BUSCAR
BUSCAR
Apuração
CPI avança na identificação de propagadores de fake news durante a pandemia
Senadores buscaram auxílio da Polícia Federal para encontrar e responsabilizar pessoas por trás de rede de desinformação, que atuou contra medidas sanitárias
O Globo
05/07/2021 | 12:25

Concentrada nas últimas semanas na apuração de irregularidades na compra de vacinas, a cúpula da CPI da Covid avança, sem alarde, sobre outra linha de investigação que preocupa o Palácio do Planalto: a identificação e responsabilização de aliados do presidente Jair Bolsonaro que teriam disseminado notícias falsas na pandemia, como o desestímulo ao uso de máscara e o incentivo ao tratamento com medicamentos ineficazes, como a cloroquina.

Até agora, oito pessoas próximas ao presidente e ao seu entorno tiveram os sigilos telefônico e telemático quebrados pela comissão. Além disso, a CPI requisitou às empresas responsáveis por redes sociais o conteúdo já publicado nas contas ligadas ao grupo, para evitar que provas sejam apagadas.

Dessa forma, a cúpula da CPI pretende mapear quem está por trás da propagação de notícias falsas e qual a relação dos suspeitos com o governo. O principal alvo é o chamado “gabinete do ódio”, grupo que seria ligado ao presidente e ao seu filho Carlos Bolsonaro, vereador do Rio de Janeiro pelo Republicanos e apontado como o responsável informal pela comunicação digital do governo.

