BUSCAR
BUSCAR
Economia
Desenrola Brasil pode perdoar dívidas de até R$ 100 a partir de julho
Uma das medidas que podem ser adotadas é o perdão de dívidas de até R$ 100 pelos credores interessados em participar do programa

06/06/2023 | 15:30

O programa Desenrola Brasil lançado nesta segunda-feira 5 pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tenta diminuir o número de endividados no país. Uma das medidas que podem ser adotadas é o perdão de dívidas de até R$ 100 pelos credores interessados em participar do programa.

O Desenrola Brasil terá duas faixas de renegociação de dívidas da pessoa física. Os contratos poderão ser firmados até 31 de dezembro de 2023 e os valores pagos não terão cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

O pagamento da dívida poderá ser à vista ou por financiamento bancário em até 60 meses, sem entrada, com juros de 1,99% ao mês. A primeira parcela será cobrada após 30 dias. A renegociação será pelo celular, e o pagamento poderá ser em débito, boleto ou Pix.

Para participar, é preciso estar com o nome no cadastro de inadimplentes. A faixa 1 será restrita ao cidadão que tenha dívidas de até R$ 5.000, cujo nome estava sujo em 31 de dezembro de 2022 e que receba até dois salários mínimos (R$ 2.640) ou esteja cadastrado no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal).

Já a faixa 2 será para pessoas com dívidas no banco, com possibilidade de renegociação direta com a instituição financeira. A expectativa do governo é começar o programa em julho e que mais de 70 milhões de pessoas possam ser beneficiadas.

A medida provisória 1.176, publicada nesta terça-feira 6 no Diário Oficial da União, traz as regras para participação no programa. Uma das condições para a entrada de credores é o perdão de “créditos de pequeno valor”. Na MP, não é mencionada a quantia, mas informações divulgadas pelo Ministério da Fazenda são de que dívidas de até R$ 100 “poderão ser desnegativadas”.

“A ideia é que ele [o credor] já tire o nome [do devedor] do SPC e do Serasa para se habilitar a participar do programa”, disse Haddad na segunda.

QUEM PODERÁ PARTICIPAR DO DESENROLA?

**Devedor:** pessoa física com nome em cadastro de inadimplente e que pode quitar os débitos com recursos próprios ou contratação de empréstimo

**Credor:** pessoa jurídica que incluiu o devedor no cadastro de inadimplente. É preciso solicitar a inclusão no programa e oferecer descontos nas dívidas e opção para excluir dívidas de “pequeno valor”. A quantia não é especificada na MP.

**Agente financeiro:** bancos ou instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central para realizar operações de créditos. Eles pagarão com recursos próprios os valores das dívidas e receberão garantia de pagamento da faixa 1 do FGO (Fundo de Garantia de Operações).

QUAIS SÃO AS REGRAS PARA ENTRAR NO PROGRAMA?

Na faixa 1 do programa serão aceitos os devedores que atendam as seguintes condições:

Ter o nome no cadastro de inadimplentes até 31 de dezembro de 2022;

Ter dívidas de até R$ 5.000;

Renda mensal de até dois salários mínimos (R$ 2.640) ou que tenha inscrição no CadÚnico;

Dívidas têm de ser de natureza privada;

Não entram no programa financiamento imobiliário, crédito rural e outras operações;

Devedores serão incentivados a realizar curso de educação financeira.

A faixa 2 do Desenrola Brasil será voltada apenas a quem tem dívidas com bancos, que oferecerão renegociação direta aos clientes. Em contrapartida aos descontos nas dívidas, o governo oferecerá incentivo regulatório para aumentar a oferta de crédito, mas não haverá a garantia do FGO.

Nas duas faixas, os valores negociados por meio do Desenrola Brasil não terão a cobrança de IOF.

COMO VAI FUNCIONAR?

Segundo a Fazenda, a adesão será por celular, em plataforma que ainda está sendo desenvolvida. Além disso, o pagamento da renegociação poderá ser à vista ou parcelado em até 60 vezes, com juros de 1,99% ao mês.

A primeira parcela deverá ser paga em até 30 dias e os valores serão quitados por Pix, débito ou boleto. A plataforma de negociação que será lançada terá informações como lista de dívidas que podem ser negociadas, desconto oferecido pelo credor e a situação de cada uma das dívidas.

Antes, porém, haverá a adesão dos credores. Em seguida, será feito um leilão por categoria de crédito (por exemplo: dívidas bancárias, dívidas de serviços básicos e dívidas de companhia), sendo que o vencedor será o credor que oferecer o maior desconto para a dívida a ser renegociada. Ficará fora do programa quem propor descontos menores.

As regras para participação do leilão e o seu edital ainda serão divulgadas pelo Ministério da Fazenda.

Após o leilão, será feito o processo de inclusão dos devedores no programa e, por fim, haverá o período de renegociação da dívida entre o devedor e o banco que foi escolhido pela pessoa inadimplente. O devedor pagará ao banco, que repassará o valor ao credor.

FEBRABAN APROVA; EDUCADOR FINANCEIRO FAZ ALERTA

Em nota, a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) afirma ter participado das negociações com o governo federal e diz que o programa é uma forma de garantir crédito futuro a quem estava endividado.

“A Febraban acredita que o programa Desenrola tem potencial para que o crédito possa continuar a ser concedido de forma segura e dentro das necessidades dos tomadores”, diz o presidente da entidade, Isaac Sidney.

Em relação à plataforma a ser criada, a federação explica que a ferramenta está em fase final de desenvolvimento. “Exige uma plataforma pela qual transitará grande quantidade de informações e documentos. Esta complexidade exige soluções tecnológicas e digitais de grande porte, que estão em fase final de desenvolvimento e não dependem apenas de iniciativas dos bancos”, destaca.

Já o presidente da Abefin (Associação Brasileira de Profissionais de Educação Financeira), Reinaldo Domingos, alerta para a necessidade de incluir o aprendizado de educação financeira para a população. “Ao não ter um suporte educacional, esse projeto tende a fazer com que os acordos não sejam cumpridos pelos brasileiros ou que novos descontroles ocorram no decorrer do tempo”, avalia.

Em sua análise, as pessoas que tomarão empréstimos podem voltar a ter problemas com dívidas no futuro. “É claro que apenas ações de renegociação de dívidas não surtem um efeito efetivo a médio e longo prazo. As pessoas resolvem o problema momentâneo e voltam a se endividarem”, diz.

FERNANDO NARAZAKI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Mega-Sena acumula pela sétima vez e prêmio chega a R$ 66 milhões
Com acumulo, o prêmio da faixa principal para o próximo sorteio, na terça-feira 16, está estimado em R$ 66 milhões
14/04/2024 às 14:18
Bancos promovem mutirão de negociação financeira até esta segunda; confira
Entre as dívidas alvo do mutirão, estão aquelas relacionadas a cartão de crédito, cheque especial, empréstimo pessoal e demais modalidades de crédito contratadas em bancos e financeiras.
14/04/2024 às 14:12
Investidores na Bolsa de Valores crescem 700%, apontando democratização
Especialista destaca impacto pós-pandemia e papel da internet na transformação do mercado financeiro
13/04/2024 às 17:27
MD alcança R$ 347 milhões em lançamentos e R$ 372 milhões em vendas no 1º trimestre de 2024
Incorporadora com mais de quatro décadas de atuação no Nordeste, a Moura Dubeux apresenta crescimento expressivo no mercado imobiliário
12/04/2024 às 19:06
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.