BUSCAR
BUSCAR
Guerra

Brasileiro em Gaza diz só ter água salgada para beber e que situação piora a cada dia

Grupo aguarda abertura de fronteira com Egito para poder escapar da zona de conflito entre Hamas e exército de Israel
Folhapress
17/10/2023 | 05:00

Na espera por um acordo para poder atravessar a fronteira com o Egito e escapar da guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas, o brasileiro Hasan Said Rabee diz que a situação na Faixa de Gaza a “cada dia fica pior”.

Ele, a mulher e as duas filhas de três e seis anos estão hospedados na casa de parentes em Khan Yunis, ao sul do território. “Estamos sem luz, e água só tem salgada [para beber]”, afirma. Ele completa também que “a comida está acabando”.

crianças escombros
Crianças são retiradas de escombros após bombardeio em Gaza - Foto: Min. das Relações Exteriores da Palestina

“Não temos previsão de quando vamos sair. Está muito perigoso aqui”, lamenta Hasan, em conversa com a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, por mensagem de celular.

Mesmo antes do conflito, água potável já era um problema no território. Segundo reportagem da BBC News Brasil, devido à extração excessiva do aquífero costeiro e à infiltração pela água do mar e esgotos, a água da torneira em Gaza é salgada, poluída e imprópria para beber.

O problema se agravou na guerra com a decisão de Israel de cortar o abastecimento na região. No domingo 15, o governo israelense havia indicado que restauraria o abastecimento. Mas até segunda 16, segundo Hasan, eles continuavam sem água.

Ele diz fazer parte do grupo de brasileiros que pediu ao Itamaraty para ser retirado da Faixa de Gaza e que espera um acordo para que o Egito permita a entrada dos refugiados, além da anuência dos israelenses de seu lado da fronteira.

Nesta segunda 16, porém, o governo de Israel negou ter firmado um cessar-fogo temporário com o grupo terrorista Hamas para a retirada de civis da região.

A saída dos brasileiros é negociada pela cidade de Rafah, que fica na fronteira entre a península do Sinai, no Egito, e a Faixa de Gaza.

Após deixar o local, eles deverão ser transportados por um avião Embraer-190 da Presidência, que foi deslocado para Roma e aguarda autorização para pousar no aeroporto de Al Arish, no Egito, a 45 Km de Rafah.

Gaza enfrentará uma ‘catástrofe’ se não receber ajuda, alerta OMS

A Faixa de Gaza enfrenta uma catástrofe iminente já que “restam 24 horas de água, eletricidade e combustível” e, se a ajuda humanitária não chegar, os médicos só poderão “preparar certidões de óbito”, disse Ahmed Al Mandhari, chefe regional da Organização Mundial da Saúde (OMS).

No décimo dia do bombardeamento retaliatório israelita ao território palestinino, Gaza e os seus 2,4 milhões de habitantes, metade dos quais crianças, enfrentam uma “verdadeira catástrofe”, alertou Mandhari, diretor da OMS para o Mediterrâneo Oriental com sede em Cairo. O território está sob “cerco total” em resposta de Israel ao ataque mortal do movimento terrorista Hamas no dia 7 de outubro.

Em todo o lado, de norte a sul, “as reservas médicas estão praticamente vazias, a tal ponto que os profissionais de saúde podem começar a preparar atestados de óbito dos pacientes”, declarou Mandhari preocupado.

“Os corpos não podem ser recolhidos adequadamente” nas ruas e nos hospitais “os serviços em funcionamento estão completamente saturados: cuidados intensivos, blocos operatórios, urgências e outros”, explicou Mandhari. “Os médicos são obrigados a priorizar os pacientes que chegam. (…) Há muita gente, então alguns ficam para morrer lentamente”, acrescentou.

Para salvá-los, a ajuda humanitária deve entrar na Faixa de Gaza, onde, segundo a ONU, há quase um milhão de deslocados que só conseguiram levar alguns pertences.

Aviões que decolaram de vários países ou caminhões com ajuda estão atualmente bloqueados no Sinai egípcio, na fronteira com a Faixa de Gaza, na ausência de um acordo entre Israel e o Egito para a entrada do material no enclave.

Supremo decide que FGTS deve garantir correção pelo IPCA
Proposta não será aplicada a valores retroativos
12/06/2024 às 18:41
Ministro do Turismo sai em defesa de Juscelino Filho, indiciado por corrupção
Celso Sabino comparou o caso do ministro das Comunicações com o de outras pessoas, sem citar nome ou partido
12/06/2024 às 18:31
Margem equatorial: “perdemos 10 anos”, lamenta presidente da Petrobras
Estatal prepara apresentação para convencer área ambiental do governo
12/06/2024 às 18:18
Polícia prende homem por furtar mais de R$ 500 mil em mercadorias de supermercado em Natal
Suspeitos colocavam as mercadorias nos carrinhos de compras, passavam pelo caixa e não pagavam; crimes eram realizados com o apoio de um funcionário
12/06/2024 às 17:59
Veja como aproveitar o “Mossoró Cidade Junina” nesta quarta-feira
Programação cultural tem sequência nos polos Antônio Francisco, Circo do Forró e na Cidadela
12/06/2024 às 17:02
Embalagem de bolo usada em bebê salvou sua vida, diz médica
Bebê estava em um estado crítico, e caso não improvisasse o capacete de oxigênio ele poderia ir a óbito
12/06/2024 às 16:48
Dólar bate R$ 5,43 após Lula criticar mercado e desgaste gerado por MP
Dólar tem maior cotação desde dezembro de 2022
12/06/2024 às 16:37
Prefeitura de Natal negocia débitos com classe artística
Ficou acertado um cronograma de pagamentos que começou este mês e segue até julho
12/06/2024 às 16:24
CCJ aprova incluir na Constituição criminalização do porte de drogas
PEC foi aprovada na Câmara por 47 votos favoráveis e 17 contrários
12/06/2024 às 16:14
Polícia Civil prende mulher condenada por tentativa de homicídio no RJ; prisão aconteceu em Campo Redondo
Prisão ocorreu em decorrência de uma sentença expedida pelo TJRJ
12/06/2024 às 15:55
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.