Manifestante se veste de morte com a cara do presidente Jair Bolsonaro, com cartaz contra o presidente da Câmara, Arthur Lira Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestante se veste de morte com a cara do presidente Jair Bolsonaro, com cartaz contra o presidente da Câmara, Arthur Lira Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestantes seguram faixa pedindo saída de Bolsonaro da Presidência em protesto no Centro do Rio Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS
Manifestantes seguram faixa pedindo saída de Bolsonaro da Presidência em protesto no Centro do Rio Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS
Milhares de manifestantes voltaram às ruas neste sábado para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Milhares de manifestantes voltaram às ruas neste sábado para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Atos contra o presidente são registrados em todos os estados brasileiros e no exterior em meio a desgaste do governo após denúncias de corrupção e propina em negociações por vacinas Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Atos contra o presidente são registrados em todos os estados brasileiros e no exterior em meio a desgaste do governo após denúncias de corrupção e propina em negociações por vacinas Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Homem exibe um cartaz com a frase
Homem exibe um cartaz com a frase “Bolsonaro me vendeu” durante um protesto, no Rio que reivindica o impeachment do presidente Jair Bolsonaro Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS
Manifestante com fantasia de jacaré participa de ato contra o governo Bolsonaro no centro do Rio Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestante com fantasia de jacaré participa de ato contra o governo Bolsonaro no centro do Rio Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestante usa máscara de proteção com a frase
Manifestante usa máscara de proteção com a frase “fora, Bolsonaro” Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Homem usando máscara de proteção e escudo facial protesta contra o presidente Bolsonaro, no Centro do Rio Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Homem usando máscara de proteção e escudo facial protesta contra o presidente Bolsonaro, no Centro do Rio Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestante pede impeatchment em cartaz em referência ao escândalo da compra da Covaxin, denunciada por um servidor público de carreira e alvo da CPI Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestante pede impeatchment em cartaz em referência ao escândalo da compra da Covaxin, denunciada por um servidor público de carreira e alvo da CPI Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manivestante segura bandeira arco-íris durante protesto contra o governo Bolsonaro no Centro do Rio Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manivestante segura bandeira arco-íris durante protesto contra o governo Bolsonaro no Centro do Rio Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
No Rio, o protesto ganhou novas cores com a presença de bandeiras do Brasil e da comunidade LGBTQIAP+ Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
No Rio, o protesto ganhou novas cores com a presença de bandeiras do Brasil e da comunidade LGBTQIAP+ Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Atos transcorrem em meio a um desgaste do governo diante de denúncias de corrupção Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Atos transcorrem em meio a um desgaste do governo diante de denúncias de corrupção Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
620x372x93727488 RI Rio de Janeiro RJ 03 07 2021 PANDEMIA CORONAVIRUSAto em manifestacao contra o governo.jpg.pagespeed.ic.5cIFUDw9ma
“A ciência derruba mintos”, diz cartaz de manifestantes no Rio Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Avenida Presidente Vargas, no centro do Rio, ficou tomada de manifestantes durante ato que pede o impeachment do presidente Bolsonaro Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Avenida Presidente Vargas, no centro do Rio, ficou tomada de manifestantes durante ato que pede o impeachment do presidente Bolsonaro Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestantes marcham pelo Centro do Rio para pedir impeachment de Jair Bolsonaro Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestantes marcham pelo Centro do Rio para pedir impeachment de Jair Bolsonaro Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Ato contra o governo Bolsonaro ocupa as ruas do Centro do Rio neste sábado Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Ato contra o governo Bolsonaro ocupa as ruas do Centro do Rio neste sábado Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Manifestante se deita sobre cartazes pedindo a saída de Bolsonaro da presidenência durante ato no Rio de Janeiro Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS
Manifestante se deita sobre cartazes pedindo a saída de Bolsonaro da presidenência durante ato no Rio de Janeiro Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS
Pessoas participam de um protesto contra o presidente Jair Bolsonaro, em São Paulo Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Pessoas participam de um protesto contra o presidente Jair Bolsonaro, em São Paulo Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Uma faixa com a frase
Uma faixa com a frase “Pessoas acima do lucro” é exibida durante ato na Avenida Paulista, em São Paulo Foto: CARLA CARNIEL / REUTERS
Em São Paulo, atos ganharam a adesão de grupos de centro e direita, com representantes do PSDB, PSL e do movimento liberal Livres Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Em São Paulo, atos ganharam a adesão de grupos de centro e direita, com representantes do PSDB, PSL e do movimento liberal Livres Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Manifestação em São Paulo começou pouco depois das 15h, com concentração na Avenida Paulista, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), tradicional palco de protestos da capital paulista Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Manifestação em São Paulo começou pouco depois das 15h, com concentração na Avenida Paulista, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), tradicional palco de protestos da capital paulista Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Pessoas seguram um boneco de papelão do presidente Jair Bolsonaro durante protesto em São Paulo Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Pessoas seguram um boneco de papelão do presidente Jair Bolsonaro durante protesto em São Paulo Foto: MARIANA GREIF / REUTERS
Mulher participa de protesto contra o governo de Jair Bolsonaro, em São Paulo Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP
Mulher participa de protesto contra o governo de Jair Bolsonaro, em São Paulo Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP
Em Belém, no Pará, manifestantes pedem impeachment de Bolsonaro durante ato na Praça da República Foto: Filipe Bispo/Fotoarena / Agência O Globo
Em Belém, no Pará, manifestantes pedem impeachment de Bolsonaro durante ato na Praça da República Foto: Filipe Bispo/Fotoarena / Agência O Globo
Em Sorocaba, São Paulo, manifestantes pediram por vacinas contra a Covid-19 Foto: Witter Veloso / TV TEM
Em Sorocaba, São Paulo, manifestantes pediram por vacinas contra a Covid-19 Foto: Witter Veloso / TV TEM
Manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro, em Florianópolis, teve início às 9h30 deste sábado. Protesto se concentrou na Praça Tancredo Neves, no Centro, e depois percorreu as ruas do centro da capital de Santa Catarina Foto: Gabriel Schlickmann/iShoot / Agência O Globo
Manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro, em Florianópolis, teve início às 9h30 deste sábado. Protesto se concentrou na Praça Tancredo Neves, no Centro, e depois percorreu as ruas do centro da capital de Santa Catarina Foto: Gabriel Schlickmann/iShoot / Agência O Globo
Um grupo de manifestantes queimou pneus no Elevado Dona Helena Greco, no Centro de Belo Horizonte, em Minas Gerais, durante ato contra o governo Bolsonaro Foto:  
Um grupo de manifestantes queimou pneus no Elevado Dona Helena Greco, no Centro de Belo Horizonte, em Minas Gerais, durante ato contra o governo Bolsonaro Foto:
Em Goiânia, manifestantes pediram por mais vacina e a volta do auxílio emergencial no valor de R$ 600 Foto: Reprodução/Zé Washington / TV Anhanguera
Em Goiânia, manifestantes pediram por mais vacina e a volta do auxílio emergencial no valor de R$ 600 Foto: Reprodução/Zé Washington / TV Anhanguera
Em Barcelona, Espanha, manifestantes demonstram apoio aos protestos contra o governo no Brasil Foto: NACHO DOCE / REUTERS
Em Barcelona, Espanha, manifestantes demonstram apoio aos protestos contra o governo no Brasil Foto: NACHO DOCE / REUTERS

Três assessores do Planalto apontados como parte desse gabinete tiveram seus sigilos quebrados pela comissão: Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes e Mateus Matos Diniz.

