BUSCAR
BUSCAR
Medo
Faern denuncia atos de vandalismo em área de irrigação no Vale do Açu
Homens encapuzados teriam levado na semana passada telhas e linhas do telhado do galpão de armazenamento dos produtores rurais; Faern pede reforço na segurança para quem trabalha na região
Redação
19/11/2020 | 05:24

O presidente da Federação da Agricultura, Pecuária e Pesca do Rio Grande do Norte (FAERN), José Vieira, disse nesta quarta-feira 18 que vê com preocupação denúncias de vandalismo que integrantes do Movimento Sem Terra (MST) estariam praticando no canal de acesso à segunda etapa do Distrito Irrigado do Baixo-Açu (DIBA).

Segundo essas denúncias, homens encapuzados teriam levado na semana passada telhas e linhas do telhado do galpão de armazenamento dos produtores.

“Nossa equipe também verificou no local que a energia e água são utilizadas de forma clandestina pelos invasores e funcionários que trabalham no serviço de limpeza e recuperação das placas dos acessos do canal já receberam ameaças”, afirmou.

José Vieira disse, ainda, que o governo do estado deve tomar providências para proteger os produtores que estão investindo no RN para que não sejam prejudicados.

“Para investir na agricultura é fundamental ter segurança jurídica e pública, não deixando que criminosos do Movimento Sem Terra invadem propriedades e depredem o patrimônio público e privado”, afirmou José Vieira.

Acrescentou esperar que o governo estadual encontre uma solução para que os produtores possam continuar produzindo, “mas com atos criminosos fica difícil algum investidor escolher o Rio Grande do Norte ou continuar operando ali”.

Importante para a economia potiguar e localizada na região do Vale do Açu, o DIBA conta com duas etapas que somam seis mil hectares.
Só o canal de acesso de irrigação tem 18 km de extensão e passa por manutenção para que água atenda toda a área.

Ali, segundo o presidente da Faern, o investimento inicial dos produtores e empresários ultrapassa os R$ 200 mil de recursos próprios.

Ele contou que o funcionário que atua na recuperação do canal, conhecido por Gavião, foi ameaçado na segunda-feira 9, e no dia seguinte, terça, os encapuzados teriam colocado fogo na tenda onde os trabalhadores rurais descansavam após o almoço.

Relatou, logo depois disso, que Gavião reportou que integrantes do MST teriam ido ao local com materiais pesados para abrir o canal de acesso.
As informações preliminares indicam que 100 famílias estariam morando no local e plantando nas propriedades, sem autorização dos proprietários, banana, maracujá, feijão e milho, além de gado.

A fim de obter água para as plantas, os invasores teriam resolvido quebrar o canal a golpes de enxada.

Com a quebra do canal, muitos entulhos, sujeira e peixes mortos estariam concentrados no canal que chegou a Casa de Bombas EB2.

Ouvido nesta quarta-feira, Nuilson Pinto, presidente do Diba, confirmou o vandalismo e comentou que ação é prejudicial a todos os produtores do distrito irrigado e para a economia do RN.

“A situação, que vem acontecendo há mais de três anos no perímetro do Baixo-Açu, é um ato de vandalismo e estou preocupado porque há mais de 20 anos estou neste projeto e, neste momento, estamos na fase de recuperação da segunda etapa”, alertou.

Para ele, o problema vai impactar na captação de novos investidores para o projeto.

Nesta quarta-feira, o presidente da Faern pediu ao governo estadual que interfira na situação e colocou a Federação da Agricultura à disposição para ajudar.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.