BUSCAR
BUSCAR
Impasse
Chance de pedido de demissão de Tite aumenta; saiba quem a CBF mira como alternativa
Crise entre treinador e entidade tem relação com a insatisfação dos jogadores da seleção com a Copa América no Brasil
O Globo
04/06/2021 | 16:14

No tabuleiro de xadrez que opõe, de um lado, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, e do outro, jogadores e comissão técnica da seleção brasileira, cresce uma expectativa, dentro da entidade, de que Tite pode pedir demissão depois do jogo contra o Paraguai, terça-feira, pelas Eliminatórias para a Copa do Qatar.

A crise gerada pela transferência da Copa América para o Brasil, admitida pelo próprio treinador na quinta-feira, na entrevista coletiva às vésperas do jogo contra o Equador, pode ser a gota d’água na trajetória de Tite na seleção. O tom assumido pelo técnico nas respostas à imprensa, assertivo para seus padrões, reforçou a impressão de que a ruptura do trabalho pode estar próxima.

Gerou a insatisfação de uma maneira como Rogério Caboclo conduziu as conversas para receber a competição no país, depois das desistências de Colômbia e Argentina. Os lideres do grupo de jogadores, o que inclui Alisson, Thiago Silva, Casemiro e Neymar, se manifestaram e o elenco teve tanto reuniões com a comissão técnica, quanto com o dirigente. Tite e sua comissão técnica se posicionaram totalmente a favor dos jogadores.

O caso se soma a outros dois episódios incomodam o treinador: uma crise institucional vivida pela entidade desde que Caboclo passou a ser ameaçado por uma funcionária, que diz ter sido alvo de comportamento impróprio do dirigente. E o vazamento em reportagem da ESPN de uma conversa entre Rogério Caboclo e Edu Gaspar, então coordenador da seleção, depois da Copa da Rússia, em 2018, em que o dirigente faz duros questionamentos ao trabalho do técnico e de sua comissão técnica, em especial o auxiliar Cleber Xavier, braço direito do treinador.

A ordem de Tite é manter a concentração total nos dois objetivos da seleção brasileira, nesta sexta-feira, contra o Equador, e terça-feira, contra o Paraguai, pelas Eliminatórias. O Brasil é líder, com quatro vitórias em quatro partidas. Tite prometeu que tanto ele quanto os jogadores devem se manifestar mais claramente a respeito da crise depois dos jogos.

Alternativas a Tite

No outro lado da trincheira, Rogério Caboclo e seus aliados aguardam os próximos passos de Tite. Em caso de pedido de demissão, já existe uma alternativa no horizonte: o nome do técnico Renato Gaúcho agrada.

O treinador está sem clube desde que deixou o Grêmio, em abril, e já manifestou diversas vezes seu desejo de treinar o Brasil. O bom trabalho no tricolor gaúcho, em que foi campeão da Copa do Brasil, da Libertadores e da Recopa Sul-Americana, traria respaldo junto a torcida e imprensa.

Outro caminho no horizonte é ir ao mercado atrás de um treinador estrangeiro. Rogério Caboclo já se mostra favorável à ideia de abrir mão de profissionais brasileiros na seleção ao tentar a contratação do espanhol Xavi para fazer parte da comissão técnica de Tite.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.