BUSCAR
BUSCAR
Descoberta
Carta rara ‘trancada’ há 300 anos é aberta virtualmente
Pesquisadores desdobraram a carta por meio de técnica que envolve escaneamento e algoritmos de computador
CNN
02/03/2021 | 18:04

Trezentos anos atrás, antes dos envelopes, senhas e códigos de segurança, os escritores muitas vezes lutavam para manter em sigilo os pensamentos, preocupações e sonhos expressos em suas cartas.

Uma maneira popular era usar uma técnica chamada bloqueio de cartas – dobrar de forma complexa uma folha de papel plana para se tornar seu próprio envelope.

Essa estratégia de segurança representou um desafio quando 577 cartas bloqueadas entregues em Haia, na Holanda, entre 1689 e 1706, foram encontradas em um baú de correspondência.

As cartas nunca haviam chegado aos destinatários finais e os conservacionistas não queriam abri-las e danificá-las. Em vez disso, uma equipe encontrou a maneira de ler uma das cartas sem quebrar o lacre ou desdobrá-la de nenhuma forma.

Usando um scanner de raios X altamente sensível e algoritmos de computador, os pesquisadores virtualmente desdobraram a carta não aberta.

“Este algoritmo nos leva direto ao coração de uma carta fechada”, disse a equipe de pesquisa em comunicado.

“Às vezes, o passado resiste ao escrutínio. Poderíamos simplesmente ter aberto essas cartas, mas, em vez disso, reservamos um tempo para estudá-las por suas qualidades ocultas, secretas e inacessíveis. Aprendemos que as letras podem ser muito mais reveladoras quando são deixadas fechadas”.

A técnica revelou o conteúdo de uma carta datada em 31 de julho de 1697. Ela contém o pedido de Jacques Sennacques a seu primo Pierre Le Pers, comerciante francês em Haia, para obter uma cópia autenticada de um aviso de óbito de Daniel Le Pers.

Os detalhes podem parecer prosaicos, mas os pesquisadores disseram que a carta dá uma visão fascinante da vida das pessoas comuns – um instantâneo do início do mundo moderno.

O baú de correspondência pertencia a um agente do correio chamado Simon de Brienne e sua esposa, a agente do correio Marie Germain. Em 1926, foi adquirido pelo Museum voor Communicatie em Haia.

Além das cartas fechadas, contém 2.571 cartas abertas e fragmentos que por um motivo ou outro nunca chegaram ao destino.

Naquela época, não existiam selos e os destinatários, e não os remetentes, eram responsáveis pelas despesas postais e de entrega. Se o destinatário já faleceu ou rejeitou a carta, nenhuma taxa poderia ser cobrada e as cartas não foram entregues.

Uma nova forma de minerar documentos históricos

Os scanners de raios X foram originalmente projetados para mapear o conteúdo mineral dos dentes e têm sido usados em pesquisas odontológicas – até agora.

“Fomos capazes de usar nossos scanners para a história de raios X”, disse David Mills, autor do estudo e pesquisador da Queen Mary University of London, em comunicado.

“A tecnologia de escaneamento é semelhante aos tomógrafos médicos, mas usando raios X muito mais intensos que nos permitem ver os pequenos traços de metal na tinta usada para escrever essas letras. O resto da equipe pôde, então, fazer o nosso exame imagens e transformá-las em cartas que abriram virtualmente para serem lidas pela primeira vez em mais de 300 anos”.

A técnica tem o potencial de desbloquear novas evidências históricas de Brienne e outras coleções de cartas e documentos não abertos, destaca o estudo.

Uma aplicação tentadora poderia ser o desdobramento virtual dos itens e cartas lacrados nos Prize Papers – arquivo de documentos confiscados pelos britânicos de navios inimigos entre os séculos XVII e XIX.

“Usar o desdobramento virtual para ler uma história íntima que nunca viu a luz do dia – e nunca chegou a seu destinatário – é verdadeiramente extraordinário”, afirmaram os pesquisadores no comunicado.

A pesquisa foi publicada pela revista Nature Communications na terça-feira (2).

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.