BUSCAR
BUSCAR
Saúde

Demanda psiquiátrica aumenta pós-pandemia e sobrecarrega CAPS em Natal

CAPS III Leste tem média mensal de 450 atendimentos de pessoas com transtornos graves
Nathallya Macedo
13/10/2023 | 01:00

É inegável: a pandemia impactou a saúde mental da população através da alta de fatores de risco, como desemprego, insegurança financeira e luto. Apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter declarado, em maio deste ano, o fim da emergência de saúde pública provocada pela Covid-19, efeitos indiretos continuam existindo.

Dados da própria OMS, divulgados em 2022, apontam que casos de depressão e ansiedade aumentaram 25% logo após o surgimento da Covid-19.

Unidade de atenção psicossocial oferece consultas com médicos pisiquiatras, psicólogos e assistentes sociais, além de grupos e oficinas terapêuticas. Foto: José Aldenir / Agora RN
Unidade de atenção psicossocial oferece consultas com médicos pisiquiatras, psicólogos e assistentes sociais, além de grupos e oficinas terapêuticas. Foto: José Aldenir / Agora RN

Cenário esse que não é diferente em Natal. A capital potiguar conta com cinco centros psicossociais especializados em saúde mental, os chamados CAPS. A reportagem do AGORA RN visitou um deles, o CAPS III Leste, localizado na Rua Mipibu, e apurou que os atendimentos aumentaram consideravelmente pós-pandemia.

Diretora da unidade, Albertina Bessa afirmou que assim que o trabalho presencial foi retomado, percebeu que houve um aumento importante de procura por atendimento. “Até porque algumas pessoas já vinham apresentando algum tipo de problema, por exemplo, tinham predisposição para desenvolver algum transtorno, esse momento da pandemia foi um gatilho”, afirmou.

De acordo com a agente administrativa Georgia Carvalho, a média mensal é de 450 atendimentos na unidade. “A procura por atendimentos de saúde mental aumentou consideravelmente depois da pandemia, até porque muitas pessoas não possuem plano de saúde, então recorrem ao SUS. Estamos abarrotados”, observou ela. Na unidade, são acolhidos usuários com transtornos graves, severos e recorrentes.

Conforme informou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o CAPS III Leste fez 13.857 atendimentos entre janeiro e setembro deste ano, número que reflete consultas psiquiátricas, grupos operativos em saúde mental, matriciamento, acolhimento, oficinas terapêuticas, escuta individual e coletiva da psicologia.

Na unidade, trabalham cinco médicos psiquiatras, três psicólogos e dois assistentes sociais, além de um grupo de enfermeiros para os 10 leitos existentes no CAPS. O número de profissionais, no entanto, não é suficiente para atender a demanda reprimida da pandemia, conforme informações obtidas pela reportagem.

Ao todo, são cinco CAPS em Natal, divididos da seguinte forma: CAPS III Leste (atende público adulto das zonas Leste e Sul, que não faz uso de substâncias); CAPS AD Leste (atende público adulto que mora nas regiões Leste, Sul e Oeste, que faz uso de substâncias); CAPS AD Norte (atende público adulto da Zona Norte, que faz uso de substâncias); CAPS Oeste (atende público adulto das zonas Norte e Oeste, que não faz uso de substâncias), e o CAPS Infantojuvenil.

Um dos problemas que o CAPS III Leste enfrenta é a divisão territorial para atendimento. Mesmo que o acolhimento seja “porta aberta”, é necessário realizar uma triagem. “Enfrentamos o problema da divisão de territórios, pois muitos profissionais acabam indicando as pessoas para cá e nós precisamos falar para o usuário que não é aqui, justamente por causa da cobertura de bairros”, explicou a diretora Albertina Bessa.

Além dos CAPS, a gestão municipal disponibiliza atendimento no Ambulatório de Prevenção e Tratamento de Tabagismo, Alcoolismo e outras drogadições (APTAD), que fica localizado em Pirangi. Em casos de atendimento para crises de emergências psiquiátricas, o indicado é procurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) mais próxima.

Mudança do CAPS

O CAPS III Leste deverá mudar de endereço em breve. “A nossa casa atual, na Mipibu, é alugada. A Prefeitura do Natal adquiriu uma casa no bairro de Santos Reis e está realizando uma reforma para nos mudarmos, o que deve acontecer nos próximos meses”, disse Albertina Bessa.

Seguro obrigatório voltará a ser pago em 2025
Nova taxa prevê pagamento de serviços médicos a vítimas de acidentes
17/05/2024 às 14:58
Analfabetismo cai, mas 11,4 milhões ainda não sabem ler e escrever no Brasil, diz IBGE
Em 13 anos, taxa teve uma redução de 2,6 pontos percentuais, caindo de 9,6% para 7%
17/05/2024 às 14:43
Após tratamento para erisipela, Bolsonaro tem alta de hospital
Ex-presidente estava internado no Hospital Vila Nova Star, São Paulo
17/05/2024 às 13:04
Caixa começa a pagar Bolsa Família de maio
Pagamento no Rio Grande do Sul é unificado
17/05/2024 às 12:08
Lula sanciona volta da cobrança do seguro Dpvat, mas veta multa por não pagamento
Presidente vetou os artigos que estabeleciam multa pela falta de pagamento do Seguro Obrigatório
17/05/2024 às 12:00
Judiciário repassa R$ 130 milhões para Defesa Civil gaúcha
Tribunal de Contas deverá fiscalizar aplicação dos recursos
16/05/2024 às 16:48
Android terá ‘modo ladrão’ que bloqueia tela do celular caso alguém o arranque de sua mão
Novidade poderá bloquear a tela do celular ao identificar que alguém arrancou o aparelho de sua mão abruptamente
16/05/2024 às 15:41
Primeiro lote de restituição do IR vai pagar mais de R$ 1 bilhão para contribuintes do RS
Segundo a Receita Federal, medida vai beneficiar cerca de 900 mil gaúchos
16/05/2024 às 14:00
Brasil vai desenvolver cultivo de alimentos no espaço
Tecnologias deverão ser desenvolvidas pela Embrapa
15/05/2024 às 15:48
Petrobras perde R$ 35,3 bilhões em apenas uma manhã
Ações da empresa operam forte em queda após saída de Jean Paul
15/05/2024 às 14:51
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.