BUSCAR
BUSCAR
Bastidores
A superveloz tecnologia 5G do celular já está nas ruas do Brasil, mas Fábio Faria não quer que você saiba
Num vídeo que fez circular, o ministro sugere que o fato é propaganda enganosa
Pedro Doria, d'O Globo
13/08/2021 | 12:06

Confira a coluna de Pedro Doria desta terça-feira 13 no jornal O Globo:

Numa manhã desta semana, peguei emprestado um iPhone 12 Pro Max, dentre os melhores celulares no mercado. Pus ao lado do meu aparelho, da versão anterior. Ambos lado a lado. De cara, a diferença na tela era uma só. No canto superior direito de um, 4G. No do outro, 5G. Disparei então, simultaneamente, um teste de velocidade. Meu aparelho, de que não tenho reclamações, encostou em 20Mbps. É uma velocidade que muita banda larga fixa não tem. Com bem menos disso já dá para ver um filme por streaming. No aparelho indicando 5G, passou de 150Mbps. Para padrões brasileiros, mesmo para máquinas conectadas à fibra óptica, isso é voar baixo. Em alguns cantos do país tem gente conseguindo passar dos 500Mbps no 5G.

Mas o ministro das Comunicações, Fábio Faria, quer proibir as operadoras de dizer que já começaram a oferecer a nova geração da telefonia celular em alguns lugares. Num vídeo que fez circular, sugere que é propaganda enganosa. Uma de suas cobranças é que tirem, dos aparelhos habilitados para a nova tecnologia, o indicativo “5G”.

O número de problemas nos argumentos usados por Faria não é pequeno. O primeiro, e talvez mais importante, é que a diferença na velocidade oferecida pelos serviços 4G e 5G é brutal. Sugerir que há enganação é desonesto. Velocidade de celular oscila, sim, depende de quantos aparelhos há na região, de obstáculos físicos, de inúmeros fatores. Mas a escala da distância entre uma geração e a outra é imensa.

O segundo problema está na definição do que é 5G. O termo é técnico, estabelecido por um consórcio internacional. Não é o ministério, a Anatel ou uma companhia telefônica que decide o que pode chamar de 5G. Se corresponde ao novo protocolo, então é.

Evidentemente, o governo Bolsonaro escolheu adiar por quase dois anos o leilão das faixas de frequência do 5G, e as operadoras ainda não podem ampliar seus serviços. Mas, como em todo canto do mundo, elas podem instalar o que se chama 5G DSS. É a nova tecnologia convivendo nas mesmas faixas do 4G. Quem tem celular mais antigo usará como antes. Quem tem os aparelhos novos — a Anatel já homologou 29 modelos 5G no país — terá 5G. Quando as novas frequências puderem ser usadas, a velocidade saltará para níveis que nem na banda larga fixa encontramos. Se não temos isso ainda, de novo, é porque o governo decidiu atrasar tudo para bajular Donald Trump numa briga inútil contra a chinesa Huawei.

Outro problema está no pedido de “retirar” o indicador 5G dos aparelhos. Porque nenhuma operadora tem esse poder. É o software em aparelhos da Apple, Samsung, Motorola, ou seja que marca for, que identifica o protocolo que está recebendo. De novo: a especificação é técnica e internacional. A única forma de as operadoras retirarem o indicador é negando a seus clientes o serviço.

O que faz zero sentido.

Evidentemente, o problema do ministro das Comunicações é outro. Fábio Faria foi para o governo na eterna esperança do Centrão de que conseguiria moderar Bolsonaro. Se tentou, não conseguiu. Tornou-se, isto sim, um bolsonarista radical. Tem um ministério na mão e quer usá-lo para impulsionar sua carreira política. É assim mesmo, faz parte de ser político. Para isso, precisa mostrar ter feito algo enquanto ocupou a posição. E aí está o pulo do gato: Faria quer fazer barulho no momento do leilão. Quer dizer que foi quem trouxe 5G para o Brasil.

Só que tanto o governo demorou, tanto o governo segurou, tanto hesitou, que as companhias fizeram o que têm de fazer, e tudo com autorização da Anatel. Já puseram o produto na rua e estão vendendo.

 

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.