Também foram alvos das quebras nomes como o assessor Carlos Eduardo Guimarães, do gabinete do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e o blogueiro Allan dos Santos, alvo do inquérito dos atos antidemocráticos do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é suspeito de incentivar o uso das Forças Armadas contra os Poderes, o que é inconstitucional.

Quatro etapas

A cúpula da CPI tem dividido as investigações relacionadas a notícias falsas em quatro etapas. Depois do gabinete do ódio, entrarão na mira influenciadores digitais — os internautas com grande quantidade de seguidores — que estimularam fake news sobre a Covid-19.

Até o momento, a CPI identificou 13 influenciadores que teriam esse perfil, dentre eles Olavo de Carvalho, apontado como guru ideológico do bolsonarismo. Em terceiro lugar serão identificadas mídias que tenham propagado notícias falsas. E, por fim, entrarão na mira cerca de 70 perfis falsos ou anônimos.

Depois dessa análise, a comissão planeja solicitar a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos suspeitos para rastrear quem financiava essas redes e como lucraram com a disseminação de conteúdos falsos. Documentos obtidos pela CPI da Covid, já revelados pelo GLOBO, mostram que propagadores de fake news durante a pandemia lucraram cerca R$ 230 mil.

— Temos uma oportunidade única para avançar em direção ao gabinete do ódio. Estamos continuando a investigação a partir do que foi coletado pela CPMI (das Fake News) e pelo próprio Supremo. Lembrando que a disseminação de fake news que será investigada na CPI é coincidente com o período da pandemia — diz o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão.

Aliados de Bolsonaro estão na mira da CPI por conta de desinformação na pandemia Foto: Editoria de Arte
Aliados de Bolsonaro estão na mira da CPI por conta de desinformação na pandemia Foto: Editoria de Arte

Em entrevista ao GLOBO, o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, reforçou a nova linha de investigação do colegiado:

— Além da vacina, agora estamos com uma assessoria boa para a questão das fake news, o nosso quarto foco.

Para auxiliar nessa linha de apuração, a comissão solicitou o reforço de um delegado da Polícia Federal que atuou na CPMI das Fake News. Além disso, a CPI da Covid pedirá à Polícia Civil do Distrito Federal a cessão de um sistema eletrônico que permite rastrear os donos de redes sociais sem identificação e verificar com quais pessoas eles se comunicaram pela internet. O objetivo é mapear quem estaria arregimentando um exército de robôs que espalham notícias falsas e atacam instituições.

Proposta de lei

O relator da CPI pretende propor, em seu relatório final, uma lei que faça exigências para a criação de um perfil em redes sociais. Uma possibilidade é a obrigatoriedade de atrelar um CPF à conta criada, para facilitar a identificação e a responsabilização do usuário, reduzindo assim o número de perfis falsos e de robôs.

O senador Flávio Bolsonaro (Patritota-RJ) critica a iniciativa da CPI.

— A CPI está querendo criminalizar a opinião das pessoas, cercear a liberdade de opinião. Quem decide o que é fake news? Quem pode dizer se o vírus surgiu na China ou não surgiu? É correto dizer que, se uma pessoa recomendar o tratamento da doença no início, estará estimulando o genocídio? É muito subjetivo o controle do que é fake news. As pessoas que tiveram o sigilo quebrado estão sendo usadas como instrumento para atacar Bolsonaro — avaliou o filho mais velho do presidente.

Órgãos estratégicos do governo na mira

Três órgãos do governo estão na mira da CPI em relação a fake news na pandemia: o Ministério da Saúde, a Secretaria de Comunicação e a Fundação Alexande Gusmão (Funag), subordinada ao Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Durante a gestão do ex-ministro Ernesto Araújo, a Funag contratou palestrantes e também divulgou vídeos, em suas redes sociais, de pessoas que pregavam contra o uso de máscara e a favor do tratamento precoce. Em uma das publicações, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirma que a pandemia “virou um laboratório para o globalismo” e que “as medidas tomadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) foram direcionadas para contrariar o presidente Donald Trump”.

