BUSCAR
BUSCAR
Auxílio
Entenda a urgência e a demora para entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza
Mais de 100 caminhões, enviados por diversos países e organizações de caridade, permanecem parados, aguardando a autorização para cruzar fronteira com Egito
Redação
19/10/2023 | 18:55

Há dez dias, uma pequena distância separa dezenas de caminhões de ajuda humanitária, carregados com alimentos, água e remédios, das pessoas que aguardam desesperadamente por esses recursos na Faixa de Gaza. Contudo, a entrada dessa ajuda tem sido obstaculizada pela complexidade da situação e negociações em curso.

Mais de 100 caminhões, enviados por diversos países e organizações de caridade, permanecem parados, aguardando a autorização para cruzar a passagem de Rafah, na fronteira entre o Egito e o sul da Faixa de Gaza, enquanto autoridades israelenses, americanas e egípcias buscam uma solução.

Após o ataque massivo do grupo Hamas a Israel, ocorrido no último dia 7 e que resultou em centenas de mortes, Israel implementou um bloqueio total no território palestino, interrompendo o fornecimento de água, comida, combustível e eletricidade. Como resultado, a situação dos mais de 2,3 milhões de palestinos em Gaza vem se deteriorando rapidamente.

Marwan Jilani, diretor geral da organização Crescente Vermelho para a Palestina, expressou preocupação com a violação do direito humanitário internacional, que proíbe o uso de ajuda humanitária como instrumento de guerra. “Você não pode privar toda uma população de alimentos ou água por motivos políticos ou militares”, afirmou à emissora Al Jazeera.

Segundo as Nações Unidas, o cenário é devastador: falta de eletricidade desde o dia 11, crescente insegurança alimentar e um sistema de saúde beirando o colapso. Agências da ONU alertaram que há apenas comida suficiente para menos de uma semana, a usina de dessalinização de água foi desativada, aumentando os riscos de mortes por desidratação e doenças relacionadas à ingestão de água contaminada.

Após a explosão de um hospital em Gaza City e os contínuos ataques de Israel, protestos eclodiram em várias partes do Oriente Médio. Há uma crescente preocupação internacional de que o conflito possa se ampliar para uma guerra regional.

Na quarta-feira (18), o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, assegurou que seu país não impediria a entrada de alimentos, remédios e água do Egito, desde que esses recursos fossem destinados à população civil palestina e não aos militantes do Hamas. O comunicado não mencionou o fornecimento de combustível, necessário para manter os geradores dos hospitais em funcionamento.

Também na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, declarou que o Egito havia concordado em abrir a passagem de Rafah para a entrada inicial de 20 caminhões. Espera-se que esses caminhões possam cruzar a fronteira a partir de sexta-feira (20), embora o horário exato não tenha sido especificado pelo canal estatal egípcio.

Com informações do G1-RN

Saiba qual foi o papel dos Estados Unidos no golpe de 1964 no Brasil
Para historiadora, houve "contribuição efetiva" norte-americana
15/04/2024 às 07:25
Milei oferece apoio a Musk após acusações e tensões com o STF
O presidente da Argentina, radical da extrema-direita, e o empresário defenderam a liberalização de mercados e a liberdade de expressão sem limites
12/04/2024 às 18:34
Deputados do RN pedem regulação das redes sociais após Musk ameaçar descumprir ordens da Justiça
Parlamentares do PT veem ataque à democracia brasileira e pedem responsabilização das redes sobre conteúdo que nelas trafega; oposição enaltece dono do Twitter
09/04/2024 às 07:41
Ministros do STF veem incômodo de Musk com regras para uso de redes nas eleições
Bilionário do X ameaçou reativar perfis bloqueados pela Justiça brasileira
08/04/2024 às 10:07
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.