BUSCAR
BUSCAR
Economia

Folha de pagamento de 17 setores será reonerada a partir de 2025

Governo anuncia acordo após reunião com políticos
Agência Brasil
09/05/2024 | 20:27

Após um acordo entre o governo, o Congresso Nacional e representantes de 17 setores da economia, a folha de pagamento para essas atividades continuará desonerada neste ano, mas haverá alíquotas gradualmente recompostas entre 2025 e 2028.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (foto), detalhou o fechamento do acordo após reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o líder do Governo do Senado, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP).

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad / Foto: Agência Brasil
Ministro da Fazenda, Fernando Haddad / Foto: Agência Brasil

“Isso é importante porque vamos dar respaldo a uma receita da Previdência, e é da lógica da reforma da Previdência o equilíbrio das contas. Quando a gente pega o sacrifício de um trabalhador que tem de, às vezes, trabalhar um ano, dois anos, três anos a mais, como aconteceu com a reforma da Previdência, temos que compreender que, da parte da receita, tem que haver uma correspondência do mesmo esforço”, disse Haddad no Senado.

A reoneração começa no próximo ano, com a contribuição patronal dos 17 setores à Previdência Social sendo feita da seguinte forma:

•     2024: desoneração total;

•     2025: alíquota de 5% sobre a folha de pagamento;

•     2026: alíquota de 10% sobre a folha de pagamento;

•     2027: alíquota de 15% sobre a folha de pagamento;

•     2028: alíquota de 20% sobre a folha de pagamento e fim da desoneração.

Modulação

Antes de anunciar o acordo no Senado, Haddad se encontrou com os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça e Luiz Fux. O ministro da Fazenda afirmou que o governo pedirá ao Supremo a modulação da liminar concedida pelo ministro do STF, Cristiano Zanin, que barrou a desoneração da folha salarial de setores da economia. Por meio da modulação, o Judiciário pode dar aval ao acordo para o encerramento gradual do benefício.

Prorrogada até o fim de 2027, após a aprovação de um projeto de lei que cinco ministros do Supremo consideraram inconstitucional, a desoneração da folha de pagamento permite que empresas de 17 setores substituam a contribuição previdenciária, de 20% sobre a folha de pagamento dos empregados, por uma alíquota de 1% a 4,5% sobre a receita bruta.

Em vigor desde 2012, a desoneração permite que as empresas dos setores beneficiados contribuam menos para a Previdência Social e, em tese, contratem mais trabalhadores.

No fim do ano passado, o Congresso aprovou o projeto de lei que também reduziu de 20% para 8% da folha a contribuição para a Previdência Social de pequenos municípios. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetou o texto, mas o Congresso derrubou o veto no fim do ano passado.

Nos últimos dias de 2023, o governo editou uma medida provisória revogando a lei aprovada. Por falta de acordo no Congresso para aprovar o texto, o governo concordou em transferir a reoneração para projetos de lei.

No entanto, no fim de abril, a Advocacia-Geral da União recorreu ao Supremo. O ministro Cristiano Zanin, do STF, acatou o pedido de suspensão imediata da desoneração da folha e da ajuda aos pequenos municípios. Desde então, o governo vem tentando chegar a um acordo com os 17 setores da economia.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Taxação coloca em risco “poder de compra dos brasileiros”, diz Shein
A plataforma de compras on-line afirmou que 88% de seu público consumidor é formado por pessoas das classes C, D e E
22/05/2024 às 21:48
Lula sanciona medida de compensação tributária para o setor de eventos e turismo
Programa criado na pandemia é estendido até 2026 ou até o limite fiscal de R$ 15 bilhões
22/05/2024 às 20:47
Haddad diz que inflação está sob controle
Ministro critica ruídos à política econômica
22/05/2024 às 19:35
Neoenergia Cosern anuncia plano de investimento recorde de R$ 2,1 bilhões no RN até 2027
Eduardo Capelastegui, CEO da Neoenergia, detalhou investimentos entre 2024 e 2027 à Governadora Fátima Bezerra e convidados em evento nesta quarta-feira 22
22/05/2024 às 18:27
Fiern inaugura IEL-RN e realiza semifinal do Festival do Industriário em Mossoró nesta sexta 24
Eventos acontecem durante cumprimento de agenda do presidente da Fiern no Oeste potiguar
22/05/2024 às 16:20
Desenrola Brasil beneficiou 15 milhões de pessoas, informa Fazenda
Programa renegociou R$ 53,07 bilhões em dívidas
21/05/2024 às 20:12
Presidente da Fiern apoia revisão de isenção para importados e defesa da Indústria Nacional
Serquiz defende a taxação de produtos importados como uma medida essencial para o desenvolvimento econômico do estado e a geração de emprego e renda para a população potiguar
21/05/2024 às 17:34
Semana Nacional do MEI oferece serviços e palestras em São Gonçalo do Amarante
Programação inclui atendimentos gratuitos com contadores do Sebrae nos dias 21 e 22
21/05/2024 às 16:59
Complexo Eólico Acauã é inaugurado no RN
Complexo terá capacidade para abastecer 580 mil residências com 109,2 MW de potência instalada
21/05/2024 às 16:00
Governança da Petrobras analisa indicação de Magda Chambriard
Se nome for aprovado na sexta, posse pode ser realizada no mesmo dia
21/05/2024 às 14:11
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.