BUSCAR
BUSCAR
Sem saída
Flordelis pede para retirar tornozeleira eletrônica, mas Justiça nega
Juíza destaca dificuldade de saber paradeiro da parlamentar, inclusive, na Câmara dos Deputados. É terceiro pedido de retirada negado
Metrópoles
15/07/2021 | 14:48

A deputada federal Flordelis dos Santos Souza (PSD-RJ) vai continuar usando a tornozeleira eletrônica. A juíza Nearis dos Santos Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, negou o terceiro pedido da parlamentar para suspender a obrigatoriedade do uso do aparelho que monitora os seus passos.

Para retirar o equipamento, a defesa alegou defeitos, como os responsáveis para as chamadas violações, quando a Secretaria de Administração Penitenciário do Rio perde o monitoramento. Mas, em sua decisão, a magistrada contesta a argumentação dos defensores de Flordelis.

“(…) Embora a ré tenha justificado duas das violações à medida cautelar de monitoramento eletrônico, nos dias 23 de março e 21 de maio de 2021, este Juízo tem recebido mensalmente a informação de diversos outros descumprimentos, que restaram sem justificativa, evidenciando ainda mais a necessidade de manutenção.”

A juíza ressalta que há dificuldades ainda de localizar a parlamentar. “(…) Especialmente o quadro de incerteza acerca do paradeiro da ré Flordelis, diante da dificuldade de sua localização (…) Inclusive, como também diante da dificuldade de localização da acusada até mesmo pela Câmara dos Deputados”.

No histórico de uso da tornozeleira, desde de outubro, há registros de 20 violações, só em março foram oito. Procurado, o advogado Rodrigo Faucz, que defende a parlamentar ainda não se pronunciou.

Participação em crime

Flordelis e mais nove acusados vão a júri popular no caso da morte do pastor Anderson.

Ela foi denunciada por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio duplamente qualificado, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa.

O mandato da deputada também está em xeque, em um processo de cassação na Câmara dos Deputados.

Em 29 de junho, a juíza negou um pedido de suspeição protocolado pela defesa da parlamentar. Os advogados pediram o afastamento da magistrada do caso do assassinato do pastor e a suspensão do processo, o que também foi negado por falta de previsão no Código de Processo Penal.

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.