BUSCAR
BUSCAR
História
Análise indica que esqueleto encontrado perto de igreja passou por tortura e foi estilhaçado até a morte
Arqueólogos acreditam que a vítima era um homem com idade entre 17 e 20 anos
Agência O Globo
28/09/2021 | 19:37

Um esqueleto descoberto perto da Catedral de Milão (Itália) é um exemplo raro de um dos métodos de execução mais horríveis da História. Os restos mortais do jovem mostram que ele foi estilhaçado até a morte em uma roda de tortura, que foi usada para punir criminosos na Idade Média. Acredita-se que a morte por tortura tenha sido comum na Itália medieval e carrascos habilidosos usavam muitos métodos e dispositivos diferentes para infligir uma dor agonizante.

Em artigo publicado na revista “Journal of Archaeological Science”, cientistas da Università degli Studi di Milano afirmam que a descoberta pode representar um dos casos de tortura mais horríveis já encontrados.

Os arqueólogos acham que a vítima era um homem com idade entre 17 e 20 anos. Ele teria dentes tortos e desfigurações faciais que poderiam tê-lo levado a ser torturado por ter uma aparência diferente. Além disso, ele era cerca de 11 centímetros mais baixo do que a altura média para sua idade. Os cientistas argumentam que, em uma sociedade materialista, essa pessoa pode ter gerado histeria em massa e pode ter sido culpada pelos problemas por uma multidão enfurecida.

Na roda de tortura (também chamada de roda de Santa Catarina ou apenas a roda), as pessoas ficavam presas a uma roda de madeira (como as de carroça), que girava para quebrar ossos. O número de vezes que a roda girava era muitas vezes decidido por um tribunal, geralmente influenciado pela Igreja, e às vezes a vítima caía sobre objetos pontiagudos. A vítima tinha seus membros quebrados enfiados nos raios das rodas para que a tortura pudesse continuar. Torturadores usavam, ainda, maças e martelos para inflingir mais sofrimento aos condenados. Algumas rodas também eram giradas sobre o fogo.

Os torturadores usavam lâminas, chicotes e outras armas na pessoa indefesa antes de exibir o seu corpo em praça pública para que os outros fossem avisados ​​para não cometer crimes semelhantes.

A agonia poderia demorar dias. Vítimas “mais sortudas” podiam acabar quebrando a roda da tortura. Os torturados viam isso como uma clara mensagem de Deus indicando “absolvição”.

Testes radioquímicos sugerem que o jovem viveu entre os anos de 1290 e 1430. Inicialmente, pensou-se que ele tivesse morrido em batalha, mas as feridas no esqueleto eram tão horríveis e diferentes dos outros esqueletos ao seu redor que estava claro que algo muito mais sinistro havia acontecido.

Os ossos longos nos braços e nas pernas foram estilhaçados de forma precisa. Além disso, o torturado teve um ferimento a faca nas costas e há evidências que sugerem uma tentativa de decapitação fracassada ocorrida antes do castigo final na roda. Fivelas (que seriam usadas para prender o corpo ao mecanismo de tortura) encontradas ao lado do esqueleto são o principal fator de ligação à teoria da roda. Até hoje há raríssimos exemplares de vítimas de rodas de tortura.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.