BUSCAR
BUSCAR
Indireta
Em discurso de abertura do semestre no STF, Fux pedirá que atores políticos fiquem em seus lugares
Presidente da Corte deve mandar recados a Jair Bolsonaro e fazer defesa firme da democracia
O Globo
31/07/2021 | 13:34

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, deve fazer um discurso firme em defesa da democracia e das instituições na sessão de abertura dos trabalhos do tribunal na próxima segunda-feira. A expectativa é que o ministro mande recados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que durante o recesso elevou o tom contra o corte e seus integrantes, inclusive com coletar.

A interlocutores, Fux tem dito que pretende, em sua fala, pedir para que os políticos fiquem em seus lugares. O presidente do Supremo também avalia pontuar, de maneira contundente, como cada ator institucional precisa atuar dentro dos seus limites, sem extrapolar, para que a democracia se mantém firme. O discurso, contudo, ainda está em fase de produção.

Leia mais: Levantamento com 18 presidentes de partidos mostra que maioria é contra a aprovação do voto impresso

Ainda não esperado, falas dos demais integrantes do Supremo também ocorrerão ao longo da primeira sessão.

A volta aos trabalhos no tribunal ocorre em meio a uma crise institucional provocada por declaração do presidente a respeito de decisões tomando pelo STF durante a pandemia de covid-19, além de avançar a ministros que integram o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em razão das urnas eletrônicas.

Na quinta-feira, Bolsonaro afirmou que o Supremo cometeu “crime” ao conceder autonomia para governadores e prefeitos decidirem sobre ações de combate e medidas de restrição durante a pandemia.

Na quarta-feira, a Corte chegou a publicar um vídeo dizendo que “uma mentira contada mil vezes não vira verdade”, em que explica que, conforme decisão do plenário, União, estados e municípios têm “competência concorrente” para agir na pandemia ” .

Desde o ano passado, Bolsonaro repete que o STF tirou os poderes dele para combater os estragos causados ​​pelo coronavírus. Na realidade, o que o tribunal decidiu, em abril do ano passado, foi que estados e prefeituras também autonomia para tomar decisões relacionadas à Covid-19.

Bolsonaro se opôs a medidas que restringem a circulação de pessoas, recomendadas por especialistas para diminuir a proliferação do novo coronavírus. Ao longo da epidemia, ele também defende a utilização de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19.

Histórico
Esta não será a primeira vez que os recados serão passados ​​em um discurso de abertura de semestre do STF sob o governo Bolsonaro. Em fevereiro, Fux, criticou o negacionismo científico em relação à pandemia do novo coronavírus ao falar na abertura do ano judiciário.

“Não devemos ouvir vozes, inclusive, do âmbito do Poder Judiciário. Pessoas que abusam da liberdade de expressão para propagar o ódio, desprezo às vítimas e desprezo, através de um negacionismo científico, do problema grave que vivemos ”, disse Fux, em referência à pandemia.

“É tempo valorizarmos as vozes ponderadas, confiantes e criativas que laboram diuturnamente, nas esferas públicas e privadas, para juntos vencermos essa batalha”, concluiu.

Em fevereiro de 2020, o então presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, fez um discurso em defesa da harmonia entre os poderes da República e elogiou o papel do Legislativo na democracia brasileira.

“O Legislativo cuida do futuro, o Executivo cuida do presente, e o Judiciário cuida dos conflitos do passado já vivido”, disse Toffoli.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.