BUSCAR
BUSCAR
Pandemia

Brasil já identificou 40 linhagens do novo coronavírus, aponta Fiocruz

Monitoramento mostra que duas linhagens do vírus da covid-19 são predominantes e específicas no País; pesquisadora explica que mutações, como a identificada na Inglaterra, são comuns nesse tipo de vírus, mas não impactam as vacinas
Estadão
29/12/2020 | 10:55

Pelo menos 40 linhagens diferentes do Sars-CoV-2, o novo coronavírus causador da covid-19, já foram identificadas no Brasil desde março. Duas delas, a B.1.1.28 e a B.1.1.33, são predominantes nas infecções pela doença no País. As informações são do Laboratório de Vírus Respiratórios e Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que participa diretamente da vigilância epidemiológica do novo coronavírus no País.

Referência em covid-19 para a Organização Mundial de Saúde (OMS), o órgão faz o sequenciamento genético do genoma viral. O trabalho permite determinar as rotas de circulação do patógeno em território nacional e identificar mutações. Em entrevista ao Estadão, a pesquisadora Paola Cristiana Resende descreveu como é feito o monitoramento – fundamental para vencer a epidemia. “Não é momento para pânico. É tempo de prevenção”, diz ela.

Brasil já identificou 40 linhagens do novo coronavírus, aponta fiocruz
Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) monitora as variações do novo coronavírus no País Foto: Josué Damacena/IOC/Fiocruz

Como é feito o acompanhamento diário das diferentes linhagens dos vírus que circulam no Brasil?

O Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) tem expertise de décadas na vigilância epidemiológica e laboratorial dos vírus influenza, causadores da gripe. Eles circulam em todo o mundo e sofrem mutações frequentes. Essa vigilância é fundamental para a formulação da vacina, que tem periodicidade anual, e para a captação de cepas virais de potencial pandêmico. Esse trabalho é conduzido pela Rede Laboratorial de Vigilância de Influenza do Ministério da Saúde, da qual o nosso laboratório faz parte. Agora, com a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2), essa rede também está liderando trabalhos de monitoramento deste patógeno, por também se tratar de um vírus respiratório. O laboratório é a referência nacional para o Ministério da Saúde e internacional em covid-19 para a  Organização Mundial de Saúde nas Américas. Após o treinamento de dezenas de laboratórios públicos nacionais e internacionais no início da pandemia para a realização de diagnóstico, temos atuado, principalmente, em amostras consideradas prioritárias para testes, como confirmação de óbitos e casos de reinfecção. Também nos empenhamos nas análises filogenéticas e filogeográficas do Sars-CoV-2 para traçarmos, por meio do sequenciamento do genoma viral, as rotas de circulação do vírus e identificarmos possíveis mutações. Além disso, estamos em uma constante troca de experiências e discussões com pesquisadores brasileiros e estrangeiros sobre metodologias para diagnóstico laboratorial e identificação das linhagens circulantes.

Quantas variantes do Sars-CoV-2 já foram registradas no Brasil? De onde elas vêm?

De acordo com as informações disponíveis na plataforma internacional de dados genômicos Gisaid, cuja equipe de curadoria integramos, já foram identificadas cerca de 40 linhagens do Sars-CoV-2 no Brasil, provenientes de diversas partes do mundo, em especial da Europa. Porém apenas duas predominam em circulação, a B.1.1.28 e B.1.1.33.

Vocês conseguiram constatar alguma característica específica desses subtipos já detectados no Brasil?

Com base nos 1.768 genomas brasileiros sequenciados e disponibilizados na base de dados EpiCov, da iniciativa Gisaid, podemos verificar que essas duas linhagens principais predominam no Brasil e são específicas daqui, encontradas em baixíssima frequência em outros países. Elas circulam desde março e estão por todo o território nacional. E, é claro, estão evoluindo, ganhando novas mutações, pois é esperado que um vírus com um genoma de RNA evolua de forma rápida. Assim, novas sublinhagens podem ser detectadas ou evidenciadas. Entretanto, é extremamente importante ressaltar que uma nova mutação não significa estritamente uma mudança nas características do vírus. Investigações e análises complementares que vão além do genoma precisam ser feitas para afirmar isso. Adicionalmente, ao longo do ano, detectamos também outras linhagens em diferentes Estados, muitas associadas a casos de viajantes retornando de outros países e que circularam em menor proporção internamente. Entretanto, estas linhagens estão mais associadas a uma circulação local em determinados Estados e não representam um expressivo número para lançarmos alguma hipótese sobre elas.