Depois de negar suspeitas de integrar o 'gabinete paralelo', o empresário Carlos Wizard se negou a responder perguntas dos senadores na CPI e permaneceu em silêncio, amparado por decisão do STF Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 30/06/2021
Depois de negar suspeitas de integrar o ‘gabinete paralelo’, o empresário Carlos Wizard se negou a responder perguntas dos senadores na CPI e permaneceu em silêncio, amparado por decisão do STF Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 30/06/2021
Empresário Carlos Wizard chega para depor à CPI da Covid com placa alusiva a uma passagem bíblica. Ele será questionado sobre o incentivo à propagação de notícias falsas e medicamentos sem eficácia comprovada, como a hidroxicloroquina, além da interferência nas tratativas da compra de vacina, através do chamado 'gabinete paralelo' Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 30/06/2021
Empresário Carlos Wizard chega para depor à CPI da Covid com placa alusiva a uma passagem bíblica. Ele será questionado sobre o incentivo à propagação de notícias falsas e medicamentos sem eficácia comprovada, como a hidroxicloroquina, além da interferência nas tratativas da compra de vacina, através do chamado ‘gabinete paralelo’ Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 30/06/2021
Deputado estadual Fausto Vieira dos Santos Junior (PRTB-AM) ataca presidente da CPI, o senador Omar Aziz (MDB-AM), que responde falando em prisão do adversário Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado
Deputado estadual Fausto Vieira dos Santos Junior (PRTB-AM) ataca presidente da CPI, o senador Omar Aziz (MDB-AM), que responde falando em prisão do adversário Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado
Os senadores do grupo que reúne a maioria dos senadores na CPI da Covid saíram do depoimento dos irmãos Miranda sobre suspeitas de corrupção no contrato da Covaxin com uma certeza: diante dos novos fatos e linhas de investigação, será inevitável prorrogar a CPI Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
Os senadores do grupo que reúne a maioria dos senadores na CPI da Covid saíram do depoimento dos irmãos Miranda sobre suspeitas de corrupção no contrato da Covaxin com uma certeza: diante dos novos fatos e linhas de investigação, será inevitável prorrogar a CPI Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
Deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) chega à CPI da Covid usando colete à prova de balas para depor. Ele é irmão de Luis Ricardo Miranda, o servidor público que denunciou irregularidades na compra da vacina indiana Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 25/06/2021
Deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) chega à CPI da Covid usando colete à prova de balas para depor. Ele é irmão de Luis Ricardo Miranda, o servidor público que denunciou irregularidades na compra da vacina indiana Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 25/06/2021
A cúpula da CPI da Covid pediu na manhã desta quinta-feira que seja dada proteção policial ao servidor Luis Ricardo Miranda, que trabalha na área de importação do Ministério da Saúde, e a seu irmão, o deputado Luis Miranda (DEM-DF), para depoimento à CPI marcado para sexta-feira (24) Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado
A cúpula da CPI da Covid pediu na manhã desta quinta-feira que seja dada proteção policial ao servidor Luis Ricardo Miranda, que trabalha na área de importação do Ministério da Saúde, e a seu irmão, o deputado Luis Miranda (DEM-DF), para depoimento à CPI marcado para sexta-feira (24) Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado
Contraditório. Deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), tido como chefe do 'gabinete paralelo', defendeu teses de que 'lockdown' e quarentena não têm impacto no controle da pandemia, apesar de citar a China como exemplo de país que reduziu números de casos sem vacina – omitindo justamente o isolamento rigoroso adotado pelos chineses Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
Contraditório. Deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), tido como chefe do ‘gabinete paralelo’, defendeu teses de que ‘lockdown’ e quarentena não têm impacto no controle da pandemia, apesar de citar a China como exemplo de país que reduziu números de casos sem vacina – omitindo justamente o isolamento rigoroso adotado pelos chineses Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
Senadores prestam minuto de silêncio pelas mais de 500 mil vidas perdidas para a pandemia, na primeira sessão da CPI da Covid depois de os números oficiais ultrapassarem a trágica marca de meio milhão de mortos Foto: Edilson Rodrigues / Edilson Rodrigues/Agência Senad
