BUSCAR
BUSCAR
Perigo
Autoridades apuram ligação entre massacres em escolas de vários estados do país
Laboratório de Operações Cibernéticas do MJSP analisa informações que liguem a ameaça de ataque a escola no DF com o caso do massacre em SC
Metrópoles
21/05/2021 | 16:51

A operação deflagrada por policiais Civis da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), em parceria com a Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos, nesta sexta-feira 21, para desarticular o plano para executar um massacre, em uma escola do Distrito Federal, pode ter ligação com outras tragédias registradas ao redor do país. Um dos casos seria o da creche em Santa Catarina, onde três crianças e duas mulheres foram mortas a facadas por um jovem de 18 anos.

A informação foi confirmada ao Metrópoles pelo coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), delegado Alessandro Barreto. A exemplo do ataque neutralizado que ocorreria em escola pública do DF, no Recanto das Emas, outros ataques foram frustrados pelo trabalho feito em conjunto com o Homeland Security Investigations (HSI).

De acordo com Barreto, As equipes navegam pelo ciberespaço procurando por mensagens e troca de informações que remetam ao planejamento de ataques como o que foi evitado, no início de maio, em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. Na ocasião, um menor, suspeito de planejar um ataque a uma escola pública, foi apreendido.

“É um esforço importante para antecipar e neutralizar ações que podem provocar grandes tragédias. Agora, apuramos se há ligação entre alguns desses casos, como esse do Rio, o do DF e o massacre que ocorreu em uma creche, em Santa Catarina”, disse.

Mulheres

O coordenador do laboratório revelou que alguns casos recentes chamam a atenção pelo fato de terem mulheres no planejamento dos ataques. “Tanto nesta caso que a Polícia Civil do DF apura quanto uma outra situação, no Rio Grande do Sul, haviam mulheres na organização dos ataques. Esse também é um ponto que estamos apurando em parceria com as polícias dos estados”, explicou.

O Metrópoles apurou que, apesar do envolvimento da polícia norte-americana na investigação, o ataque no DF não ocorreria em colégios internacionais, como a Escola das Nações e a Escola Americana, mas em um colégio público da capital. O massacre aconteceria quando as aulas presenciais fossem retomadas, uma vez que, devido à pandemia do novo coronavírus, os alunos estão tendo lições remotas.

A investigação conseguiu informações sobre indivíduos que teriam a intenção de cometer diversos crimes violentos. Segundo a PCDF, a tragédia causaria dezenas de vítimas na capital federal. O nome da escola alvo não foi divulgado pelos investigadores.

Nesta sexta, os policiais estão na rua e cumprem mandados de busca e apreensão a fim de encontrar mais suspeitos de terem planejado o ataque. O homem detido confessou a pretensão de realizar os crimes, mas, como não houve flagrante, foi liberado em seguida.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.