BUSCAR
BUSCAR
Futebol
Endividados, clubes buscam soluções para aproveitar janela de transferências internacional
Janela de contratações oriundas do futebol internacional estava prevista para ocorrer entre 1.º e 31 de julho de 2020, mas a data acabou alterada por conta da paralisação do calendário em razão da pandemia do coronavírus
Estadão
15/10/2020 | 07:38

Aberta desde terça-feira, a janela de transferências de atletas vindos do exterior para o Brasil não deve ser muito movimentada neste ano. A tendência é que, endividados, os clubes brasileiros pisem no freio e não façam contratações de impacto para não prejudicar o orçamento, já muito afetado pela pandemia de Covid-19 em 2020.

A janela de contratações oriundas do futebol internacional estava prevista para ocorrer entre 1.º e 31 de julho de 2020, mas a data acabou alterada por conta da paralisação do calendário em razão da pandemia do coronavírus e, agora, ficará aberta até o dia 9 de novembro.

Além do prejuízo financeiro provocado pela paralisação dos campeonatos e pelos jogos sem torcedores nos estádios, há outros fatores que dificultam a tarefa dos times brasileiros de repatriar jogadores neste momento: o fato de haver poucos atletas sem contrato no exterior, a desvalorização do real diante do euro e do dólar e o desejo das equipes europeias de manter seus atletas pela impossibilidade reposição, já que a janela de transferências das principais ligas do continente europeu está fechada.

A lógica foi invertida neste ano. Antes, o mercado de aquisições na Europa sempre se encerrava depois do fechamento do período de registro de atletas contratados por times do Brasil de fora do território nacional, o que era um problema para agremiações do País, que não podiam repatriar atletas para repor a saída de nomes importantes. Agora, esse vácuo entre entradas e saídas ocorre com boa parte das equipes do “Velho Continente”.

“Hoje, um time brasileiro que quiser contratar algum jogador de fora provavelmente vai ter que trazer alguém que esteja encostado, sem jogar. O time do exterior não quer se desfazer de um atleta importante porque não tem como repor nesse momento. Ficou uma data de janela oportuna só para trazer jogador que não está sendo aproveitado”, salienta Marcelo Robalinho, fundador da Think Ball, empresa de gerenciamento de carreira de jogadores. Ele tem cerca de 60 clientes espalhados por 15 países diferentes.

Neste ano, com a dificuldade para garimpar bons jogadores sem contrato, é provável que não haja grandes nomes sendo repatriados de graça, como aconteceu em 2019 – no ano passado, Filipe Luís e Rafinha se transferiram para o Flamengo e Luiz Adriano para o Palmeiras.

Dos problemas citados, o endividamento segue sendo o maior empecilho para contratar. No caso do Sport, a dificuldade é ainda maior porque o clube sofreu um bloqueio da Fifa por conta de uma dívida referente à compra do atacante André do Sporting, em 2017, e está proibido de registrar novos atletas por enquanto. Mesmo que se livre desse obstáculo, o clube não tem condições para fazer grande aquisições.

“O Sport não é um clube comprador de jogadores. O clube está em fase de reconstrução. É a única política possível para reconstruir o clube. Compra de jogadores não está no nosso planejamento. Empréstimo e parcerias, sim. Pegar alguns jogadores livres no mercado é uma opção”, explica Chico Guerra, diretor do Sport. Ele acrescentou que a diretoria trabalha para pagar R$ 30 milhões de dívidas até o fim do ano.

Na contramão dos times atolados em dívidas está o Grêmio, um dos menos impactados financeiramente pela pandemia e que registrou no segundo semestre um superávit líquido – diferença entre receitas e despesas – de R$ 18,5 milhões. No acumulado dos seis meses de 2020, o saldo positivo é de R$ 30,8 milhões. Essa boa saúde financeira permite à equipe gaúcha, que chegou a sondar o uruguaio Cavani, ir ao mercado em busca de reforços.

“O Grêmio busca um centroavante basicamente. É a nossa prioridade no momento. Temos quatro, cinco situações em vista”, adianta o presidente Romildo Bolzan Jr, sem revelar nomes. “O Grêmio se preparou para isso (pandemia). Nos organizamos para enfrentar essa situação em seis meses e conseguimos superá-la em cinco. A gente está numa posição de equilíbrio, inclusive em relação às contas de 2021 e 2022, antecipando pagamentos”, emenda o mandatário.

O dirigente prevê que os clubes que ajustarem suas contas serão aqueles que poderão brigar por títulos na próxima temporadas. “É muito claro, para mim, que o clube que sair sem endividamento excessivo, sair organizado, é o que vai ter melhores perspectivas para o ano que vem porque terá mais capacidade de investimento”, avalia.

Aposta na base

Sem dinheiro em caixa, parte considerável dos times brasileiros vem apostando nas categorias de base. O investimento nos jovens, no entanto, ainda não é tão expressivo. É o que aponta um relatório do Itaú BBA sobre o mercado do futebol. O estudo mostra que o mercado brasileiro movimentou mais de R$ 1 bilhão em contratações em 2019, enquanto o investimento para o desenvolvimento de novos talentos foi de R$ 243 milhões.

“A base assumirá um papel de protagonismo em todos os times nesse momento, pois, com a queda dos recursos financeiros, os clubes devem diminuir os gastos com contratações e salários. É a hora de dar oportunidade aos garotos formados nos clubes e um bom momento para mostrar que base é investimento e não gasto”, ressalta Erisson Matias, coordenador do departamento de captação de atletas do Fortaleza.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.