BUSCAR
BUSCAR
Reforço
Chile vai aplicar 3ª dose de vacina em quem tomou Coronavac
Autoridades de saúde do Chile decidiram aplicar 3ª dose de vacina nas pessoas que tomaram as duas doses da CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac.
Poder360
06/08/2021 | 08:26

Autoridades de saúde do Chile decidiram aplicar 3ª dose de vacina nas pessoas que tomaram as duas doses da CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac. O anúncio foi feito pelo presidente Sebastián Piñera nesta quinta-feira 5.

De casa, onde cumpre quarentena depois de voltar de viagem ao Peru, Piñera disse que a aplicação do reforço começará na próxima 4ª feira (11.ago). O calendário foi organizado por idade, começando com os maiores de 86 anos.

Segundo a subsecretária de Saúde, Paula Daza, somente pessoas que tomaram a Coronavac precisarão receber 3ª a dose. Cerca de 90% da população tomou a vacina chinesa.

Daza explicou que está sendo realizado um estudo para verificar se as pessoas imunizadas com a vacina da Pfizer também precisarão da dose de reforço.

De acordo com o La Nación, com informações do ministro da Saúde, Enrique Paris, para a dose de reforço, será usado o imunizante da AstraZeneca.

Piñera também anunciou que aguarda autorização do Instituto de Saúde Pública para vacinar crianças de 3 a 11 anos. O país quer imunizar 15,2 milhões dos seus 19 milhões de habitantes.

Segundo dados do Our Word in Data, até 2 de agosto de 2021, cerca de 65% da população chilena já tinham completado o esquema vacinal, enquanto cerca de 8% tinham tomado só a 1ª dose. Ao todo, quase 72,5% dos residentes no Chile já tinham tomado ao menos uma dose de imunizante anticovid.

Na quarta-feira 4, a OMS (Organização Mundial da Saúde) fez um apelo aos países para adiarem a distribuição da dose de reforço até o final de setembro. O objetivo da organização é facilitar a chegada de imunizantes a nações mais pobres.

“Não podemos aceitar que os países que usaram a maior quantidade de vacinas ainda usem mais vacinas, enquanto as pessoas mais vulneráveis em outras partes do mundo permaneçam desprotegidas“, disse o CEO da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A meta da organização é que pelo menos 10% da população mundial esteja totalmente imunizada até o final de setembro, 40% até o final do ano e 70% até meados de 2022.

Cerca de 29,6% da população mundial receberam pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19 e 15,2% estão totalmente imunizadas. Em países de baixa renda, os números despencam para 1,1% com pelo menos uma dose.

Ao ser questionada sobre a orientação da OMS, Daza respondeu que o Chile quer “reduzir a possibilidade de contágio“. “Estamos sempre analisando as recomendações e, obviamente, a possibilidade de cooperar com outros países latino-americanos“, completou. Ela citou ainda que o país doou 20 mil doses de vacinas ao Equador e Paraguai no começo deste ano.

Com o avanço da vacinação, o Chile vem observando uma queda acentuada do número de infectados e mortos. A média de novos casos nos últimos 7 dias no país foi de pouco mais de 1.000 por dia.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.