BUSCAR
BUSCAR
Crítica
Vereadora diz que é “absurdo” discutir reforma da Previdência Municipal agora
Vice-presidente da Câmara Municipal, Nina Souza (PDT) defende prioridade para votação da revisão do Plano Diretor
Redação
18/02/2020 | 04:30

A vereadora Nina Souza (PDT), vice-presidente da Câmara Municipal de Natal, criticou a possibilidade de a Prefeitura encaminhar para análise dos parlamentares uma proposta de reforma da Previdência Municipal. O assunto foi revelado em primeira mão pelo Agora RN na semana passada.

Segundo Nina Souza, “não é o momento” de tratar desse assunto, já que a Câmara decidiu priorizar este ano a revisão do Plano Diretor de Natal.

“Receber um texto de reforma da Previdência, para discutir paralelo ao Plano Diretor, é um absurdo. Não tem a menor condição. Essa reforma precisa acontecer, contudo, tem de ser numa discussão mais ampla, mais cautelosa. Este ano não é ano de acumular matérias”, argumentou, em entrevista ao Agora RN.

O projeto que trata da revisão do Plano Diretor deve chegar à Câmara de Natal nas próximas semanas. Na quinta-feira (20), a Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) vai apresentar a primeira minuta do texto, que ainda precisará ser referendada no Conselho das Cidades antes de ser enviada para o Legislativo. Vereadores e a própria Prefeitura têm defendido que esta seja a prioridade de discussões da Câmara neste primeiro semestre.

Apesar disso, o Município tem até o próximo dia 31 de julho de 2020 para se adequar às normas previstas na Emenda Constitucional nº 103 (reforma da Previdência geral). Entre elas, está a adoção de novas alíquotas de contribuição previdenciária. Hoje, a taxa é de 11% para todos os servidores da ativa, independente da renda. Pela emenda, deve passar para 14%.

Em entrevista à rádio Agora FM (97,9) na semana passada, o presidente do Instituto de Previdência dos Servidores de Natal (NatalPrev), Thiago Marreiros, afirmou o enquadramento do Município à Emenda 103 é obrigatória. Ele disse, inclusive, que o prefeito Álvaro Dias receberia nos próximos dias propostas para corrigir o sistema previdenciário.

Segundo Marreiros, o prefeito vai decidir se manda uma proposta de reforma da Previdência para a Câmara Municipal ou se aguarda a aprovação, no Congresso, de uma emenda constitucional que inclua automaticamente os municípios na reforma geral sem a necessidade de legislação específica local. É a chamada “PEC paralela”, que ainda está tramitando no Senado.

Como os ajustes terão de acontecer até 31 de julho, a expectativa é que o prefeito realmente envie a reforma para apreciação dos vereadores. O prefeito pode tratar do assunto já nesta terça-feira (18), quando ele deverá comparecer à Câmara para a tradicional leitura da mensagem anual.

Na avaliação de Nina Souza, é “precoce” discutir reforma da Previdência neste momento. “Tem de abrir uma ampla discussão com os servidores”, disse a vereadora, ressaltando que várias categorias do funcionalismo municipal não têm plano de cargos e salários ou que têm, mas que estão defasados.

“Chegar agora e mexer na Previdência é algo temerário. Não é o momento de o governo fazer isso. Fazer isso no último ano de governo não é uma boa”, concluiu a parlamentar.

De acordo com a Secretaria de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, estados e municípios com regime próprio de Previdência que não se adequarem até 31 de julho poderão ficar impedidos de receber verbas federais ou de contratar empréstimo com aval da União.

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.