BUSCAR
BUSCAR
Vacina

Eficácia geral da Coronavac é de 50,38% de acordo com análise do Butantan

O número é inferior ao apresentado na semana passada pelo governo paulista, de 78%, pois, a taxa referia-se somente a um recorte do estudo: ao grupo de voluntários que manifestaram casos leves de covid
Estadão
12/01/2021 | 13:27

Após pressão de cientistas e jornalistas, o governo de São Paulo e o Instituto Butantan prometem anunciaram nesta terça-feira, 12, a taxa de eficácia geral da Coronavac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan. A taxa que considera a análise de todos os voluntários infectados pela covid é de 50,4%.

O número é inferior ao apresentado na semana passada pelo governo paulista, de 78%, pois, como o Estadão revelou, a taxa referia-se somente a um recorte do estudo: ao grupo de voluntários que manifestaram casos leves de covid, mas com necessidade de atendimento médico.

13105 CC55179CE3DD9DAA e1603224689561
A taxa que considera a análise de todos os voluntários infectados pela covid é de 50,4%. Foto: Diego Vara - 8.ago.2020/ Reuters

A taxa de eficácia geral é o principal indicador medido pelo estudo da Coronavac (o chamado desfecho primário), segundo protocolo da pesquisa. Embora inferior à primeira taxa divulgada, o índice de 50,4% não deve impedir a aprovação do imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que exige eficácia mínima de 50%.

Na quinta-feira passada, a gestão João Doria (PSDB) afirmou que o imunizante tem 78% de eficácia contra casos leves da doença e 100% contra os quadros graves e moderados. Mas, como o Estadão revelou no sábado, 9, os dados referem-se só a um recorte do estudo. A eficácia geral, principal indicador da pesquisa e que considera toda a amostra de voluntários, não foi revelada e deve ficar em patamar inferior, segundo disse à reportagem o infectologista Esper Kallas. Professor da USP, ele é coordenador do centro da pesquisa da Coronavac no Hospital das Clínicas.

“O que dá para dizer com os dados que temos é que a eficácia de 78% é para aqueles casos leves que precisaram de alguma intervenção médica, classificados como nível 3 na escala da Organização Mundial da Saúde, e a de 100% é para casos moderados e graves, classificados a partir do nível 4. Gostaríamos de ver os dados também para o nível 2, que são aqueles infectados que evoluíram bem em casa e não precisaram de atendimento médico”, disse Kallas. “Quando você amplia a definição de caso, ou seja, inclui todos os casos positivos independentemente da gravidade, aumenta a sensibilidade para identificar casos de covid-19, mas perde em especificidade. Quando forem incluídos os dados de pacientes nível 2, dilui um pouco mais a eficácia e ela deve ficar menor”, completou.

Logo após a coletiva, vários cientistas criticaram a falta de transparência do Butantan ao não divulgar a eficácia geral e outros detalhes dos testes clínicos. O número de casos de covid registrados em cada grupo do estudo (placebo e vacinado) só foi divulgado após questionamento do Estadão na coletiva de imprensa. Os dados informados pelo diretor do Butantan, Dimas Covas, após a pergunta apontam eficácia de 63% – calculada com base no registro de 218 casos de covid entre voluntários, sendo 160 no grupo que recebeu placebo e pouco menos de 60 entre os vacinados. 

Após as críticas, o governo anunciou que fará coletiva de imprensa hoje para apresentar tais dados. Segundo o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, os dados sobre eficácia geral da Coronavac estão em posse exclusiva do Butantan e da Anvisa. “As pessoas estão cobrando mais transparência, mas nem eu nem o governador sabemos qual é esse número.”

A opção do Butantan por divulgar só o dado estratificado e não a eficácia geral pode ter relação com uma divergência de entendimento entre o instituto e a farmacêutica chinesa Sinovac sobre o que seria considerado um caso confirmado de covid para inclusão na amostra de casos positivos a serem analisados.

O dado brasileiro diverge dos de outros países que também estão testando a Coronavac. Na Turquia, análise interina demonstrou eficácia de 91%. Na Indonésia, onde o imunizante teve uso emergencial aprovado ontem, ficou em 65,3%. Nos dois casos, a amostra de casos de covid entre voluntários foi bem inferior à do Butantan: de 30 casos analisados em cada país, ante cerca de 220 no Brasil.

Contradição. No sábado, a Anvisa cobrou dados mais detalhados do Butantã para avaliar o pedido de uso emergencial, submetido na sexta-feira. Ontem, em coletiva, governo e Butantan entraram em contradição quanto ao envio de dados. Gorinchteyn afirmou que os dados que a Anvisa disse faltar já tinham sido enviados no dossiê de 10 mil páginas submetido na sexta. Já a diretora do Butantan, Cintia Lucci, disse que informações complementares ainda estavam sendo enviadas. À tarde, em nota ao Estadão, o Butantã confirmou a fala de Cintia.

Doria voltou a cobrar urgência da Anvisa na análise, mesmo com as pendências de documentos. “Não é razoável que processos burocráticos, ainda que em nome da ciência, se sobreponham à vida.”

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 86 milhões
Veja as dezenas sorteadas: 19 - 25 - 37 - 45 - 47 – 53.
20/06/2024 às 21:41
Barroso e Mendonça trocam farpas em julgamento sobre drogas no STF; assista
Ministros discutiram após Barroso falar sobre preocupação do presidente da CNBB com julgamento da descriminalização do porte de drogas
20/06/2024 às 21:24
Barroso diz que STF não está decidindo sobre legalização da maconha
Supremo julga a constitucionalidade do Artigo 28 da Lei das Drogas (Lei 11.343/2006), que criou a figura do usuário
20/06/2024 às 16:24
Assembleia Legislativa do Ceará pega fogo
Pessoas que estavam no local precisaram sair correndo e prédio foi completamente evacuado
20/06/2024 às 13:22
STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas
Até agora, há maioria para descriminalizar o porte para uso pessoal
20/06/2024 às 11:24
‘Vai ter leilão, é compromisso de Lula’, diz ministro sobre compra de arroz pelo governo
O arroz importado seria vendido em pacotes de 5 quilos a um preço tabelado de R$ 20, com rótulo do governo
20/06/2024 às 08:07
Comissão aprova 2,4 mil horas obrigatórias para o Novo Ensino Médio
Colegiado da Educação do Senado aprovou mudanças no ensino do país e a inclusão do espanhol como disciplina obrigatória
19/06/2024 às 15:26
Cartão de crédito terá mudanças a partir de 1º de julho; confira novas regras
Depois do limite de juros, cartões terão portabilidade da dívida do crédito rotativo
19/06/2024 às 14:08
Viajante brasileira é barrada na recepção de hostel: “Tem mais de 40 anos”
Brasileira de 60 anos teve de deixar o local ao ser informada que o estabelecimento só aceitava hóspedes de até 40 anos
19/06/2024 às 13:45
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.