BUSCAR
BUSCAR
Fake News

Fake news prejudicam tomada de decisão por afetados em catástrofe, diz pesquisadora

Cidadãos assustados podem tomar decisões irracionais, diz pesquisadora
Agência Brasil
14/05/2024 | 12:20

As redes sociais têm sido usadas como um instrumento de disseminação de fake news (notícias falsas) diversas sobre a tragédia provocada pelas chuvas no Rio Grande do Sul. Desde teorias da conspiração sobre o motivo do desastre, até boatos estapafúrdios.

Mas alguns dos principais alvos da campanha de desinformação promovida nas redes sociais são as instituições públicas. São notícias falsas que, desde os primeiros momentos da tragédia, buscam desacreditar governos e órgãos públicos.

ft 2
Fake news prejudicam tomada de decisão por afetados em catástrofe - Foto: Pedro Piegas/PMPA

São fake news sobre caminhões sendo impedidos de entrar no estado com donativos às vítimas, sobre a demora do governo federal em agir no RS e sobre alguns empresários estarem atuando mais que governos em prol dos gaúchos.

Leia também: Lula deve anunciar auxílio financeiro às pessoas atingidas no RS

A pesquisadora da Universidade Federal Fluminense (UFF) Thaiane Moreira de Oliveira é parte de um grupo de pesquisadores dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT) que acompanha a divulgação de mensagens sobre o desastre climático do Rio Grande do Sul nas redes sociais.

Brasília (DF) 08/05/2024 – Base aérea de Brasília recebe doações para os atingidos das chuvas no estado Rio Grande do Sul.Foto: Joédson Alves/Agência Brasil

 Base Aérea de Brasília recebe doações para os atingidos das chuvas no Rio Grande do Sul. Foto: Joédson Alves/Agência Brasil

O levantamento ainda não foi concluído, mas já é possível perceber um padrão nas fake news sobre a tragédia. “[Nesta tragédia] a desinformação diz respeito sobretudo a discussões políticas, acusações contra o governo federal, contra o governo estadual. Principalmente, e aí eu acho que é um ponto extremamente preocupante, a questão da contestação da eficácia e da atuação das instituições. A gente tem visto o quanto as instituições, que têm sido muito atuantes, estão sendo descredibilizadas nesse processo”, afirma Thaiane.

De acordo com a pesquisadora, as redes sociais permitiram que qualquer pessoa se tornasse uma “autoridade” em qualquer assunto e opiniões baseadas apenas no achismo passassem a ser valorizadas pelo público.

“Antes das redes sociais, a gente tinha alguns atores que eram legitimados para apresentar uma informação que fosse considerada de credibilidade. Eram jornalistas, comunicadores públicos, divulgadores científicos, agentes públicos. Com as mídias sociais e a reconfiguração da forma como nos comunicamos, hoje em dia, emitir uma opinião é motivo de autoridade. Qualquer um que tenha uma certa visibilidade nas redes sociais ganha uma certa autoridade, emitindo sua opinião apenas baseado nas suas experiências pessoais e no achismo”, destaca a pesquisadora.

Com a credibilidade das instituições públicas sendo questionadas por notícias falsas, as pessoas afetadas pelo desastre ficam sem referência para tomar decisões.

Leia também: RN é responsável por 40 das 800 toneladas de doações enviadas pelos Correios para o RS

“Se a gente vê um conjunto de desconfianças nas instituições e uma população amedrontada, sem saber em quem confiar e acionar, isso é um problema muito grave para nossa sociedade. A gente sabe que quando uma um cidadão está assustado, ele pode tomar algumas decisões que não sejam necessariamente racionais”, explica Thaiane.

Não há apenas um risco para a democracia, segundo a pesquisadora, mas também para a própria segurança e saúde das vítimas.

“Há um conjunto de influenciadores digitais indicando tratamentos médicos, quimioterápicos por exemplo, para poder se prevenir de doenças como leptospirose, então é um risco para a saúde pública. E a gente está num momento em que a população está muito vulnerável”, afirmou a pesquisadora.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Mega-sena não tem ganhadores e prêmio vai a R$ 47 milhões
Dezenas sorteadas foram 11 - 17 - 24 - 26 - 35 - 43
13/06/2024 às 21:48
FAB revoga documento que proibia militares da reserva de se posicionar politicamente
Nova instrução foi editada; texto disciplina a atuação dos integrantes da instituição no período eleitoral
13/06/2024 às 20:27
Saúde reajusta bolsa do Mais Médicos em 8,4%
Ajuda de custo dos profissionais também terá aumento
13/06/2024 às 16:14
Pai é preso após ser flagrado ao abusar sexualmente de filha na UTI
A polícia civil de São Bernardo do Campo (SP) pediu a prisão preventiva do suspeita
13/06/2024 às 14:36
Bruno Mars fará show para arrecadar fundos para o Rio Grande do Sul
Ingressos serão sorteados entre pessoas que fizerem doações para a Ação da Cidadania
13/06/2024 às 14:13
Cadastro de condenados por violência contra mulher vai ao Senado
Texto foi aprovado em votação simbólica na Câmara dos Deputados
13/06/2024 às 12:05
Estudantes têm até esta sexta-feira para se inscrever no Enem
Inscrições devem ser feitas na Página do Participante
13/06/2024 às 09:20
Câmara aprova projeto que torna crime hediondo ataque a escolas
Pela proposta, o condenado não terá direito a fiança, anistia, liberdade provisória e a progressão de regime será mais lenta
12/06/2024 às 21:49
CCJ aprova incluir na Constituição criminalização do porte de drogas
PEC foi aprovada na Câmara por 47 votos favoráveis e 17 contrários
12/06/2024 às 16:14
Taxação de importação até US$ 50 e Projeto Mover vão à sanção
PL 914/24 foi aprovado na Câmara por 380 votos contra 26
12/06/2024 às 11:30
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.