BUSCAR
BUSCAR
Opinião
A saúde na UTI e o silêncio dos privilegiados; leia opinião do AGORA RN
Confira a análise do AGORA RN sobre o drama de pacientes que estão na fila por procedimentos cardiológicos enquanto operações estão suspensas
Redação
04/11/2023 | 05:00

A realidade brutal do sistema de saúde no Rio Grande do Norte — onde 34 crianças, entre elas três recém-nascidos, se debatem na fila de espera por cirurgias cardíacas urgentes — expõe uma chaga aberta na administração pública brasileira. Este cenário desesperador, que se estende a 71 adultos, incluindo 49 idosos aguardando cateterismos urgentes, é mais do que uma falha operacional; é o sintoma de um mal mais profundo, uma indiferença enraizada na classe política e nos gestores públicos que se distanciaram das necessidades básicas do povo.

Diante dessa tragédia que se desenrola sob os holofotes da urgência, emerge uma pergunta contundente: por que nossos políticos e detentores de cargos públicos deveriam gozar de privilégios na saúde que seus eleitores não têm? A resposta é crua e simples: não deveriam.

Defendemos, portanto, uma mudança radical na lei. Se os arquitetos e mantenedores do sistema público de saúde estivessem vinculados a ele pelos laços inalienáveis da própria necessidade de saúde, assistiríamos a uma revolução na qualidade dos serviços oferecidos à população. Exigir que políticos e detentores de cargos públicos se despojem de seus planos de saúde particulares e dependam exclusivamente do serviço público é impor um senso de urgência, é garantir que cada decisão, cada assinatura, reflita a realidade vivida por milhões de brasileiros. Afinal, ao político cabe a missão de zelar pelo que é público como representante do povo.

Isso é mais do que uma proposta utópica; é uma chamada para que os responsáveis pela gestão da saúde pública enfrentem as mesmas realidades que a população que juraram servir. A diferença seria palmar: o político que padece no aguardo de uma cirurgia cardiológica, que testemunha o desespero de um pai cujo filho está entre a vida e a morte, esperando por um procedimento urgente, terá muito mais dificuldade em ignorar as falhas do sistema do que aquele que se refugia na comodidade de um plano de saúde premium.

Quando a indiferença se instala no coração dos que têm por mandato a gestão da coisa pública, é sinal de que a distância entre governantes e governados atingiu seu ápice. Que os tribunais não sejam a única instância onde se busca justiça e equidade na saúde. Que os legisladores e gestores experimentem a amarga pílula da espera, para que a empatia volte a ser a base da legislação e da administração.

É chegado o momento de os políticos provarem de sua própria medicina para que, finalmente, possamos curar as enfermidades de um sistema que está em estado crítico. Só assim poderemos aspirar a um sistema de saúde que não apenas sobreviva, mas prospere, baseado na justiça e na equidade. O coração da nação não pode mais aguentar o peso de tanta indiferença.

RN receberá 24 mil chips de internet para estudantes de baixa renda
As escolas terão até o dia 30 de abril para realizar suas inscrições por meio da plataforma PPDE Interativo
18/04/2024 às 14:38
São Gonçalo Avança: Bairro Jardins tem obras de pavimentação e melhorias na infraestrutura
Prefeitura realizou obra completa de drenagem e pavimentação
18/04/2024 às 14:11
Governo divulga calendário de pagamento de servidores, incluindo 13° e pensionistas
Calendário de pagamento contempla mais de 1 milhão de servidores federais, entre eles servidores ativos, aposentados e pensionistas
18/04/2024 às 13:51
Semurb realiza demolição de ocupação irregular no Pitimbú
A ocupação irregular tratava-se de uma antiga região de duna ocupada por cigarreira em área pública
18/04/2024 às 12:58
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.