BUSCAR
BUSCAR
Medida

Defensoria entra com pedido para anular decisão que mantém Enem neste domingo

De acordo com a Defensoria, reportagens sobre a realização do Enem trouxeram inúmeros relatos de que a ocupação de muitas das salas será bem superior aos 50% da capacidade
Estadão
16/01/2021 | 14:17

A Defensoria Pública da União entrou neste sábado, 16, com um pedido de anulação da decisão que manteve as datas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – marcado para domingo, 17, e dia 24. De acordo com a Defensoria, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão responsável pela realização das provas, não teria como garantir o cumprimento dos protocolos sanitários criados por eles mesmos e “ainda induziram a Justiça Federal da 3ª Região a erro, prestando informações inverídicas que vieram a subsidiar as decisões de indeferimento dos pedidos de adiamento, em 1ª e 2ª instância”.

Ainda de acordo com a Defensoria, reportagens sobre a realização do Enem trouxeram inúmeros relatos de que a ocupação de muitas das salas será bem superior aos 50% da capacidade, percentual com que o próprio Inep havia se comprometido. “Na maioria desses casos, a ocupação é de cerca de 80%, muito acima de um número prometido. Esperamos que a decisão seja revertida ou fundamentada de outro modo”, disse ao Estadão o defensor João Paulo Dorini.

Defensoria entra com pedido para anular decisão que mantém enem neste domingo
A Defensoria vem contestando o cronograma do Enem desde a publicação do seu edital, em março. Foto: Agência Brasil

Aplicadores do Enem relataram planos de ocupação superior a 30 estudantes nas salas onde a prova será realizada neste domingo, 17. Um dos comunicados aos quais o Estadão teve acesso, por exemplo, inclui a previsão de alocar em uma escola 32 candidatos em espaços com capacidade para 40 alunos – redução abaixo do patamar de 50% prometido pelo Inep, órgão do Ministério da Educação (MEC).

A Defensoria vem contestando o cronograma do Enem desde a publicação do seu edital, em março. No início, a contestação foi baseada no argumento de desigualdade educacional e na falta de meios para que a maioria dos alunos pudesse realizar a prova em igualdade de condições.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
CCJ aprova incluir na Constituição criminalização do porte de drogas
PEC foi aprovada na Câmara por 47 votos favoráveis e 17 contrários
12/06/2024 às 16:14
Taxação de importação até US$ 50 e Projeto Mover vão à sanção
PL 914/24 foi aprovado na Câmara por 380 votos contra 26
12/06/2024 às 11:30
Setor de serviços cresce 0,5% de março para abril no país, revela IBGE
É a segunda alta consecutiva do indicador
12/06/2024 às 10:31
Servidores do Inmet anunciam paralisação a partir de sábado 15; entenda as reivindicações
Serviços como previsão do tempo, monitoramento do tempo e emissão de avisos de meteorológicos estarão suspensos.
12/06/2024 às 10:06
Inquérito da PF conclui, novamente, que Adélio Bispo agiu sozinho ao atacar Bolsonaro
A conclusão foi exposta, em nota, pela corporação após novas investigações do caso
12/06/2024 às 08:42
Câmara acelera PL que permite suspender mandato de “brigões”
As medidas incluem a suspensão do mandato por até seis meses
12/06/2024 às 08:38
PIX deverá ter opção de pagamento por aproximação de celular, diz presidente do Banco Central
Roberto Campos Neto também defende diálogo entre países para que se avance em uma integração global de sistemas
12/06/2024 às 08:33
Nattan se machuca após se jogar na plateia durante show; veja vídeo
Show do cantor registrou o maior público da história do São João de Campina Grande
11/06/2024 às 15:23
Ensino médio pode ter maior carga horária, prevê relatório de senadora
Texto sugere, ainda, ensino da língua espanhola
11/06/2024 às 14:52
Revalida: inscrições para provas de habilidades clínicas terminam hoje
Testes serão aplicados nos dias 20 e 21 de julho
11/06/2024 às 12:42
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.