BUSCAR
BUSCAR
Crise sanitária
Com avanço da pandemia, governo do RS avalia alugar contêineres refrigerados para armazenar corpos
Medida já foi posta em prática no ano passado, mas equipamentos não chegaram a ser usados e foram devolvidos
Gaúcha ZH
02/03/2021 | 18:11

Diante do agravamento da pandemia do coronavírus no Estado, o governo do Rio Grande do Sul voltou a avaliar o aluguel de contêineres refrigerados para armazenar corpos. Conforme a direção do Instituto-Geral de Perícias (IGP), empresas que dispõem do equipamento já foram contatadas para apresentar orçamentos.

A medida faz parte do plano de contingência para enfrentar a pandemia e já funcionou ano passado: em julho, o Estado recebeu oito equipamentos locados. Eles não chegaram a ser usados e foram devolvidos em agosto.

Se necessário, os equipamentos servirão como suporte à demanda do Departamento Médico Legal (DML), que tem espaço para armazenar 127 corpos em 33 unidades de necrotério no Rio Grande do Sul, e também aos Postos Médico Legais do Interior.

A diretora do IGP, Heloisa Helena Kuser, ressalta que a iniciativa é preventiva e só entrará em uso caso o sistema funerário venha a sofrer um colapso. Isso pode ocorrer se for registrado aumento de corpos à espera de transporte para sepultamento, o que causaria mais tempo de permanência de cadáveres nos necrotérios e, então, superlotação das vagas existentes. 

— Não há nenhum motivo para pânico. O número de mortes violentas, que são as que o IGP atende, segue estável, com média de 10 por dia na Capital. Monitoramos diariamente. O sistema todo segue o fluxo sem problemas, neste momento. Mas não queremos ser surpreendidos — diz Heloísa. 

Desde sexta-feira (26), a ideia de alugar novamente os equipamentos está  em discussão. O governo já verificou a disponibilidade junto a empresas do setor e, agora, aguarda orçamentos. Em julho, oito contêineres foram trazidos ao Estado. Agora, segundo o IGP, o número seria menor, possivelmente, até quatro.

Conforme Gerci Perrone Fernandes, presidente da Associação Sulbrasileira de Cemitérios e Crematórios (Asbrace), não há registros, até o momento, de problemas no fluxo de sepultamentos. Sobre vagas em cemitérios e crematórios, Gerci afirmou ser improvável que faltem. Só na Capital, segundo ele, há 5 mil disponíveis e possibilidade de construção de mais cerca de 80 mil.

Entenda como funciona

  • Os necrotérios do DML, que é ligado ao IGP, não atendem diretamente vítimas da covid-19. Por eles, passam casos de mortes violentas — como homicídios, acidentes de trânsito e suicídios — e os óbitos de causa desconhecida, que dependem de uma investigação
  • Já o atendimento a vítimas mortas pela infecção do coronavírus segue outro fluxo: no hospital é declarado o óbito, e o corpo é retirado pelo serviço funerário, que prepara o sepultamento
  • Mas com a contaminação cada vez mais disseminada, a chance de pessoas que morrem por causas violentas também terem o vírus aumenta. Nestes casos, a forma de lidar com os corpos exige protocolos que tornam o atendimento mais demorado
  • Se houver colapso em algum ponto do fluxo que envolve o sepultamento de vítimas da covid-19 mortas em hospitais — como excesso de demanda para o sistema funerário —, os contêineres serão usados em apoio. O Estado tem cerca de 700 funerárias
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.