BUSCAR
BUSCAR
Eleições 2022
Esposa de Moro diz que presidência em 2022 ‘não está no radar’ do juiz
Sérgio Moro ocupou o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil no governo de Jair Bolsonaro (sem partido) por pouco mais de um ano
UOL
24/11/2020 | 06:41

Rosângela Wolff Moro, advogada especializada em direito tributário e esposa do juiz e ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, disse que a possibilidade do marido se candidatar para presidente do Brasil nas eleições de 2022 “não está no radar” da família no momento.

No “Conversa com Bial” desta madrugada, Rosângela foi questionada sobre os boatos de Moro ser um possível nome à presidência. “A gente tem responsabilidade por aquilo que a gente fala e não pelo que as pessoas querem. Se colocam ele eventualmente em pesquisas, não é a pedido nosso. Se falam para ele que precisa ser presidente, não é, necessariamente, um pedido nosso”, respondeu.

Ainda sobre a questão, ela explicou: “Ele acabou de sair dessa função pública. A gente está atravessando uma pandemia. Ele está se reinserindo na iniciativa privada porque, assim como qualquer família normal, os boletos chegam no final do mês. Então, 2022 não está no radar de ninguém aqui em casa. A gente está pensando no hoje”.

Sérgio Moro ocupou o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil no governo de Jair Bolsonaro (sem partido) por pouco mais de um ano. Em 24 de abril de 2020, pediu demissão em entrevista coletiva após o presidente pedir a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal.

Intuição feminina

No programa, Rosângela também comentou sobre ter sentido que Moro não iria durar muito tempo no cargo de ministro. Ao apresentador Pedro Bial, ela entrou em detalhes do momento em que teve a intuição:

“Em agosto de 2019, quando o presidente começou a falar de trocar o diretor da polícia, e daí veio aquele modus operandi de ‘vou fritar um ministro’, aquilo doeu. Porque todas às vezes que a gente via uma fala mais agressiva, em um tom que diminui a cordialidade, vinha que era contra a Lava Jato. E, justamente por ver o governo como uma coisa toda, naquele momento da fritura acendeu uma intuição feminina de esposa”.

O fato de Bolsonaro ter “guilhotinado”, nas palavras de Rosângela, pessoas do governo que eram seus amigos e de relação pessoal, fez com que ela tivesse mais certeza de que a posição de Moro como ministro estaria chegando ao fim.

“Não sei se antes, depois ou durante, dois amigos, duas pessoas foram guilhotinadas do governo, que era o [Gustavo] Bebianno, que depois faleceu, e o General Santos Cruz. Quando eu vi aquilo, pensei: ‘Se com os amigos de relação pessoal dele a postura foi essa, meu querido, a sua guilhotina vai chegar, é só uma questão [de tempo]. Eu não tinha mais dúvida”, completou.

Livro

Rosângela acabou de lançar o livro “Os Dias Mais Intensos: Uma História Pessoal de Sérgio Moro”, pela Editora Planeta do Brasil, em que narra memórias sobre os bastidores e o impacto da operação Lava Jato na vida da família.

A obra de 152 páginas tem início com a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça e, de acordo com Rosângela, o marido não se envolveu com o conteúdo.

“Ele só me corrigiu em uma data que eu tinha me equivocado no decorrer da escrita, e acho que ele gostou do livro. São as minhas percepções, então ele não poderia mudar o que eu penso”, concluiu a advogada e escritora.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.