BUSCAR
BUSCAR
Opinião
Alguém tem que dar um basta; leia coluna de Pedro Neto
Confira os destaques da coluna de Pedro Neto na edição desta quinta-feira 23 na do AGORA RN
Pedro Neto
23/11/2023 | 05:00

Confesso que não entendo por que o poder público brasileiro não tomou até hoje nenhuma providência no tocante aos demandos que acontecem no futebol brasileiro há décadas. MP, Câmara dos deputados, Senado Federal e Ministério da Justiça assistem a tudo que acontece de errado no nosso futebol sem nada fazer. Será que nenhum dos órgãos citados acima tem condições de desbaratar essa quadrilha que rouba o futebol brasileiro? Que poder paralelo é este que não dá satisfação a ninguém? Que não teme ninguém? E não me venham dizer que é porque a CBF é uma instituição privada. Que não tem dinheiro público. O povo unido já derrubou bandidos bem mais poderosos, inclusive na política. Então, porque não conseguem derrubar bandidos que se locupletam no futebol? Já passou da hora de um poder maior agir contra estes ladrões que se apossaram do futebol brasileiro.

Os ratos não saíram do porão

Quando da confusão antes do início da partida entre Brasil x Argentina, o presidente da AFA, Cláudio Tapia, entrou em campo para conversar com o árbitro da partida, com o delegado e com os membros da comissão técnica da sua seleção. Já pelo lado brasileiro não apareceu um rato da CBF, nem mesmo para dizer que tínhamos um representante no Maracanã. Agora, aposto que estavam em algum camarote comendo lagosta, camarão, tomando Moet & Chandon e rodeados de puxa-sacos. Os ratos são mesmo animais desprezíveis.

Inadmissível

O que aconteceu no Maracanã na partida Brasil x Argentina é inadmissível. E como não poderia ser diferente, não apareceu ninguém para assumir o erro. A CBF colocou a culpa na administração do Maracanã, que por sua vez colocou a culpa na CBF. É sempre assim. Quando o menino é feio, ninguém quer ser o pai. Agora, é inadimissível isso ainda acontecer.

Um ano perdido

O ano de 2023 pode ser considerado como perdido para a seleção brasileira. Deu tudo errado. Senão vejamos. Nunca antes a seleção brasileira havia ficado quatro jogos sem vitória nas Eliminatórias. Nunca antes a seleção brasileira havia perdido para a Colômbia nas Eliminatórias. Nunca antes a seleção brasileira havia perdido uma partida pelas Eliminatórias em casa. Pois, em 2023 tudo isso aconteceu. Agora, é trabalhar para não repetir em 2024 os mesmos erros de 2023.

Desculpa ridícula

A desculpa dos formadores de opinião do Sul/Sudeste, de que a seleção brasileira perdeu por conta das ausências de Neymar e Vinicius Júnior, soa como piada. Esquecem estes mesmos senhores que Neymar e Vinicius Júnior estavam no empate contra a Venezuela e na derrota para o Uruguai. Reconhecer nossos erros é a primeira premissa para quem quer voltar a ser um vencedor. Simples assim.

Não acredito que chegue ao fim do ano

Não acredito que Fernando Diniz permaneça no comando da seleção brasileira. Aliás, acredito que não chegue nem mesmo ao fim do ano. A seleção brasileira só voltará a atuar em março/24, quando enfrentará Inglaterra e Espanha em dois amistosos. Portanto, a madrasta (CBF) terá tempo hábil para anunciar o novo comandante. Seja Carlos Ancelotti ou algum outro técnico. Aguardemos.

Chegou ao fim

Argel Fuchs e o ABC já não têm mais nada em comum. Ontem, a direção do clube informou nas suas redes que Argel Fuchs não seguirá no comando da equipe para 2024. Inclusive, nem mesmo comandará a equipe na partida de depois de amanhã contra o Vila Nova. Acerta a direção em não ter permanecido com Argel Fuchs. Que o técnico seja feliz em um novo clube.

AeroVila

Segundo o grupo Itatiaia (GO), o cantor sertanejo Tiago Brava trabalha para fechar um grupo de 60 torcedores do Vila Nova para virem a Natal, em voo fretado, um bate e volta, para incentivar a equipe goiana contra o ABC. Cada torcedor terá que desembolsar a “pequena quantia” de R$ 15 mil para viajar até Natal. Os caras estão acreditando muito no acesso do Vila Nova.

Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.