BUSCAR
BUSCAR
Meio ambiente
Em evento da ONU, Fátima ressalta produção de energia renovável no RN
Governadora do RN critica “desmantelamento” das políticas ambientais no Brasil e destaca diversificação do Nordeste na produção de energias renováveis
Adja Brito
05/11/2021 | 07:41

A 26ª Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas 2021 (COP26), nesta quinta-feira (4), teve em seus debates um painel sobre “O Nordeste Brasileiro e o potencial da Transição Energética Justa no Brasil – Mulheres na vanguarda da transição energética”, que faz parte da programação do Brazil Climate Action Hub. O evento acontece em Glasgow na Escócia até o próximo dia 12.

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), a prefeita do município de Jandaíra, Marina Dias (MDB), e a integrante do Comitê de Energias Renováveis do Semiárido (CERSA), Ricelia Marinho Sales integraram a mesa de debate sobre as “Mulheres na vanguarda da transição energética”.

O evento apresentou soluções inovadoras implantadas por gestoras públicas brasileiras no uso de energias limpas. A governadora potiguar Fátima Bezerra deixou claro que diante do cenário de retrocesso socioambiental do nosso país, é importante falar sobre uma transição energética justa, já que a mudança do clima tem uma dimensão de classe, étnica e de gênero. “A justiça social é fundamental para pensarmos nova maneira de produção de energia”, afirmou Fátima.

Para a governadora petista, o Nordeste vem desempenhando papel fundamental na diversificação da matriz energética. “Em menos de uma década, o Brasil passou de um país nulo em energia eólica para se tornar o 10º maior produtor do mundo – e, no centro desta mudança, está o NE, responsável por 75% desta produção”, destacou.

A chefe do executivo potiguar denunciou, segundo ela (Fátima Bezerra), o desmantelamento das políticas ambientais no Brasil sob o comando do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), falando ainda do aumento da violência, fome e miséria. Também evidenciou o aumento do desmatamento de áreas florestais, mortes de indígenas, e órgãos públicos do meio ambiente enfraquecidos por meio de cortes no orçamento.

“Infelizmente, começamos tendo que admitir que o nosso cenário é de retrocessos. Em menos de três anos, os índices ambientais do clima pioraram, o desmatamento da Amazônia aumentou e a emissão dos gases de efeito estufa cresceu. Temos ainda um dos maiores desafios, que é o aumento da pobreza e das desigualdades sociais no Brasil, intensificando a pobreza e a miséria. É justo seguir emitindo gases de efeito estufa, utilizando a energia limitada do planeta para que poucas famílias continuem enriquecendo, enquanto a grande maioria está na miséria?”, questionou a petista.

Fátima Bezerra enfatizou que o Rio Grande do Norte é líder no campo das energias renováveis e que vem trabalhando para garantir mais investimentos na área. “O Rio Grande do Norte é vanguarda na utilização de fontes de energia renovável. A nossa matriz elétrica é composta por 87% de fontes limpas e renováveis. Somos líderes em energia eólica onshore, e estamos diversificando mais, através de fontes como a solar, a eólica offshore e o hidrogênio verde. Além da vantagem ambiental que isso proporciona, é também fonte de emprego, educação e renda para a nossa população. Isso nos mostra que não basta ter recursos naturais, é preciso ter uma política que enfrente desigualdades e promova inclusão. É isto que nosso governo vem fazendo”, destacou.

A governadora potiguar foi a única chefe de Estado a ser convidada para o evento. Por causa de um quadro viral a mesma não pode comparecer à Escócia onde acontece a Conferência dos Climas. A participação da mesma se deu virtualmente.

Prefeita de Jandaíra

A prefeita do município potiguar de Jandaíra, Marina Dias Marinho (MDB), comentou sobre o protagonismo do RN na produção de energia eólica, repercutiu sobre como a produção sustentável ajuda na arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS) e lembrou da declaração da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que defendeu a tese de “estocar vento” – algo que já existe e é comprovado.

Marina Marinho, entretanto, apresentou os ônus dessa atividade, como o desmatamento de parte da vegetação e o risco de extensão de alguns animais. Além disso, há os chamados “filhos do vento”, que são filhos de mulheres locais, que se relacionaram com homens de outros estados que vieram para trabalhar em obras relacionadas a energia renovável.

Vale destacar que o Rio Grande do Norte é um dos maiores produtores de energia eólica (obtida através da força do vento) do país. Só no município de Jandaíra há 95 aerogeradores já instalados e 58 em fase de instalação. O investimento na área começou a ser feito no início dos anos 2000, com a então governadora Wilma de Faria (PSB), que ocupou o cargo entre 2003 e 2010.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.