BUSCAR
BUSCAR
Turismo
A cidade do sol e os erros da retomada turística
Repórter fotográfico do Agora RN, Ney Douglas registrou o movimento na praia de Genipabu neste fim de semana. Após meses de pandemia, visitantes não seguiram as recomendações de distanciamento e também não usaram máscaras
Nathallya Macedo
18/08/2020 | 06:15

Um litoral com grandes atrações e cartões-postais em cenários paradisíacos. Sem dúvidas, a beleza do Rio Grande do Norte é marcada pelo mar e pelos dias de céu azul. O setor turístico, aliás, foi extremamente afetado pela pandemia da Covid-19, logo em março. O isolamento social começou com altos índices e muitos potiguares evitaram a circulação. Foram meses de redução de atividades não essenciais, de crise para os empresários do ramo e de receio para a população.

Agora, mesmo com a retomada das atividades comerciais e a flexibilização da quarentena, alguns moradores ainda não se sentem seguros para voltar às ruas e às praias, como é o caso de Andressa Maciel. Ao Agora RN, a potiguar de 28 anos contou que visitou Camurupim, no município de Nísia
Floresta.

“Fui em julho e usei máscara, também pratiquei o distanciamento. Mas vi que a orla estava cheia, como se nada estivesse acontecendo. Entendo que as pessoas vão porque não suportam mais ficar em casa, mas não me sinto segura em voltar”, relatou.

O repórter fotográfico Ney Douglas flagrou uma situação parecida durante o último fim de semana. A praia de Genipabu, na cidade de Extremoz, no litoral Norte, é repleta por imensas dunas e oferece um pôr do sol inesquecível, fazendo com que os visitantes se sintam em um verdadeiro oásis. A experiência, no entanto, precisa seguir alguns protocolos de segurança sanitária para evitar a propagação do coronavírus – medidas que ainda não estão sendo frequentemente adotadas entre os banhistas locais e turistas.

Os registros mostram grupos grandes, que não respeitaram as regras de distanciamento social. Além disso, a maioria das pessoas foi vista sem máscara na faixa de areia. Tal problema, contudo, não é um fato isolado.

A praia de Ponta Negra, por exemplo, já foi palco de diversos episódios de aglomerações nas últimas semanas. O que levou, inclusive, ao fechamento de algumas vias de acesso à orla em uma ação promovida pela Prefeitura de Natal, através da Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU).

As orlas públicas do Rio Grande do Norte ficaram fechadas, conforme
estabeleceu um decreto estadual no início de junho, para conter a disseminação da Covid-19. O acesso às praias ficou limitado a práticas de esportes individuais, como caminhadas. Já em um decreto publicado no Diário Oficial do Município (DOU) no último dia 8, ficou autorizada a reabertura dos quiosques nas praias da capital potiguar e o uso da faixa de areia para aluguel de barracas. Entretanto, sob algumas restrições: os donos dos pontos precisam manter as áreas limpas e acondicionar o lixo em locais definidos pela Urbana. Além disso, grandes hotéis reabriram em um processo de retomada que não é sinônimo de liberação desmedida. Um plano foi elaborado pela Secretaria Municipal de Turismo (Setur), em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (Uern) e a Universidade Estadual do Piauí (Uespi), e apresentado ao setor hoteleiro no fim de julho. O documento conta com direcionamentos para garantir a segurança em meio à pandemia.

DADOS

De acordo com o mais recente boletim epidemiológico, o Rio Grande do Norte soma 2.081 mortes em decorrência do coronavírus e 57.898 casos confirmados da doença. Neste domingo (16), a governadora do RN Fátima
Bezerra comemorou a redução do número de casos de Covid-19 no estado.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.