BUSCAR
BUSCAR
Coluna
As tormentas para o governo até 2022
Confira a coluna de Alex Viana desta terça-feira 3
Alex Viana
03/08/2021 | 07:52

Daqui até a eleição, o governo atravessará um “corredor polonês”. É assim que os principais aliados definem o quadro rumo a outubro de 2022, especialmente nesse cenário de o presidente Jair Bolsonaro reafirmando, constantemente, que o voto impresso é sinônimo de eleições livres e transparentes —e que, sem isso, não haverá eleição. A análise é da cientista política e jornalista Denise Rothenburg.

Segundo ela, as declarações aumentam a tensão às vésperas da retomada dos trabalhos do Parlamento e do Poder Judiciário, num semestre que é visto como o período mais complicado, porque é quando se prepara o jogo para o ano eleitoral. E justamente num cenário em que o governo atravessa um de seus piores momentos, com o desemprego elevado, inflação e tensão entre os Poderes, Legislativo e Judiciário querem frear Bolsonaro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux (foto), promete fazer um discurso contundente contra as ameaças à democracia. No Parlamento, a CPI da Covid volta com o foco sobre a negociação de vacinas, que, somada à polêmica do voto impresso, promete dominar esta semana de posse do novo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira.

O senador pelo Piauí e presidente do PP chega ao Planalto com a tensão escalando uma oitava acima por causa das declarações, ontem, de Bolsonaro, e justamente num tema que ele não elenca como prioridade e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), já definiu como perda de tempo. Se as dificuldades do governo se resumissem à PEC do voto impresso e à CPI, avaliam ministros, não seria difícil resolver.

Porém, há tensões com o Judiciário e o próprio Executivo. No primeiro caso, o presidente ainda não se livrou das acusações de interferência na Polícia Federal e terá que prestar depoimento.

Para completar, as pastas se engalfinham por recursos orçamentários e pressionam o ministro da Economia, Paulo Guedes, a abrir o cofre para que o Bolsonaro e eles próprios possam mostrar serviço ao eleitor.

Eleições sujas
O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira 2 que o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luis Roberto Barroso quer eleições sujas e não democráticas em 2022. Em conversa com apoiadores que durou 40 minutos, o chefe do Executivo fez diversas críticas ao presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, do PT.

Declaração
“O que está em jogo? É impor uma ditadura no Brasil usando as armas da democracia. Se esse cara [Lula] volta, e tem tudo para voltar… Vamos pegar a realidade, é a realidade. Os mesmos que o tornaram elegível é que vão contar os votos na sala secreta. Acha que não vai voltar?”, disse o presidente, no Palácio da Alvorada.

Lobista
E completou Bolsonaro: “Quem quer eleição suja e não democrática é o ministro Barroso. Esse cara se intitula como quem não pode ser criticado. Ele foi para dentro do parlamento fazer lobby”. Bolsonaro afirmou que, se Lula for eleito em 2022, o Brasil acaba. Chamou o ex-presidente de picareta, bêbado, cachaceiro, incompetente e corrupto.

Mudança
O presidente Jair Bolsonaro admitiu que o horário de verão pode voltar a vigorar no país, desde que essa seja a vontade da população. Ele sugeriu enquetes em rádios para saber o que os brasileiros pensam dessa medida. Em entrevista à Rádio ABC, de Novo Hamburgo (RS), nesta segunda, ele foi questionado como via os pedidos de setores da economia que sugerem a medida de adiantar em uma hora os relógios do país durante primavera e verão com o objetivo de conter os gastos de energia em regiões que têm mais luz solar.

Lei Ezequiel
Um grupo de jipeiros integrantes de entidades representativas do movimento se reuniu ontem com o presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB). No encontro, além de agradecer pela Lei de autoria do parlamentar recentemente aprovada pela Casa e sancionada pelo Executivo – que regulamenta as atividades do setor -, celebraram o fomento à economia gerado com a iniciativa.

Estável
A taxa de ocupação de leitos críticos das unidades públicas de saúde no RN é de 37,6%, registrada ontem. Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 194. Até o momento desta publicação são 189 leitos críticos (UTI) disponíveis e 114 ocupados, enquanto em relação aos leitos clínicos (enfermaria), são 235 disponíveis e 80 ocupados. Segundo a Sesap, a Região metropolitana apresenta 38,1% dos leitos críticos ocupados, a região Oeste tem 37,8% e a Região Seridó tem 33,3%.

Aquecimento
O comércio deverá ficar aquecido durante esta semana que antecede o Dia dos Pais, resultando num faturamento de aproximadamente R$ 44 milhões com as vendas na capital. O número é 22,2% maior do que o computado na mesma pesquisa realizada no ano passado, que estimava movimento em torno de R$ 36 milhões na economia de Natal. O consumo médio deverá ficar em R$ 119,49 por compra.

Recordes
A Região Nordeste vem batendo recorde na produção de energia solar. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), no dia 19 de julho, a geração instantânea (pico) alcançou 2.211 MW, às 12h14, montante suficiente para atender a 20% da demanda do Subsistema do Nordeste naquele momento. O último recorde do tipo foi registrado no dia 28 de junho.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.