Executivo, Arnaldo Correia de Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde, e outras autoridades. Em uma tabela, há o cálculo de que, para vacinar os grupos de risco (idosos, trabalhadores na área de saúde, indígenas e outros) seria preciso comprar apenas 89 milhões de doses de vacina.

Hoje, o Brasil já passa das 98 milhões de doses aplicadas. Na última semana, porém, a média de mortes diárias foi de 1.600 pessoas, o que mostra que, mesmo com um número alto de vacinas aplicadas priorizando justamente os grupos de risco, a pandemia não arrefeceu no país.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.