BUSCAR
BUSCAR
Política
Bolsonaro não responde ao ser questionado sobre honestidade de Ricardo Barros
Deputado é líder do Governo na Câmara e suspeito de envolvimento no caso Covaxin
Poder360
18/07/2021 | 14:15

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) evitou responder se o deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do Governo na Câmara, é honesto. Bolsonaro conversou com a imprensa depois de receber alta do hospital Vila Nova Star, em São Paulo. Ele ficou 5 dias internado.

O presidente foi questionado pelo jornalista Samuel Pancher se Barros. “Ah, pelo amor de Deus, eu não sei se você… olhando para sua cara eu não sei quem você é, pô!”, respondeu Bolsonaro, como publicou o site Metrópoles em suas redes sociais.

Pancher ainda lembrou que Barros é o líder do governo de Bolsonaro na Câmara. Mas o presidente não respondeu.

Barros é citado em acusações de irregularidades nas negociações de compra da Covaxin, vacina indiana contra a covid-19. Seu nome foi mencionado pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado. Ele disse que ter ouvido de Bolsonaro que as suspeitas de corrupção eram coisa do Barros.

O líder do Governo nega qualquer envolvimento em supostas irregularidades. Barros foi ministro da Saúde durante o governo de Michel Temer. Até hoje tem forte influência na pasta.

Em 1999, Bolsonaro, então deputado, acusou Barros de chantagem em uma votação na Câmara. Na época, Barros negou as acusações, enquanto Bolsonaro disse ter gravado a conversa em que teria sido chantageado.

Atualmente, Barros é alvo de processo por improbidade administrativa durante sua gestão no Ministério da Saúde envolvendo a contratação da empresa Global Gestão em Saúde. A companhia tem como presidente Francisco Emerson Maximiano, sócio da Precisa. A Global deixou de entregar medicamentos comprados por R$ 20 milhões pelo Ministério da Saúde em 2017.

Bolsonaro é investigado pela Polícia Federal por prevaricação no caso do contrato da Covaxin. A investigação foi pedida pela PGR (Procuradoria Geral da República) e autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) depois que senadores enviaram uma notícia-crime contra o presidente ao Supremo.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.