Senadores prestam minuto de silêncio pelas mais de 500 mil vidas perdidas para a pandemia, na primeira sessão da CPI da Covid depois de os números oficiais ultrapassarem a trágica marca de meio milhão de mortos Foto: Edilson Rodrigues / Edilson Rodrigues/Agência Senad
Relator Renan Calheiros (MDB-AL), que passou a usar o número oficial de mortos no lugar da sua placa nominal, adicionou a palavra
Relator Renan Calheiros (MDB-AL), que passou a usar o número oficial de mortos no lugar da sua placa nominal, adicionou a palavra “luto” no seu espaço à mesa diretora Foto: Edilson Rodrigues / Edilson Rodrigues/Agência Senad
Ex-governador deixa sessão antes de concluir depoimento, por volta das 14h, fazendo uso do habeas corpus concedido a ele pelo Supremo Tribunal Federal Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
Ex-governador deixa sessão antes de concluir depoimento, por volta das 14h, fazendo uso do habeas corpus concedido a ele pelo Supremo Tribunal Federal Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
O filho do presidente e senador Flavio Bolsonaro (Patriota-RJ) tumultuou novamente a CPI da qual não é integrante, em defesa do governo do pai Foto: Jefferson Rudy / Jefferson Rudy/Agência Senado
O filho do presidente e senador Flavio Bolsonaro (Patriota-RJ) tumultuou novamente a CPI da qual não é integrante, em defesa do governo do pai Foto: Jefferson Rudy / Jefferson Rudy/Agência Senado
Ex-governador do Rio Wilson Witzel é convocado para depor. Graças à decisão do ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), ele não precisa se comprometer com a verdade, pode se reservar ao silêncio e estar acompanhado de advogado Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
Ex-governador do Rio Wilson Witzel é convocado para depor. Graças à decisão do ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), ele não precisa se comprometer com a verdade, pode se reservar ao silêncio e estar acompanhado de advogado Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
O engenheiro e ex-secretário de Saúde do estado do Amazonas, Marcellus Campêlo, contradisse informações do ex-ministro Pazuello sobre a data em que o estado comunicou o ministério sobre colapso Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 15/06/2021
O engenheiro e ex-secretário de Saúde do estado do Amazonas, Marcellus Campêlo, contradisse informações do ex-ministro Pazuello sobre a data em que o estado comunicou o ministério sobre colapso Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 15/06/2021
A microbiologista Natalia Pasternak, pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), afirmou à CPI da foi categórica: 'Negacionismo do governo mata' Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 11/06/2021
A microbiologista Natalia Pasternak, pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), afirmou à CPI da foi categórica: ‘Negacionismo do governo mata’ Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 11/06/2021
Médico sanitarista Cláudio Maierovitch, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criticou a imunidade rebanho 'a custo de muitas mortes': 'estamos sendo tratados como animais' Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 11/06/2021
Médico sanitarista Cláudio Maierovitch, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criticou a imunidade rebanho ‘a custo de muitas mortes’: ‘estamos sendo tratados como animais’ Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 11/06/2021
Com o habeas corpus concebido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), não compareceu à CPI da Covid, no senado:
Com o habeas corpus concebido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), não compareceu à CPI da Covid, no senado: “Iremos recorrer dessa decisão”, prometeu o presidente da Comissão, Omar Aziz (PSD-AM) Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 10/06/2021
O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco, braço-direito do ex-ministro Eduardo Pazuello na pasta, afirmou à CPI que a gestão do general defendia o
O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco, braço-direito do ex-ministro Eduardo Pazuello na pasta, afirmou à CPI que a gestão do general defendia o “atendimento precoce” para pacientes com a Covid-19 Foto: Edilson Rodrigues / Agência O Globo – 09/06/2021
Convocado pela segunda vez, ministro da Saúde Marcelo Queiroga disse orientar Bolsonaro sobre medidas de prevenção contra Covid-19, apesar de não ser levado em consideração:
Convocado pela segunda vez, ministro da Saúde Marcelo Queiroga disse orientar Bolsonaro sobre medidas de prevenção contra Covid-19, apesar de não ser levado em consideração: “Não me compete julgar os atos do presidente da República” Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 08/06/2021
Infectologista Luana Araújo, ex-secretária de enfrentamento ao coronavírus, chamou a discussão sobre o uso de medicamento sem eficácia para tratar o coronavírus de
