BUSCAR
BUSCAR
Educação
AES Brasil e SENAI formam primeiras mulheres especialistas no RN em manutenção e operação de eólicas
A especialização reuniu 73 mulheres e é considerada um marco para a indústria e para a participação feminina no estado, líder nacional do setor.
Redação
24/08/2023 | 16:30

A AES Brasil e o SENAI-RN formam, nesta quinta-feira (24), as primeiras especialistas no Rio Grande do Norte em manutenção e operação de parques eólicos. A especialização reuniu 73 mulheres e é considerada um marco para a indústria e para a participação feminina no estado, líder nacional do setor.

Segundo as instituições envolvidas, o objetivo do projeto foi ampliar a disponibilidade de profissionais qualificadas para atender a demanda da atividade, em curva de expansão no país. Alunas concluintes do curso também participarão do processo de seleção para compor a equipe do Complexo Eólico Cajuína, que a AES Brasil está implantando na região do Sertão Central Cabugi, entre os municípios potiguares de Lajes, Angicos, Fernando Pedroza e Pedro Avelino.

“Estamos muito honrados em celebrar a formatura de mais de 70 mulheres capacitadas em manutenção e operação de parques eólicos, por meio da parceria com o SENAI/RN, reforçando o compromisso da AES Brasil com a diversidade e a igualdade de gênero no setor de energias renováveis”, afirma Rodrigo Porto, diretor de Recursos Humanos, Gestão e Serviços Compartilhados na AES Brasil. “A AES Brasil é uma empresa de energia 100% renovável, com planos sólidos e ousados de crescimento, como comprovam os investimentos nos Complexos Eólicos de Cajuína (RN) e Tucano (Bahia), ambos 100% operados por mulheres”, diz Porto.

Formatura

Concluída em agosto, a Especialização Técnica em Manutenção e Operação de Parques Eólicos exclusiva para mulheres teve 460 horas – o equivalente a aproximadamente seis meses – e foi oferecida de forma gratuita, com aulas online (ao vivo) e um encontro presencial.

A cerimônia que marca o encerramento do curso faz parte da programação do Sistema FIERN Experience, evento que vai proporcionar ao público uma imersão no universo de inovações e tecnologias que o Sistema Indústria oferece, por meio do SENAI, do SESI e do IEL no estado.

Discussões com grandes players das indústrias de energia, alimentos, moda e veículos também integram a programação de palestras com temas ligados à sustentabilidade, transformação dos negócios, futuro e ESG (sigla em inglês para environmental, social and governance, que corresponde às práticas ambientais, sociais e de governança das organizações).

A formatura das primeiras especialistas do estado na área de manutenção e operação de parques eólicos será realizada no primeiro dia do evento, na sequência da palestra “Diversidade e Inclusão no Setor Eólico”, da gerente de ESG na AES Brasil, Andrea Santoro. A palestra terá início às 18h30 e está com vagas esgotadas.

Impulso

“O setor de energias renováveis é uma das principais forças do PIB do Rio Grande do Norte e promover o acesso à educação de qualidade para impulsionar o crescimento sustentado da indústria e a diversidade de pessoas nesse processo é crucial”, diz o diretor do SENAI-RN e do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER), Rodrigo Mello.

“Consideramos nossa parceria com a AES Brasil estratégica em um cenário de expansão da atividade no onshore e em que novas perspectivas se abrem no Brasil com o offshore. É um tipo de ação que, sem dúvida, pavimenta caminhos para que horizontes com mais oportunidades de empregos de qualidade e com melhor remuneração sejam alcançados”, complementou o executivo.

Amora Vieira, diretora do Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis (CTGAS-ER), o centro do SENAI à frente da iniciativa, chamou a atenção para o ineditismo da parceria e o alinhamento que existe com metas globais do setor, também estratégicas para a instituição.

O Programa de Capacitação está alinhado às estratégias da AES Brasil e do SENAI-RN com foco nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), em prol de avanços em áreas como oferta de educação de qualidade, redução das desigualdades e igualdade de gênero. Também está inserido em esforços relacionados ao Pacto Global de Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Anticorrupção da Organização das Nações Unidas (ONU), que tem as duas instituições como signatárias.

“A gente traz, com esse projeto, uma conexão com o que temos trabalhado firmemente, o intensificar ações voltadas para a inserção das mulheres nas profissões tecnológicas”, frisa Amora e acrescenta: “Essa formação abre importantes perspectivas para as mulheres que estão se formando. Todas são originárias de uma formação técnica e agora com especialização há um sentimento de que potencializam o currículo, a formação, para ingressar em carreiras dentro de empresas da área de energia. Abrem-se essa perspectiva para elas enquanto alunas olhando o futuro e possibilidades a partir dessa formação. Para a sociedade, o projeto ratifica e afirma que o SENAI tem atuado na formação de mulheres para a área tecnológica”.

A Especialização contou com a participação de mulheres com formação inicial em eletrotécnica, mecânica e segurança do trabalho. O processo seletivo recebeu aproximadamente 600 currículos e, devido ao alto nível das candidatas, o número de vagas, que seria originalmente 60, acabou ampliado.

As participantes têm entre 19 e 57 anos e são oriundas de 17 municípios do Rio Grande do Norte, incluindo Natal, Parnamirim, Mossoró, São Gonçalo do Amarante, Lajes, Macaíba, Angicos, Assu, Caicó, Canguaretama, Ceará-Mirim, Cerro Corá, Extremoz, João Câmara, Nísia Floresta, Patu e Serra do Mel.

Noções de Projetos de Redes de Distribuição, Montagem e Manutenção de Rede de Distribuição, Operação de Equipamentos e Dispositivos de Redes de Distribuição, Subestações, Desenvolvimento de Pessoas, Indústria 4.0, Máquinas elétricas, Fundamentos e Aplicações da energia eólica, Planejamento e controle da manutenção e Segurança do trabalho estão entre as disciplinas cursadas.

Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.