O governo britânico disse que a versão do Sars-CoV-2 mais infecciosa que está circulando no Reino Unido teria surgido no Brasil, em abril. Vocês conseguiram confirmar essa informação? Essa variante também se revelou mais transmissível quando circulou por aqui?

A mutação N501Y foi identificada de forma pontual em nosso País. Entretanto, não estava associada à linhagem B.1.1.7, que circula na Europa. Esta mutação já foi encontrada independentemente em diferentes linhagens. Após análises dos dados genômicos disponíveis em banco de dados internacionais, concluímos que a amostra de Pernambuco que apresentou essa mutação pertence à linhagem B.1 que não apresenta relação com os dados em circulação na Europa, África ou Oceania. Ou seja, a mutação observada no Brasil não é a mesma encontrada na Inglaterra.

Qual a chance de uma mutação ao acaso tornar o vírus mais letal?

Os vírus sofrem mutações constantemente. Assim como uma eficiente rede de laboratórios acompanha a evolução e dispersão do vírus influenza, o mesmo será feito para o novo coronavírus. Acompanharemos em tempo real a possibilidade do vírus se tornar mais transmissível e causar uma infecção mais grave ao organismo humano. Até o momento, os dados não mostram que o vírus tenha ficado mais transmissível ou que possa causar uma doença mais severa. Não é momento para pânico. É tempo de prevenção.

Essas mutações podem atrapalhar a eficácia das vacinas?

Até o momento, os dados sugerem que as vacinas em desenvolvimento e as que já estão em aplicação em diversos países terão ótima eficácia contra o Sars-CoV-2 e suas recentes variações, uma vez que, apesar das mutações, as características fenotípicas do vírus parecem não ter sido alteradas. Nenhuma variação que impacte na formulação das vacinas foi detectada.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
“Ainda bem que a Boeing teve um desastre e não quis mais a Embraer”, afirmou Lula
Há quatro anos, empresa americana desistiu de comprar parte da brasileira
21/05/2024 às 21:14
CNM lança consórcio nacional e apresenta PEC para enfrentamento de desastres e mudanças climáticas
A proposta também prevê a aplicação dos recursos do Fundo Nacional de Mudança Climática fora do Orçamento Geral da União
21/05/2024 às 18:20
Saúde anuncia mais R$ 202 milhões para o Rio Grande do Sul
Medida foi anunciada pela ministra Nísia Trindade, em Porto Alegre
21/05/2024 às 16:50
Sobe para 161 número de mortes por chuvas no Rio Grande do Sul
Ainda estão fora de casa 654,1 mil pessoas
21/05/2024 às 15:30
Conab suspende leilão para compra de 104 mil toneladas de arroz polido
Nova data será divulgada "oportunamente", informou a companhia
21/05/2024 às 15:21
Descubra quais famosos do sertanejo foram descobertos em reality shows
Artistas como Lauana Prado e a dupla Bruninho & Davi participaram de concursos de música no início de suas carreiras
21/05/2024 às 13:58
Auxílio Reconstrução: governo lança site para cadastro das famílias
Benefício de R$ 5,1 mil será pago a quem teve de deixar casa no RS
21/05/2024 às 09:17
Moraes suspende lei municipal que proibia linguagem neutra nas escolas
Norma previa responsabilizações civis e penais
20/05/2024 às 18:42
Flávio Dino mantém afastamento de desembargadores do TRF4
Ambos foram afastados pelo CNJ por descumprimento de decisão do STF
20/05/2024 às 18:28
Inscrição para Enem terá calendário diferenciado no Rio Grande do Sul
No restante do país, inscrições vão de 27 de maio a 7 de junho
20/05/2024 às 17:47
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.