Infectologista Luana Araújo, ex-secretária de enfrentamento ao coronavírus, chamou a discussão sobre o uso de medicamento sem eficácia para tratar o coronavírus de “delirante”: “Essa é uma discussão delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente” e reafirmou que “o Brasil está na vanguarda da estupidez” Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado – 02/06/2021
A médica Nise Yamaguchi se negou a opinar sobre a gestão do presidente Bolsonaro na pandemia. A médica disse que aconselhava o Ministério da Saúde, mas negou a existência de 'gabinete paralelo', diante da insistência do relator Renan Calheiros Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 01/06/2021
A médica Nise Yamaguchi se negou a opinar sobre a gestão do presidente Bolsonaro na pandemia. A médica disse que aconselhava o Ministério da Saúde, mas negou a existência de ‘gabinete paralelo’, diante da insistência do relator Renan Calheiros Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 01/06/2021
O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que Brasil poderia ter sido pioneiro na imunização:
O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que Brasil poderia ter sido pioneiro na imunização: “Já tínhamos as doses, já estavam disponíveis. E eu, muitas vezes, declarei em público que poderíamos ser o primeiro país a começar a vacinação” Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 27/05/2021
A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, também conhecida como 'capitã cloroquina' confirmou que houve orientação da Saúde para tratamento precoce contra a Covid-19 Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 25/05/2021
A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, também conhecida como ‘capitã cloroquina’ confirmou que houve orientação da Saúde para tratamento precoce contra a Covid-19 Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 25/05/2021
Pressionado por senadores a responder pela falta de oxigênio em Manaus, em janeiro, o ex-ministro da Saúde Pazuello disse que a responsabilidade era do governo estadual e da empresa fornecedora Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 20/05/2021
Pressionado por senadores a responder pela falta de oxigênio em Manaus, em janeiro, o ex-ministro da Saúde Pazuello disse que a responsabilidade era do governo estadual e da empresa fornecedora Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 20/05/2021
Sessão da CPI da Covid foi suspensa depois de Eduardo Pazuello passar mal durante um intervalo. A Comissão retormou depoimento do ex-ministro no dia seguinte Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 19/05/2021
Sessão da CPI da Covid foi suspensa depois de Eduardo Pazuello passar mal durante um intervalo. A Comissão retormou depoimento do ex-ministro no dia seguinte Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 19/05/2021
Ex-ministro negou receber ordens diretas do presidente para usar cloroquina no combate à Covid-19 e destacou sua qualificação em logística e gestão:
Ex-ministro negou receber ordens diretas do presidente para usar cloroquina no combate à Covid-19 e destacou sua qualificação em logística e gestão: “Eu me considero sim, senhor, plenamente apto a exercer o cargo de ministro da Saúde” Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 19/05/2021
Assim como Fabio Wajngarten, ex da Comunicação, o ex das Relações Internacionais, Ernesto Araújo, negou falas polêmicas diante da CPI da Covid:
Assim como Fabio Wajngarten, ex da Comunicação, o ex das Relações Internacionais, Ernesto Araújo, negou falas polêmicas diante da CPI da Covid: “Eu não entendo nenhuma declaração que tenha feito como anti-chinesa”, esquivou-se o ex-chanceler Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 18/05/2021
Presidente da CPI, Omar Aziz, alertou Ernesto sobre dizer a verdade e lembrou declarações anti-chinesas:
Presidente da CPI, Omar Aziz, alertou Ernesto sobre dizer a verdade e lembrou declarações anti-chinesas: “Na minha análise, Vossa Excelência está faltando com a verdade. Peço que não faça isso. Escreveu no seu Twitter, escreveu artigo” Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 18/05/2021
O gerente-geral da farmacêutica Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, revelou que o Brasil poderia ter recebido 4,5 milhões de doses a mais de vacinas contra a Covid-19 até março deste ano Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 13/05/2021
O gerente-geral da farmacêutica Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, revelou que o Brasil poderia ter recebido 4,5 milhões de doses a mais de vacinas contra a Covid-19 até março deste ano Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 13/05/2021
Bate-boca entre senadores Flávio Bolsonaro e Renan Calheiros marcou sessão em que Wajngarten foi ouvido. Flávio chamou Renan de vagabundo, que rebateu citando a investigação da rachadinha Foto: Marcos Oliveira e Leopoldo Silva / Agência Senado
