BUSCAR
BUSCAR
Natal
Após dois resultados positivos de Covid-19 em 5 meses, universitária de Natal teme nova infecção
Os dois testes positivos foram feitos pelo método Swab RT-PCR (cotonete), considerado padrão-ouro pelos infectologistas
Bruno Vital
11/12/2020 | 07:00

Uma estudante de 19 anos recebeu diagnóstico positivo duas vezes para Covid-19 em um intervalo de cinco meses em Natal. Ambos os exames foram feitos por um laboratório privado da capital potiguar.

O último resultado positivo para detecção da doença ocorreu em outubro, um mês e meio antes da confirmação do primeiro caso notificado de reinfecção por Covid-19 no Brasil, que foi registrado no Rio Grande do Norte. A informação foi divulgada pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesap) na quarta-feira 9.

Gabrielle Cuellar fez o primeiro exame no dia 20 de maio e o segundo em 26 de outubro, o que caracterizaria um caso de reinfecção. Os dois testes positivos foram feitos pelo método Swab RT-PCR (cotonete), considerado padrão-ouro pelos infectologistas e que detecta se o vírus está no corpo no momento da coleta. Entre um diagnóstico e outro, Gabrielle também foi submetida ao teste sorológico para detectar a presença de anticorpos, mas o resultado foi negativo.

Após o segundo diagnóstico positivo para Covid-19, ela afirmou ter procurado assistência na rede pública de saúde para informar a segunda infecção, mas se sentiu “desamparada”.

“Eu que fui atrás para ligar, tentar contato e buscar alguma orientação, mas não me deram ouvidos. Resolvi então ir para as redes sociais esperando que alguém pudesse me dar uma luz sobre o que fazer. Quem me deu uma orientação foi a vigilância sanitária que me encaminhou para um exame de sangue, dois dias depois da segunda infecção. Fiz o exame, mas não me retornaram nada sobre”, conta a estudante de Gestão de Políticas Públicas da UFRN.

Primeiro diagnóstico

De acordo com Gabrielle, os sintomas começaram com tonturas constantes e depois evoluíram para fortes dores de cabeça, enjoo, falta de ar, falta de apetite e cansaço. “Depois das tonturas fui fazer o teste por precaução e deu positivo. Só após a confirmação que tive os outros sintomas. Tive muita falta de ar, não conseguia falar por mais de 10 segundos e não conseguia ficar muito tempo em pé”, detalha.

“O que me tranquilizava na primeira vez era o pensamento de que eu logo teria imunidade e poderia doar sangue em seguida para ajudar nas pesquisas para combater a pandemia”, completa Gabrielle. No entanto, não foi isso que aconteceu. Em 23 de setembro, ela passou pela sorologia para identificar defesas, mas o exame não detectou anticorpos para o novo coronavírus.

Após dois resultados positivos de covid-19 em cinco meses, universitária teme nova infecção em natal: “estou assustada”
Primeiro teste em maio – Foto: Cedida
Após dois resultados positivos de covid-19 em cinco meses, universitária teme nova infecção em natal: “estou assustada”
Teste para identificar anticorpos em setembro – Foto: Cedida

Segundo diagnóstico e medo de um terceiro

Com o segundo resultado positivo da nova doença em mãos, o susto foi ainda maior, segundo a curitibana que mora em Natal há três anos. Ela conta que teve os mesmos sintomas da primeira vez, mas mais intensos.

“Alguns médicos falaram pra mim que meu corpo não está reagindo à doença, está tratando ela como algo comum e que eu só vou reagir para combater isso depois que ficar mal a ponto de ficar em uma situação grave. Isso é algo muito assustador pra mim porque da segunda vez foi mais forte, então em caso de uma terceira vez seria mais forte ainda”.

Quase dois meses depois dos sintomas do segundo teste positivo, a universitária segue sentindo falta de ar e fortes dores de cabeça de forma esporádica. Ela pretende fazer um novo teste de anticorpos ainda neste ano.

Após dois resultados positivos de covid-19 em cinco meses, universitária teme nova infecção em natal: “estou assustada”
Segundo teste em outubro – Foto: Cedida

O que dizem as autoridades sanitárias

Gabrielle Cuellar fez os três exames (dois para detecção do vírus e um para detecção de anticorpos) no laboratório DNA Center, que tem sede em Natal.

Procurados, os responsáveis pela unidade informaram que “o processo de constatação de reinfecção é da alçada dos órgãos públicos e exige estudos técnicos aprofundados, não cabendo ao DNA Center conclusões a respeito”, e que “as informações de saúde dos clientes DNA Center são sigilosas, sendo sua divulgação arbitrada pelos pacientes ou autoridades de saúde, neste último caso, se houver comprovado interesse público”.

A direção do DNA Center afirmou ainda que notifica todos os exames positivos de Covid-19 à saúde pública.

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS) informou que apura todas as notificações que recebe, seja de origem pública ou privada, e que orienta os laboratórios particulares a preencher as planilhas de notificação.

Até o fechamento desta reportagem, o Rio Grande do Norte tem nove casos notificados de reinfecção por Covid-19, sendo cinco em Natal. Ao todo são uma confirmação, cinco em investigação e três com “inviabilidade de análise”. Por causa do sigilo das informações determinado pelas autoridades sanitárias potiguares, não é possível saber se o caso de Gabrielle Cuellar está sendo investigado ou se é um caso subnotificado.

Primeiro caso confirmado de reinfecção no Brasil é registrado do RN, diz Sesap

A Sesap confirmou o primeiro caso de reinfecção de Covid-19 através da metodologia da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) por sequenciamento genético. O caso é o primeiro no Brasil a ser confirmado pelo Ministério da Saúde.

O Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Rio Grande do Norte (CIEVS-RN) recebeu uma notificação de caso suspeito para reinfecção no dia 23 de outubro de 2020. A paciente, residente do município de Natal, 37 anos, é profissional de saúde em serviços no Rio Grande do Norte e na Paraíba.

Ela apresentou um quadro de síndrome gripal (cefaléia, dor abdominal e coriza) em 17 de junho de 2020 e coletou amostra para um teste de RT-PCR no Estado da Paraíba em 23 de junho de 2020, tendo resultado positivo.

Em 11 de outubro de 2020, a paciente voltou a apresentar um quadro de síndrome gripal (astenia, mialgia, cefaléia frontal e distúrbios gustativos e olfativos), com coleta de amostra para um novo teste em 13 de outubro, também positivo.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.