BUSCAR
BUSCAR
Vacinação

Anvisa recusa documentos de pedido de uso emergencial de vacina Sputnik V

Solicitação não teria apresentado requisitos mínimos para submissão da agência, segundo a agência
Folha de S.Paulo
17/01/2021 | 08:09

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recusou os documentos relacionados ao pedido de uso emergencial da vacina Sputnik V contra a Covid-19. A solicitação do laboratório União Química não apresentou os requisitos mínimos para submissão da agência, segundo nota divulgada neste sábado 16 pelo órgão.

O pedido foi devolvido à empresa por não atender, segundo a Anvisa, os critérios mínimos, especialmente pela falta de autorização para a condução dos ensaios clínicos fase 3, a condução em andamento no país e questões relativas às boas práticas de fabricação, diz a nota.

Anvisa recusa documentos de pedido de uso emergencial de vacina sputnik v
França é um dos países que já iniciaram a campanha de vacinação contra a Covid-19 - Foto: Jeff Pachoud/AFP

O pedido de uso emergencial da vacina russa havia sido protocolado na sexta-feira 15.

“A Agência esclarece que não basta o pedido de autorização de estudo clínico de fase 3 estar protocolado para pedir uso emergencial. É necessário que tais estudos estejam em andamento no país, além de outras medidas condicionantes já previstas”, diz a nota.

Segundo a agência, a solicitação de uso emergencial deve seguir regulamentações vigentes, o que não teria ocorrido.

Secretários estaduais de Saúde haviam se queixado que a Anvisa apresentara entraves ao imunizante ao exigir que estudos clínicos (fase 3) fossem feitos no Brasil para liberar o uso emergencial, segundo informado pelo Painel.

A Anvisa afirma que já analisou o pedido de anuência para condução dos ensaios clínicos de fase 3 e, desde o dia 4 de janeiro, aguarda o envio de informações essenciais indicadas pela agência para a empresa. O pedido de autorização da pesquisa foi feito no dia 31 de dezembro de 2020.

O governo Jair Bolsonaro (sem partido) fracassou na tentativa de obter com a Índia um lote de vacinas da Oxford/Astrazeneca. Com o veto da Índia, o presidente Bolsonaro corre o risco de assistir o início da vacinação no Brasil com a Coronavac, que tem sido utilizada como trunfo do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Professores decidem manter greve nas UFs após nova negociação
A paralisação já dura dois meses e alcança 61 instituições
15/06/2024 às 09:44
Lula defende taxação dos super-ricos e combate à fome na OIT
Presidente participa na Suíça de evento sobre Justiça Social
13/06/2024 às 15:53
Lulu Santos é internado em hospital após passar mal e shows são cancelados
Cantor foi internado e ficará em observação por dois dias
08/06/2024 às 18:13
STF marca para dia 12 julgamento sobre correção do FGTS
Discussão foi interrompida em novembro do ano passado
03/06/2024 às 12:14
Governo Central tem superávit primário de R$ 11,1 bilhões em abril
Resultado fica abaixo da expectativa de especialistas
28/05/2024 às 14:46
IBGE: calamidade prejudica coleta de preços para cálculo da inflação
Instituto precisou imputar preços de hortaliças e verduras
28/05/2024 às 12:12
Renegociação do Desenrola Fies termina na próxima sexta-feira
Até o dia 15, haviam sido renegociados mais de R$ 12,92 bilhões
27/05/2024 às 16:07
Nível do Guaíba em Porto Alegre volta a ficar abaixo dos 4 metros
Defesa Civil municipal alerta para risco de mais chuvas
27/05/2024 às 15:23
Auxílio Reconstrução: famílias devem confirmar dados a partir de hoje
Até o momento, estão contemplados com o auxílio 369 municípios gaúchos
27/05/2024 às 13:27
Magda Chambriard toma posse como presidente da Petrobras
Ela assumiu logo após ser eleita pelo Conselho de Administração
24/05/2024 às 12:12