BUSCAR
BUSCAR
Oscar 2023

Animação ‘Perlimps’ sucede ‘Menino e o Mundo’ e lembra briga de gigantes no Oscar

Cineasta premiado em Annecy por "O Menino e o Mundo" arranhava as folhas em branco com lápis coloridos, com a dedicação de um menino
08/02/2023 | 19:42

Com os pés descalços e um caderno de desenhos no colo, Alê Abreu observava o entra e sai de jornalistas num cenário de programa televisivo improvisado numa casa da Vila Madalena, em São Paulo, na semana passada.

Entre uma entrevista e outra, o cineasta premiado em Annecy por “O Menino e o Mundo” arranhava as folhas em branco com lápis coloridos, com a dedicação de um menino.

Critica Perlimps Ale Abreu
Perlimps - Foto: Reprodução

Foi um menino, aliás, que ele diz ter dirigido o novo trabalho. Em “Perlimps”, Abreu deixa que sua criança interior assuma o comando. O método é não ter método, e as ideias -visuais, personagens, argumentos- pipocam em seu cérebro sem aviso, por isso a urgência em pôr tudo no papel.

O resultado dessa ebulição de imagens que ele conta ter na cabeça é um filme de cores intensas e personagens inventivos, em que árvores nem sempre têm folhagem verde e em que ursos e lobos assumem características físicas de mais outra dezena de animais.

“Eu não tenho um processo criativo muito claro e nem desejo ter. Eu vou colecionando coisas que brilham e vou guardando essas ideias em pastas plásticas. São fragmentos que depois se tornam cenas”, tenta explicar, depois de deixar o estojo descansando numa mesa ao lado.

“Perlimps” surgiu a partir da imagem de um menino que saía de uma floresta alagada. Abreu passou a ideia para o papel e a deixou amadurecer, enquanto ia trabalhando em elementos do entorno daquela história ainda sem linha narrativa. Num fim de semana, foi sozinho a uma pousada no interior de São Paulo, abriu as pastas plásticas e pendurou todas as frases e imagens que havia colecionado nas paredes.

Da rápida viagem, o cineasta e artista plástico saiu com um argumento ainda muito rudimentar, mas suficiente para que “Perlimps” florescesse. O longa é centrado em duas crianças com características de animais -uma, pertencente ao chamado Reino da Lua, é praticamente um urso, e a outra, do Reino do Sol, é como um lobo.

Rivais, elas estão na mesma missão secreta e, por isso, decidem juntas atravessar uma floresta encantada em busca dos seres fantasiosos que dão nome ao filme. Só eles podem ajudá-las a salvar o mundo dos Gigantes, que “precisam da guerra” para manter seu poder e que seguem uma cartilha que prega a divisão, a intolerância e a destruição.

“Eu digo que quem dirige meus filmes é o Alê criança, porque eu estou sempre brincando. Eu recorro a esse lado meu todos os dias, porque através dele eu consigo ler questões do mundo, como a guerra, a questão dos povos originários, a polarização política, com um filtro diferente, fazendo arte”, responde Abreu ao ser questionado sobre os laços de “Perlimps” e a realidade aturdida por um conflito na Ucrânia, a crise dos yanomamis e um Brasil dividido.

Nas cenas de um forte colorido, que põem tons quentes explosivos para contrastar com os frios intimistas, tanques desfilam pelas ruas, o meio ambiente é ameaçado pelas fábricas e muros separam humanos, num contexto que assusta os protagonistas Claé e Bruô.

É uma diferença e tanto de seu antecessor, “O Menino e o Mundo”, animação celebrada que rendeu a Abreu uma indicação ao Oscar em 2016. Nela, os brancos predominavam, em meio a traços mais rudimentares, que lembravam os rabiscos numa folha de papel.

A premissa de “Perlimps”, de duas crianças numa guerra aparentemente perdida contra gigantes, aliás, parece refletir a do próprio cineasta, que naquele Oscar concorreu contra a Pixar, a Studio Ghibli e a Aardman Animations -perdeu a estatueta para o ultrafavorito “Divertida Mente”, mas não sem receber elogios de seu diretor e chefão da primeira produtora, Pete Docter.

Abreu conta que num dos jantares promovidos pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, o americano que esteve à frente de “Monstros S.A.”, “Up: Altas Aventuras” e “Soul” sentou ao seu lado, no chão mesmo, e o fez se sentir em casa, como se rodeado por amigos.

Concebido sob a pressão de ser o sucessor de “O Menino e o Mundo”, “Perlimps” compartilha das mesmas ambições. A ideia, conta Abreu, é fazer uma campanha para o Oscar do ano que vem. “Mas apesar de as pessoas me perguntarem sobre o caminho do filme, a verdade é que os filmes têm caminhos próprios”, pondera.

PERLIMPS

Quando Estreia nesta quinta (9), nos cinemas
Classificação Livre
Produção Brasil, 2022
Direção Alê Abreu

LEONARDO SANCHEZ – SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Final do Festival do Industriário 2024 – SESI Entoando Canções surpreende, lota Teatro e encanta público em Natal
Ação apresentou novas vozes musicais do Rio Grande do Norte e promoveu uma noite repleta de boa música
01/06/2024 às 09:07
Tiago Iorc canta no Teatro Riachuelo
Com show íntimo e exclusivo, cantor passará por 6 capitais para celebrar a data mais romântica do ano
01/06/2024 às 08:22
Leo Souza estreia última temporada no Mistura Inter TV
Temporada junina, que está sendo gravada em Macaíba, se estenderá até o dia 29 de junho
25/05/2024 às 09:56
Conheça as novas vozes musicais do RN na Semifinal em Mossoró que acontece nesta sexta-feira
Etapa será realizada no auditório do SESI local, a partir das 20h e conta com participação especial de Bia Gurgel - entrada gratuita, retirada de ingresso pelo Sympla.com
21/05/2024 às 18:37
Influencer dos EUA viraliza após ler Machado de Assis: “Melhor livro já escrito”
Tiktoker ficou encantada após ler "Memórias Póstumas de Brás Cubas"
20/05/2024 às 20:43
Dançarino potiguar apresenta espetáculo em festival mineiro
Alexandre Américo leva espetáculo “Bípede Sem Pelo” no Festival Solos Dissidentes
14/05/2024 às 08:03
Katy Perry chega a 4 bilhões de visualizações e é a mulher com clipe mais visto
11 anos após seu lançamento, vídeo levou a cantora a atingir o posto mulher com mais audiência em uma música no Youtube
13/05/2024 às 18:53
Em dia das mães, internautas relembram o filme “Minha mãe é uma peça” de Paulo Gustavo
A trilogia que começou em 2013 foi baseada em uma peça homônima também escrita pelo ator que morreu há 3 anos por complicações da Covid-19
12/05/2024 às 16:35
Atriz revela que já se sentiu enjoada depois de beijar alguns atores
A atriz falou o desafio de desempenhar papéis românticos com atores pelos quais não sentia afinidade
08/05/2024 às 17:35
Lily Allen quer ser enterrada com seu celular por motivos “sombrios”
Cantora fez revelações bombásticas em entrevista a um podcast sobre seus hábitos estranhos
08/05/2024 às 17:17
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.