BUSCAR
BUSCAR
Presidência da Câmara
Artistas e influenciadores cobram votos contra Arthur Lira nas redes
Ingrid Guimarães, por exemplo, cobrou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), cujo partido já faz parte do bloco que declarou apoio a Rossi. Leandra Leal marcou o subtenente Gonzaga (PDT-MG)
Estadão
30/01/2021 | 16:11

Um coletivo de artistas e influenciadores digitais liderado pela produtora Paula Lavigne lançou uma campanha nas redes sociais para cobrar de parlamentares um posicionamento público contra a eleição de Arthur Lira (PP-AL) para a Presidência da Câmara. Nomes como Patrícia Pillar, Fábio Porchat, Ingrid Guimarães, Marcelo Adnet e Leandra Leal pedem a adesão à hashtag #LiraNão.

Os participantes da campanha do coletivo 342 Artes têm publicado mensagens parecidas com essa: “Oi, Deputado! Dia 1º é a votação para presidente da câmara. Acredito que estamos do mesmo lado: o oposto do Bolsonaro. Então, peço para você garantir publicamente que não votará em Arthur Lira. Podemos contar com você?”

Ingrid Guimarães, por exemplo, cobrou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), cujo partido já faz parte do bloco que declarou apoio a Rossi. Leandra Leal marcou o subtenente Gonzaga (PDT-MG). Fábio Porchat, por sua vez, mandou mensagens para Tiago Dimas (Solidariedade-TO) e Rogerio Correa (PT-MG). Julia Lemmertz pediu posicionamento de Rafael Motta (PDT-RN).

Alguns parlamentares já responderam aos questionaramentos. Tabata Amaral (PDT-SP) gravou um vídeo para dizer que apoia a campanha de Baleia Rossi (MDB-SP) por ser “o único candidato independente que tem chances reais de ganhar essa eleição”. O deputado Paulo Ramos (PDT-RJ) respondeu à atriz Patrícia Pillar que não votaria em Arthur Lira.

Baleia Rossi agradeceu as manifestações contrárias à candidatura de Lira. “Sei que não é algo pessoal. Mas todos queremos uma Câmara independente”, escreveu ele no Twitter.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.