BUSCAR
BUSCAR
Pesquisa

Estudo brasileiro revela gene associado ao Alzheimer presente em 26% da população

Segundo a pesquisa, esse gene acelera o acúmulo das proteínas beta amiloide e tau no cérebro, ligadas ao declínio cognitivo
15/10/2023 | 17:54

Um estudo liderado por pesquisadores brasileiros da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) desvendou o mecanismo por trás de um marcador genético associado ao maior risco para desenvolvimento de Alzheimer.

O artigo, publicado no último dia 25 na revista especializada Nature Aging, descreve como a presença de um ou dois alelos (como são chamadas as cópias de um determinado gene) de um gene conhecido como Apoe (apolipoproteína E) aumenta o risco de Alzheimer de três a 15 vezes.

csm mulher idosa enfrentando doenca de alzheimer 6a19ce16f7
Em um estado normal, a proteína tau tem a função de reparar a estrutura dos neurônio - Foto: Reprodução

Isso porque, segundo a pesquisa, esse gene acelera o acúmulo das proteínas beta amiloide e tau no cérebro, ligadas ao declínio cognitivo. O mecanismo pelo qual esse gene leva ao maior depósito de proteínas no cérebro é pela chamada hiperfosforilação (adição de uma molécula de fosfato na proteína).

Em um estado normal, a proteína tau tem a função de reparar a estrutura dos neurônios. Já na forma hiperfosforilada, ela falha na manutenção das estruturas deles, levando à morte celular.

Além disso, a presença de uma ou mais formas desse gene parece também acelerar o acúmulo de placas da proteína amiloide. Segundo o estudo, esses são os principais fatores responsáveis por provocar o dano cerebral e o declínio cognitivo associados ao Alzheimer.

Os achados são importantes, pois podem ajudar na detecção de pacientes com sintoma inicial de Alzheimer, uma vez que o paciente que carrega o gene pode descobri-lo por um exame de sangue.

O doutorando no departamento de bioquímica da UFRGS e aluno do curso de medicina na universidade, João Pedro Ferrari Souza, explica que 25% da população possui uma cópia do gene, e 1%, as duas, representando, assim, mais de um quarto da população com elevado risco para demência.

Ele faz uma ressalva, porém, que a presença dessa cópia não equivale aos casos de Alzheimer de origem hereditária, isto é, cujo gene ligado à condição foi passado aos descendentes, o que representa aproximadamente 10% dos casos.

A pesquisa foi parte do chamado período sanduíche de Souza nos Estados Unidos, quando o pós-graduando fica um ano em uma instituição estrangeira, sob a orientação de Eduardo Zimmer, da UFRGS, e Tharick Pascoal, da Universidade de Pittsburgh (EUA). Participaram também pesquisadores da Universidade McGill, no Canadá, e da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.

No período de dois anos, foram avaliados 94 pacientes de Alzheimer de uma grupo de estudo chamado Triad (biomarcadores translacionais em envelhecimento e demência, em tradução livre), da Universidade McGill, no Canadá.

Os participantes foram submetidos a quatro análises distintas para verificar a presença das variantes ?4 do gene Apoe (lê-se variante epsilon 4 do gene apolipoproteína E): liquor (líquido cerebral na barreira crânio-cérebro), sangue, exames de imagem de ressonância magnética e PET-amiloide, um tipo de tomografia específica para placas de amiloide.

Os cientistas viram que a presença do alelo Apoe?4 potencializa os efeitos deletérios da proteína beta amiloide. “Ou seja, o Apoe?4 acelerava o efeito que o amiloide tinha no acúmulo da proteína tau. Os indivíduos que tinham um alelo tinham um risco de 3 a 4 vezes maior de desenvolver Alzheimer, e os dois alelos, de 12 a 15 vezes, comparado com os indivíduos que não carregavam”, afirma Souza.

Segundo ele, as novas drogas recém-aprovadas para o tratamento da fase inicial de Alzheimer, como o donanemabe, da Eli Lilly, e o lecanemab, da empresa Biogen, cuja ação é justamente na formação das placas amiloides, podem ser aliados à nova descoberta.

“Nós acreditamos que o ideal seria, nessas pessoas, combinar as terapias, isso é, você faz um exame para determinar que tem o marcador genético, o gene Apoe?4, e aí você pode saber qual vai ser o benefício específico do paciente com as novas drogas”, explica.

As drogas não estão ainda disponíveis no Brasil. A Eli Lilly ainda não pediu o registro do seu fármaco na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Até o começo deste semestre, também não havia prazo de quando o lecanemab poderia chegar ao país.

Por enquanto, os medicamentos disponíveis no país para tratamento de Alzheimer são os anticolinesterásicos (donepezil, galantamina e rivastigmina) e a memantina, voltados para a redução dos sintomas.

E, além disso, os ensaios clínicos dos medicamentos apresentaram efeitos colaterais importantes, embora raros, como edemas (inchaço) e hemorragias cerebrais.

Contudo, Souza está confiante de que a descoberta de sua equipe pode, inclusive, ajudar a pavimentar novos estudos para o desenvolvimento de drogas.

“Estes achados ajudam na compreensão desta condição neurodegenerativa importante que, em 2030, deve afetar mais de 100 milhões de pessoas em todo o mundo, com implicações diretas para o tratamento da doença de Alzheimer”, disse.

ANA BOTTALLO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Caso Siafi: Governo estima desvios de R$ 3,5 milhões e 200 tentativas de pagamentos ilegais
No governo, a desconfiança é que a invasão tenha sido feita por uma técnica chamada "phishing"
23/04/2024 às 17:53
Vídeo: Cachorro é entregue morto a tutor após falha de companhia aérea
A GOL Linhas Aéreas admitiu que o desvio da rota do cachorro Joca para Fortaleza foi o resultado de uma falha operacional
23/04/2024 às 16:14
UFRN prevê retomada de obras da antiga Faculdade de Direito ainda este semestre
Reforma e restauração do prédio da antiga Faculdade de Direito foi paralisada para cumprimento de novos projetos solicitados pelo Iphan
23/04/2024 às 13:20
Força Nacional reforçará segurança do concurso unificado em 9 cidades
Com 2,1 milhões de inscritos, certame selecionará 6,6 mil servidores
22/04/2024 às 21:34
Pedidos de isenção da taxa do Enem podem ser feitos até sexta-feira
Solicitações devem ser feitas pela Página do Participante
22/04/2024 às 17:40
Justiça Federal do RN debate demandas sobre cotas para pardos em concursos públicos
Debate vem do aumento da demanda, na Justiça Federal do RN, sobre os questões envolvendo a designação de "pardos" em concursos públicos.
22/04/2024 às 14:44
Bairro Nordeste recebe serviço gratuito de mamografia oferecido pela SMS Natal
De 22 a 26 de abril, os serviços de mamografia estão sendo ofertados na Unidade de Saúde Bairro Nordeste
22/04/2024 às 10:01
IBGE: 1% mais rico ganha 39,2 vezes mais do que 40% mais pobres
Os dados a respeito da renda da população residente no Brasil constam na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE
19/04/2024 às 21:57
Pesquisa de residente do Huol-UFRN conquista 3º lugar no prêmio nacional União Química
O estudo na área da Anestesiologia trouxe evidências sobre a utilização eficaz da metadona no controle da dor em cirurgia bariátrica
19/04/2024 às 15:56
DPU cria grupo de assistência a indígenas, negros e quilombolas em processos judiciais
Medida cumpre a missão da defensoria de prestar atendimento jurídico integral e gratuito às populações vulneráveis
19/04/2024 às 14:14
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.