BUSCAR
BUSCAR
Petição

Defensoria da União entra com ação contra Magalu por ‘marketing de lacração’ com trainee para negros

Autor da petição, o defensor Jovino Bento Júnior diz que a medida não é necessária e viola direitos de milhões de trabalhadores; processo cobra da varejista R$ 10 milhões de indenização por danos morais coletivos
Estadão
06/10/2020 | 10:53

A Defensoria Pública da União entrou com uma ação civil pública na Justiça do Trabalho contra o que chamou de “marketing de lacração” da Magazine Luiza por abrir um programa de trainees exclusivo para negros.

Para o autor da petição, o defensor Jovino Bento Júnior, embora a inclusão social de negros e qualquer outro grupo seja desejável, o programa em questão “não é medida necessária – pois existem outras e estão disponíveis para se atingir o mesmo objetivo -, e nem possui proporcionalidade estrita – já que haveria imensa desproporção entre o bônus esperado e o ônus da medida, a ser arcado por milhões de trabalhadores”.

1600736152159
Magalu anunciou em setembro que aceitará apenas negros em próximo programa de trainee. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

“O anúncio para o programa de trainee exclusivo para candidatos autodeclarados negros é certamente uma estratégia de marketing empresarial“, diz a ação. “Trata-se de fenômeno amplamente difundido hodiernamente, sendo que os profissionais que trabalham com publicidade, propaganda e marketing já possuem até mesmo um nome técnico para ele: Marketing de Lacração.”

O processo está cobrando da rede varejista R$ 10 milhões de indenização por danos morais coletivos pela “violação de direitos de milhões de trabalhadores (discriminação por motivos de raça ou cor, inviabilizando o acesso ao mercado de trabalho)”.

Ainda segundo o defensor, o “formato do programa se revela ilegal, sendo a presente, pois, para buscar a sua conformação com a legislação, compatibilizando-o com os direitos dos trabalhadores de acesso ao mercado de trabalho e de não serem discriminados […] isso não pode ocorrer às custas do atropelo dos direitos sociais dos demais trabalhadores, que também dependem da venda de sua força de trabalho para manter a si mesmos e às respectivas famílias”.

O Ministério Público do Trabalho em São Paulo indeferiu uma série de denúncias recebidas contra o Magazine Luiza por suposta discriminação no seu programa de trainees. Para o MPT, não houve violação trabalhista na decisão da empresa, mas sim uma ação afirmativa de reparação histórica. Dias após o anúncio da empresa, foram recebidas 11 denúncias em que a varejista é acusada de promover “prática de racismo”, uma vez que, nas palavras de um dos denunciantes, “impede que pessoas que não tenham o tom de pele desejado pela empresa” participem do processo seletivo.

Na segunda-feira, 5, a empresária Luiza Trajano, dona da rede Magazine Luiza, declarou em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, que descobriu em sua empresa poucos executivos negros em altos cargos e, por isso, optou pelo programa de trainee exclusivo a pessoas negras: “O racismo estrutural está inconsciente nas pessoas”. “Temos que entender mais o que é racismo estrutural. O dia que entendi até chorei, porque sempre achei que não era racista até entender o racismo estrutural”, declarou ela.

A empresária afirmou que, mesmo cobrando maior seleção de pessoas negras em seus processos, recebia pouco retorno quando buscava pessoas para altos cargos. “Como podemos colocar mais negros se eles não aparecem? O ponto de partida já é desigual”, disse, observando o impacto da desigualdade racial desde a educação básica.

Segundo Luiza, não se trata de “oba oba” e que a ideia passou por um comitê antes de ser divulgada. O intuito do programa é oferecer 20 vagas para pessoas de todo o país, com orientações para que o RH receba currículos sem a obrigatoriedade de saber falar inglês, por exemplo.

O processo também é aberto a funcionários negros que já atuam na empresa. “Tem muitos entrando e ajudando a fazer o programa”, disse ela. Com o trainee, ela declarou que diversas pessoas serão capacitadas para cargos de gerência.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Barroso e Mendonça trocam farpas em julgamento sobre drogas no STF; assista
Ministros discutiram após Barroso falar sobre preocupação do presidente da CNBB com julgamento da descriminalização do porte de drogas
20/06/2024 às 21:24
Barroso diz que STF não está decidindo sobre legalização da maconha
Supremo julga a constitucionalidade do Artigo 28 da Lei das Drogas (Lei 11.343/2006), que criou a figura do usuário
20/06/2024 às 16:24
Assembleia Legislativa do Ceará pega fogo
Pessoas que estavam no local precisaram sair correndo e prédio foi completamente evacuado
20/06/2024 às 13:22
STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas
Até agora, há maioria para descriminalizar o porte para uso pessoal
20/06/2024 às 11:24
‘Vai ter leilão, é compromisso de Lula’, diz ministro sobre compra de arroz pelo governo
O arroz importado seria vendido em pacotes de 5 quilos a um preço tabelado de R$ 20, com rótulo do governo
20/06/2024 às 08:07
Comissão aprova 2,4 mil horas obrigatórias para o Novo Ensino Médio
Colegiado da Educação do Senado aprovou mudanças no ensino do país e a inclusão do espanhol como disciplina obrigatória
19/06/2024 às 15:26
Cartão de crédito terá mudanças a partir de 1º de julho; confira novas regras
Depois do limite de juros, cartões terão portabilidade da dívida do crédito rotativo
19/06/2024 às 14:08
Viajante brasileira é barrada na recepção de hostel: “Tem mais de 40 anos”
Brasileira de 60 anos teve de deixar o local ao ser informada que o estabelecimento só aceitava hóspedes de até 40 anos
19/06/2024 às 13:45
Ministro do Turismo diz que PEC das Praias tem pontos positivos
Para ele, venda de terrenos elevaria arrecadação e investimentos
19/06/2024 às 13:25
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.