Bate-boca entre senadores Flávio Bolsonaro e Renan Calheiros marcou sessão em que Wajngarten foi ouvido. Flávio chamou Renan de vagabundo, que rebateu citando a investigação da rachadinha Foto: Marcos Oliveira e Leopoldo Silva / Agência Senado
Depois da aparição de Flavio Bolsonaro, em defesa de Wajngarten, sessão da CPI da Covid foi interrompida Foto: Edilson Rodrigues / Agência O Globo - 12/05/2021
Depois da aparição de Flavio Bolsonaro, em defesa de Wajngarten, sessão da CPI da Covid foi interrompida Foto: Edilson Rodrigues / Agência O Globo – 12/05/2021
620x372x92863096 Comissao Parlamentar de Inquerito da Pandemia CPIPANDEMIA realiza oitiva do ex secretario e.jpg.pagespeed.ic.OdvILp0D4X
“Por favor, não menospreze nossa inteligência, ninguém é imbecil aqui”, disse o presidente da CPI da Covid, o senador Omar Aziz (PSD-AM) a Wajngarten Foto: Edilson Rodrigues / Agência O Globo – 12/05/2021
Fabio Wajngarten se esquivou de respostas diretas e foi advertido pela mesa e acusado, pelo relator Renan Calheiros de mentir à CPI por negar declarações dadas à revista Veja – que logo divulgou áudios comprovando as declarações do ex-chefe da Secom Foto: Edilson Rodrigues / Agência O Globo - 12/05/2021
Fabio Wajngarten se esquivou de respostas diretas e foi advertido pela mesa e acusado, pelo relator Renan Calheiros de mentir à CPI por negar declarações dadas à revista Veja – que logo divulgou áudios comprovando as declarações do ex-chefe da Secom Foto: Edilson Rodrigues / Agência O Globo – 12/05/2021
Relator Renan Calheiros trocou a placa que o identificava pelo número de vidas perdidas para a Covid-19 no Brasil Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo - 12/05/2021
Relator Renan Calheiros trocou a placa que o identificava pelo número de vidas perdidas para a Covid-19 no Brasil Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 12/05/2021
O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, confirmou que esteve em uma reunião no Palácio do Planalto, no ano passado, na qual foi cogitada a possibilidade de mudar a bula da cloroquina para que o medicamento fosse indicado no tratamento da Covid-19:
O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, confirmou que esteve em uma reunião no Palácio do Planalto, no ano passado, na qual foi cogitada a possibilidade de mudar a bula da cloroquina para que o medicamento fosse indicado no tratamento da Covid-19: “não tem cabimento”, classificou Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 11/05/2021
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se esquivou de perguntas e não disse se concorda com Bolsonaro sobre uso de cloroquina:
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se esquivou de perguntas e não disse se concorda com Bolsonaro sobre uso de cloroquina: “Eu estou aqui na condição de testemunha, o senhor quer que eu emita juízo de valor”, respondeu ao relator da CPI Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo – 06/05/2021
Omar Aziz (PSD-AM) ironizou a resposta do ministro da Saúde:
Omar Aziz (PSD-AM) ironizou a resposta do ministro da Saúde: “Até minha filha de 12 anos falaria sim ou não”, sobre concordar com o uso da cloroquina, conforme prega o presidente Bolsonaro durante toda a pandemia Foto: Edilson Rodrigues / Agência O Globo – 06/05/2021
620x372x92763023 Comissao Parlamentar de Inquerito da Pandemia CPIPANDEMIA realiza oitiva do ministro de Est.jpg.pagespeed.ic.L3DJlnlepA
“Não há pressão nenhuma”, disse Queiroga quando questionado sobre atuação do Planalto para incluir a cloroquina no tratamento de Covid-19. Foto: Jefferson Rudy / Agência O Globo – 06/05/2021
Ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta sustentou discurso de que seguiu sempre orientações ténicas à frente da pasta Foto: Jefferson Rudy / Agência O Globo - 05/05/2021
Ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta sustentou discurso de que seguiu sempre orientações ténicas à frente da pasta Foto: Jefferson Rudy / Agência O Globo – 05/05/2021

O professor de Filosofia da Universidade Federal de Pelotas, Carlos Ferraz, por sua vez, afirmou, também em vídeo divulgado pela Funag, que “a máscara não só é inócua no combate à pandemia, mas também é nociva; causa problemas de saúde”.

Por conta disso, o ex-ministro das Relações Exteriores deverá ser, mais uma vez, convocado a depor.

Já o Ministério da Saúde chegou a publicar nas redes sociais oficiais o incentivo ao tratamento precoce e foi advertido pelo Twitter. A plataforma classificou o conteúdo como “informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19”.

A CPI também buscará detalhar o repasse de verbas, pela Secretaria de Comunicação, a veículos de comunicação e influenciadores que propagaram fake news.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.