BUSCAR
BUSCAR
Opinião
Após áudios, Caio Ribeiro diz que Robinho “perde o benefício da dúvida”
O comentarista ainda afirmou que achou "desde o início que o Santos deveria rescindir o contrato com Robinho".
Uol
19/10/2020 | 17:44

O comentarista Caio Ribeiro voltou atrás em seu posicionamento sobre a condenação do atacante Robinho em primeira instância na Itália por estupro. Durante participação no Globo Esporte desta segunda-feira 19, o ex-jogador afirmou que, após ouvir os áudios de interceptações telefônicas feitas pela justiça italiana, concluiu que o atacante “perde o benefício da dúvida”.

“Na hora que eu vejo como o Robinho se dirige à vítima, a forma como ele fala sobre o estado da menina, eu, que tenho uma filha menina, me caiu mal, me deu dor de estômago. Acho que analisando tudo que surgiu durante o final de semana, ele perde o benefício da dúvida e tem que pagar como qualquer outra pessoa”, afirmou Caio Ribeiro.

O comentarista ainda afirmou que achou “desde o início que o Santos deveria rescindir o contrato com Robinho”.

Na sexta-feira, Caio Ribeiro ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter após afirmar, durante participação no “Tá Na Área”, do SporTV, que o ídolo santista “merece o benefício da dúvida” e que “quem tem que julgar é a Justiça”.

“Acho um assunto super delicado e fico muito chateado porque conheço o Robinho. Torço ainda pela absolvição dele. O Robinho que eu conheço, que tem três filhos e é casado, eu nunca imaginei que faria. Torço para que as informações cheguem e ele não tenha feito o que parece ser a notícia”, disse Caio Ribeiro, no mesmo dia em que as transcrições do julgamento na Itália em que o jogador afirma que “a mulher estava completamente bêbada” vieram a tona.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.